Em Natal, Walter Alves participa de reuniões com vários prefeitos do RN

Em Natal, Walter Alves participa de reuniões com vários prefeitos do RN

Walter Alves e prefeita de Frutuoso Gomes, Janda Jácome, e o vice-prefeito Bebé

O deputado federal Walter Alves (PMDB) participou, na tarde desta segunda-feira (13), de reuniões com vários prefeitos do Rio Grande do Norte. Durante os encontros, o parlamentar recebeu demandas dos gestores municipais e assumiu compromisso de tentar viabilizar recursos através de emendas parlamentares e ajuda administrativa em contato com os ministérios em Brasília.

Walter Alves e prefeita de Pedro Velho, Patrícia Targino

Segundo o deputado, as conversas com os prefeitos foram produtivas para definir as prioridades do mandato com relação ao encaminhamento de emendas. “Nosso mandato é municipalista. O contato com os prefeitos é permanente e é importante ouvi-los para definir prioridades”, conta Walter Alves.

Walter Alves e prefeito de Rodolfo Fernandes, Wilson Filho

Walter Alves e prefeito de Tibau, Naldinho

Estiveram com o deputado federal, os seguintes gestores: prefeita de Paraná, Oriana; prefeito de Tibau, Naldinho; prefeito de Almino Afonso, Waldênio Amorim; prefeita de Pedro Velho, Patrícia Targino; prefeito de Pilões, Dr. Sabino; de Frutuoso Gomes, prefeita Janda Jácome, e o vice-prefeito Bebé; prefeito de Rodolfo Fernandes, Wilson Filho; e o prefeito de Afonso Bezerra, Chico Bertuleza.

Além disso, estiveram com Walter Alves, o deputado estadual Souza, e a vereadora de Natal, Ana Paula acompanhada pelo ex-vereador Júlio Protásio.

Comissão aprova projeto de Rafael Motta sobre contratação de associação de pessoas com deficiência

Comissão aprova projeto de Rafael Motta sobre contratação de associação de pessoas com deficiência

A Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público da Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei 4810/16, do deputado federal Rafael Motta (PSB), que dispensa de licitação a contratação de associação de pessoas com deficiência para prestar serviços ou fornecer mão de obra para o Estado. Pela proposta, o preço do serviço deverá ser compatível com o praticado no mercado.

“A matéria corrige uma falha da Lei de Licitações (8.666/93), que assegura a dispensa de licitação, apenas, às associações de pessoas com deficiência física, deixando de fora outros casos de deficiência”, explica o deputado federal Rafael Motta.

Segundo o relator da matéria na Comissão de Trabalho, deputado Cabo Sabino (PR-CE), não há sentido em restringir a aplicação da dispensa de licitação somente aos casos de deficiência física. “Muitas atividades no setor público podem ser perfeitamente desenvolvidas por pessoas com deficiências de outras naturezas”, disse.

Rogério Marinho defende projeto que revoga Estatuto do Desarmamento

Rogério Marinho defende projeto que revoga Estatuto do Desarmamento

O deputado federal Rogério Marinho (PSDB) saiu em defesa do Projeto de Lei 3.722/12, de autoria do deputado Rogério Peninha Mendonça, que revoga o Estatuto do Desarmamento. A posição do parlamentar foi divulgada por meio de um artigo publicado neste final de semana, no Novo Jornal.

Segundo o texto, o tucano considera que o estatuto do desarmamento votado em 2003 “demonstrou ser um completo e irreversível fracasso. Desarmou o cidadão honesto e não conseguiu retirar armas de bandidos”. Ainda de acordo com o deputado, os que defendiam desarmar a população tinham a expectativa de que os crimes iriam diminuir. “Aconteceu exatamente o inverso”, completa.

Na opinião de Rogério Marinho, “não se pode aceitar a tola visão de que arma mata, pois quem mata são as pessoas; armas podem inclusive ajudar a salvar vidas quando estão em mãos corretas”.

Câmara vai propor anistia de multas às siglas no TSE

Câmara vai propor anistia de multas às siglas no TSE

Relator da comissão da reforma política na Casa afirma que vai colocar em pauta projeto para perdoar as penalidades impostas pela Justiça Eleitoral às legendas

Daiene Cardoso, O Estado de S.Paulo

Após tentar aprovar a anistia ao caixa 2 em campanhas, a Câmara dos Deputados vai tentar agora emplacar uma anistia financeira aos partidos com débitos pendentes no Tribunal Superior Eleitoral. Com o fim da doação de empresas, que aumentou a dependência das siglas em relação ao Fundo Partidário, a Comissão da Reforma Política vai colocar em pauta um projeto para perdoar as multas impostas pela Justiça Eleitoral às legendas.

O projeto será uma das prioridades da comissão, que retomará os trabalhos amanhã. “Como não tem mais doação privada, é razoável a anistia destas multas”, afirmou o relator da comissão, Vicente Cândido (PT-SP). Ele defende o perdão ao que chama de “exageros” da legislação e lembra que a fonte de recursos das legendas hoje é, majoritariamente, composta pelo Fundo Partidário, e não por doações de pessoas físicas. Entretanto, recursos do fundo não podem ser usados para sanar os valores devidos ao TSE.

