Stélio Sá Leitão desmente travar guerra fria com Júnior do Trapiá por presidência da Câmara do Assú

Stélio Sá Leitão desmente travar guerra fria com Júnior do Trapiá por presidência da Câmara do Assú

14712-stelio

O vereador eleito Stélio Sá Leitão, do PROS, usou a sua rede social no Facebook para desmentir a manchete política do Blog do VT, de que estaria em guerra fria com o seu colega e vereador eleito Júnior do Trapiá, do PSB, ambos da atual base governista do prefeito Ivan Júnior, na disputa pela presidência da Câmara Municipal do Assú.

Na postagem em que aparece tomando café com Júnior do Trapiá, o vereador Stélio que é membro da Igreja Assembléia de Deus em Assú, comentou que estava desmentindo a notícia veiculada aqui no blog e que segundo ele “insiste em querer nos desarticular…”

14590245_1197267127024701_9220186451549407975_n

“Aqui é massa de pão (quanto mais bate cresce)… Então eu digo – pode bater bater e bater…. Estamos juntos”, destacou no post. Já na rede social de whatassap, o irmão Stélio, foi de agressividade canina, classificando o blogueiro VT como mentiroso e sem credibilidade, para desmentir a informação.

EM TEMPO: O Blog do VT lamenta que o vereador religioso da Assembléia de Deus, Stélio de Sá Leitão, não tenha desmentido de forma civilizada, já que uma fonte do blog garante existir uma guerra fria entre os dois, mas o blog respeita a decisão do irmão Stélio de discordar.

Na política tomar café juntos, não significa afinação ou amizade, mas vamos esperar e o futuro dirá se não haverá quebra pau na disputa da Câmara ou até rompimento político. O povo do Assú se lembra dos vereadores se balançando nas redes e tomando sopa na casa do atual presidente Breno Lopes.

Hoje, a realidade é tensa e pode ser que mude. O Blog do VT sabe que a resposta branda desvia o furor, mas a palavra dura suscita a ira. (Provérbios 15:1).

Em Assú, George Soares, esquece de derrota feia para Ivan Júnior e diz que Ronaldo vence por 1 a zero

Em Assú, George Soares, esquece de derrota feia para Ivan Júnior e diz que Ronaldo vence por 1 a zero

george_vaquejada

Com ódio no coração pela derrota sofrida na disputa pela Prefeitura do Assú em 2012, a babá do prefeito eleito Gustavo Soares, o deputado George Soares, do PR, voltou a avisar que a partir de janeiro de 2017, a dupla Gustavo e Sandra, vão tomar conta do governo, sem ingerência e interferência dele, afirmando que o placar agora com a derrota de Patrício Júnior, o seu pai Ronaldo Soares, venceu o prefeito Ivan Júnior.

Apesar de dizer que o jogo está 1 a zero para o ex-prefeito Ronaldo Soares no embate com o prefeito Ivan Júnior, o deputado George Soares que vai deixar de ser a babá do filhote de Jacaré a partir de janeiro de 2017, esqueceu de sua feia, vergonhosa e humilhante derrota para o atual gestor, quando o velho Jacaré andava feito doido num trenzinho pelas ruas de Assú.

Na realidade, o prefeito Ivan Júnior, até agora permanece invicto na disputa política direta com o clã dos Soares/Montenegro, assim como o ex-prefeito Ronaldo Soares que como candidato nunca perdeu uma eleição.

A derrota do candidato Domicito Soares em 1996 apoiado por Ronaldo Soares, para seu primo e ex-prefeito José Maria, não foi uma derrota real de Ronaldo, assim como a derrota de Patrício Júnior, para Gustavo Soares, também não é de Ivan Júnior.

Na briga política direta com Ivan Júnior, o deputado George Soares, é um perdedor. Para virar o jogo, o deputado precisa vencer Ivan no confronto político direto. Até agora, George carrega na alma a marca da derrota e de político fracassado por ter perdido para o atual gestor do município.

Parlamentares entregam 7,8 mil emendas que totalizam R$ 96,6 bilhões ao Orçamento da União de 2017

Parlamentares entregam 7,8 mil emendas que totalizam R$ 96,6 bilhões ao Orçamento da União de 2017

congresso-nacional-camara-dos-deputados

Cada congressista pode apresentar até 25 emendas; somadas, elas totalizam R$ 96,6 bilhões

Os 513 deputados e 81 senadores apresentaram 7.834 emendas à proposta de Orçamento da União de 2017, que totalizam R$ 96,6 bilhões. O prazo para a apresentação das emendas se encerrou na última quinta-feira (20).