Cândido vai sugerir a criação de uma sub-relatoria para tratar do assunto e deve indicar o deputado Édio Lopes (PR-RR) para apresentar um parecer sobre o tema. “Isso tem incidência sobre os partidos, sob pena de cassação do registro”, disse.

Ler mais

Brasil terá ao menos 2,5 milhões de ‘novos pobres’ até o fim do ano

Brasil terá ao menos 2,5 milhões de ‘novos pobres’ até o fim do ano

Estudo inédito do Banco Mundial aponta medidas para conter avanço da pobreza

Estudo inédito do Banco Mundial, ao qual o GLOBO teve acesso, aponta que o número de pessoas vivendo na pobreza no Brasil aumentará entre 2,5 milhões e 3,6 milhões até o fim deste ano. Denominados de “novos pobres” pela instituição internacional, porque estavam acima da linha da pobreza em 2015 e já caíram ou cairão abaixo dela neste ano, eles são na maioria adultos jovens, de áreas urbanas, com escolaridade média e que foram expulsos do mercado de trabalho formal pelo desemprego.

Se quiser estancar o crescimento da pobreza extrema aos níveis de 2015, base mais atual de dados oficiais sobre renda, o governo terá que aumentar o orçamento do Bolsa Família este ano para R$ 30,4 bilhões no cenário econômico mais otimista e para R$ 31 bilhões no quadro mais pessimista, aponta relatório do Banco Mundial. Para 2017, o programa de transferência de renda tem R$ 29,8 bilhões garantidos.

Ler mais

Bela, animada e da balada: como a sogra de Michel Temer se diverte

Bela, animada e da balada: como a sogra de Michel Temer se diverte

Norma Tedeschi (à esquerda, de preto), sogra do presidente Michel Temer, durante festa em Brasília com a presença do funkeiro MC G15, autor do hit “Deu Onda”

Eliane Trindade –  Folha de São Paulo

Às 2h deste domingo (12), o MC G15 sobe ao palco do Net Live, em Brasília, e exalta a plateia: “Vocês querem putaria?”. Diante do sim em uníssono, o funkeiro entoa o primeiro verso do hit do verão “Deu Onda”, em sua versão sem censura: “Eu preciso te f…”, no lugar de “Eu preciso ter você”.

Em um dos lounges VIPs, um grupo animado brinca com a senhora que os acompanha, fingindo tampar seus ouvidos para que ela não ouça o palavrão que faz vibrar um público composto em sua maioria de adolescentes e jovens na faixa dos 20 anos.

Aos 63, Norma Tedeschi, uma das convidadas do camarote Gold do Fest Verão, entra no clima da balada de pré-Carnaval brasiliense.

Com seus cabelos longos e louros, roupas elegantes (camisa de seda, saia na altura do joelho e sandália vermelha de salto agulha), a sogra do presidente Michel Temer engrossa o coro do sucesso que já teve mais de 160 milhões de visualizações no YouTube.

A mãe da primeira-dama, Marcela Temer, e todos à volta sabem de cor a letra que fez o jovem da Baixada Fluminense Gabriel Soares, 18, virar sensação do funk carioca:

“Eu não preciso mais beber/ E nem fumar maconha/ Que a sua presença me deu onda/ O seu sorriso me dá onda/ Você sentando, mozão, me deu onda.”

Ler mais

Cotado para Justiça, deputado de MG é crítico do Ministério Público

Cotado para Justiça, deputado de MG é crítico do Ministério Público

O deputado federal Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), cotado para o Ministério da Justiça

Daniel Carvalho – Folha de São Paulo

Cotado para assumir o Ministério da Justiça e Segurança Pública no lugar de Alexandre de Moraes, o deputado federal Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), 40, defendeu envolvidos no escândalo do mensalão e faltou a votações de temas imprescindíveis para o governo Michel Temer.

Além disso, já criticou o poder de investigação do Ministério Público.

Advogado, Pacheco integrou a banca que defendeu dirigentes do Banco Rural no processo do mensalão. Ao lado dos ex-ministros da Justiça Márcio Thomaz Bastos (morto em 2014) e José Carlos Dias, entre outros, ele assina várias peças de defesa dos ex-dirigentes da instituição.

Nas alegações finais da ex-presidente do Rural Katia Rabello, em 2011, os advogados escrevem que o Ministério Público “se rendeu a especulações não provadas, considerou fatos sem importância jurídica, senão midiática, ignorou aspectos temporais dos fatos”, entre outras falhas, na denúncia contra os investigados no mensalão.

Três ex-dirigentes do banco acabaram condenados pelo Supremo Tribunal Federal, entre eles Kátia Rabello, que recebeu pena de 16 anos e 8 meses de prisão.

Esta não foi a única vez que Pacheco fez críticas ao Ministério Público, hoje um dos principais atores da Operação Lava Jato.

Ler mais