Esse número contempla emendas individuais e coletivas. As individuais são de execução obrigatória, sujeita à disponibilidade de recursos no Tesouro Nacional. Cada parlamentar pode apresentar até 25 delas, totalizando R$ 15,3 milhões por deputado ou senador.

Conforme levantamento da Agência Câmara de notícias, os deputados apresentaram 6.310 emendas individuais, que totalizam R$ 7,9 bilhões. Os senadores, por sua vez, propuseram 891 emendas desse tipo, no valor de R$ 1,2 bilhão.

Também foram protocoladas emendas coletivas, apresentadas pelas bancadas dos Estados e pelas comissões permanentes das Casas. As bancadas estaduais apresentaram 448 emendas, de R$ 44,7 bilhões – apenas duas emendas por Estado serão de execução obrigatória.

As comissões permanentes da Câmara e do Senado entregaram 168 emendas (R$ 40,4 bilhões) e as comissões mistas do Congresso, 17 emendas (R$ 2,3 bilhões).

Ler mais

Gustavo Soares se esconde debaixo da saia da sua babá para ficar contra a nomeação de aprovados em concurso público

Gustavo Soares se esconde ‘debaixo da saia’ da sua ‘babá’ para ficar contra a nomeação de aprovados em concurso público

1471-gustavo-festa

O povo elegeu Gustavo prefeito de Assú, mas quem manda é a sua babá e deputado George Soares que ameaça acionar a Justiça para barrar a nomeação de concursados

O prefeito do Assú de fato sem ser eleito, o deputado estadual do PR, George Soares, continua a agir como babá do seu irmão e filhote do Jacaré, o prefeito eleito direito, Gustavo Soares – e tem se mostrado contra a nomeação de 70 pessoas aprovadas no concurso público realizado pelo município com o aval do Ministério Público, para poder transformar a Prefeitura do Assú num grande cabide de emprego dos apadrinhados do “Doutor”.

O atual prefeito Ivan Júnior fez apenas cumprir a lei, como vem cumprindo ao longo dos quase oito anos de mandato, já tendo chamado 417 concursados aprovados e prorrogado a validade do certame por mais dois anos ou seja até 2019 para que o prefeito eleito Gustavo Soares, possa chamar mais de 300 pessoas graças a generosidade política e administrativa do atual chefe do executivo assuense.

Portanto, não existe motivo legal para reclamação do fora da lei e ex-prefeito Ronaldo Soares e do filhote de Jacaré que foi eleito, mas que se esconde debaixo da saia do seu irmão e deputado estadual George Soares para ficar contra a nomeação de apenas 70 aprovados em concurso público em 2014 para ter a liberdade de nomear os seus apadrinhados por favores eleitorais.

PSB pode atrapalhar plano do governo e Rafael Motta em viagem internacional não vai comparecer à votação da PEC 241

728x90PSB pode atrapalhar plano do governo e Rafael Motta em viagem internacional não vai comparecer à votação da PEC 241

rafael-241

Doze parlamentares da sigla devem votar contra a proposta; outros dois deputados que tinham votado a favor devem faltar

A bancada do PSB na Câmara pode atrapalhar os planos do governo Temer de aumentar o placar de aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que cria um teto para o crescimento dos gastos na segunda votação da matéria no plenário da Casa, marcada para a próxima terça-feira.

No partido, a previsão é de que 12 deputados votem contra a PEC na segunda votação – dois a mais do que no primeiro turno, quando 10 dos 32 parlamentares do PSB se posicionaram contrários à proposta. Além disso, outros dois deputados que tinham votado a favor da PEC devem faltar.

Os deputados Rafael Motta (PSB-RN) e Paulo Foletto (PSB-ES), líder do partido na Câmara, não deverão comparecer à votação em segundo turno da PEC do teto. O primeiro estará em viagem internacional, enquanto o segundo fará uma cirurgia na própria terça-feira.

Ler mais

STF pode rever regra que blinda governadores

STF pode rever regra que blinda governadores

carmen-lucia

Está nas mãos da presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Cármen Lúcia, a decisão de pautar ou não um tema polêmico que afeta diretamente os governadores. São ações que questionam a necessidade de autorização prévia dos deputados estaduais para processar e julgar os chefes de Estado locais.

No modelo atual, os governadores se tornam intocáveis, nas palavras de um ministro, uma vez que formam maioria parlamentar com razoável facilidade e conseguem controlar as votações dentro d as Assembleias Legislativas.

Nos últimos 15 anos, apenas a Assembleia de Rondônia autorizou o STJ a processar o então governador Ivo Cassol.
No período, contabilizam-se 15 pedidos negados e 35 nem sequer foram analisados durante o mandato do chefe de estado. No momento, seis processos esperam ordem das Assembleias para andar.

Um dos casos mais recentes envolve o governador de Minas, Fernando Pimentel, indiciado pela PF por corrupção e lavagem de dinheiro. O caso está parado à espera da Assembleia. Se o STF mudar o entendimento antes, o processo volta a andar no STJ.

Por Coluna do Estadão

Felipe Parente, “homem da mala do PMDB”, diz que Renan e Jader receberam R$ 5,5 milhões em propina, segundo ‘Época’

Felipe Parente, “homem da mala do PMDB”, diz que Renan e Jader receberam R$ 5,5 milhões em propina, segundo ‘Época’

renan-calheiros-jader-barbalhoFelipe Parente, ligado ao ex-presidente da Transpetro, detalha entregas no Rio e em SP

POR O GLOBO

Em delação premiada, o “homem da mala do PMDB” Felipe Parente, afirma ter repassado R$ 5,5 milhões em propina ao atual presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e ao senador Jader Barbalho (PMDB-PA) entre 2004 e 2006, referentes ao esquema de corrupção da Petrobras, apelidado de “Petrolão”. Os trechos da delação premiada foram obtidos com exclusividade pela revista “Época”. Parente era responsável pela entrega de dinheiro em espécie de propinas da Transpetro, subsidiária da Petrobras.

Parente é ligado ao ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, que tornou-se delator da Lava-Jato e expôs gravações de conversas telefônicas com Renan Calheiros, nas quais o presidente do Senado falava em mudanças na lei de delação premiada de modo a evitar que alguém preso se tornasse delator. O relato de Parente, obtido pela “Época”, afirma que os R$ 5,5 milhões destinados a Renan e Jader tinham como origem as empreiteiras Queiroz Galvão e UTC, além da empresa de fretamento de navios Teekay Norway que, segundo a reportagem, teve até sete embarcações de transporte de petróleo em alto mar contratadas pela Transpetro.

As revelações de Parente já tinham vindo à tona em reportagem da revista “Veja” no início deste mês, em que ele aparecia caracterizado como “homem da mala do PMDB”. A reportagem, que também teve acesso a trechos da delação, detalhava entregas de dinheiro ao senador Jader Barbalho e também a Renan Calheiros, que teria recebido um total de R$ 32 milhões entre 2004 e 2014. O dinheiro referia a propinas obtidas através da Transpetro.

Ler mais

Rombo nas previdências, de R$ 77 bilhões, pode levar ao aumento da alíquota nos Estados de 11% para 14%

728x90 aplicativo detranContribuição de servidores estaduais pode subir

1477123421337-temer

Rombo nas previdências estaduais, que já chega a R$ 77 bilhões, pode levar ao aumento da alíquota nos Estados de 11% para 14%

Lu Aiko Otta / O Estado de S.Paulo

A proposta de reforma da Previdência ainda nem chegou ao Congresso, mas o governo Michel Temer já pensa no passo seguinte: encontrar uma nova fonte de financiamento para o sistema de aposentadorias e pensões. O diagnóstico é que, mesmo se a reforma for aprovada, o sistema ocupará um espaço cada vez maior no Orçamento federal e seguirá impedindo a expansão das demais despesas, como investimentos e programas sociais.

“Temos de ter coragem de colocar esse tema em debate”, disse um interlocutor do presidente. “Acho que temos de começar.” As opções seriam, por exemplo, aumentar as contribuições previdenciárias ou algum novo tributo, duas medidas altamente impopulares.

Uma fonte de financiamento que não existe, mas que poderá ser criada até mesmo pela própria Proposta de Emenda Constitucional (PEC) da reforma da Previdência a ser encaminhada nos próximos dias ao Congresso, é a elevação das contribuições previdenciárias dos servidores estaduais de 11% para 14%, conforme antecipou o Estado em setembro. Alguns governos estaduais já cobram esse nível mais elevado, mas a maioria tem dificuldade em aprovar, nas assembleias legislativas, esse aumento.

É por isso que os governadores querem que Temer inclua, na PEC da Previdência, algumas medidas que os ajudariam a estancar o crescimento dos gastos com a folha de servidores ativos e inativos. Dados do Tesouro Nacional mostram que o rombo da Previdência dos Estados ultrapassa R$ 77 bilhões, R$ 18 bilhões superior ao que eles informavam. Oito Estados não cumprem os limites para gastos com pessoal.

Ler mais