A Grande Família de delatados

A Grande Família de delatados

Em 11 casos, políticos são investigados no Supremo juntos de parentes

Empresa familiar que tem pai e filho (Emílio e Marcelo) colaborando com a Justiça, a Odebrecht também fez delações em família na hora de tratar da situação de políticos. Em onze casos sob jurisdição do Supremo Tribunal Federal (STF) as investigações unem pai e filho, marido e mulher ou irmãos, segundo levantamento de O Globo.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), é quem tem a maior família entre os delatados. Ele responde a um inquérito junto com seu pai, o vereador e ex-prefeito do Rio César Maia. Segundo os delatores, Rodrigo obteve recursos de caixa 2 para a campanha do pai e também recebeu para ele próprio. O presidente da Câmara responde ainda a outra inquérito por ter recebido R$ 100 mil para ajudar na aprovação de uma Medida Provisória (MP) que beneficiava a empreiteira.

Além do pai, a família de Rodrigo Maia está representada por seu sogro. O presidente da Câmara é casado com uma filha do ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco. O ministro responde pelo pedido de R$ 4 milhões de recursos usados em caixa 2 em campanhas do PMDB em 2014 em troca de ajudar a empresa no processo de licitação de aeroportos quando comandava a área de Aviação Civil, ainda na gestão Dilma Rousseff.

Ler mais

Odebrecht teria pago ao menos R$ 24,5 milhões por contratos de saneamento em 12 estados

Odebrecht teria pago ao menos R$ 24,5 milhões por contratos de saneamento em 12 estados

A empresa chegou a financiar campanhas de candidatos rivais. Só no Pará, empresa teria doado R$ 1,5 milhão, em 2014, a Helder Barbalho (PMDB) e a mais dois políticos – Givaldo Barbosa

POR TIAGO DANTAS – O Globo

A Odebrecht pagou pelo menos R$ 24,5 milhões por meio de propina e caixa 2 para políticos de 12 estados do país com o propósito de conseguir contratos na área de saneamento básico. A empresa chegou a financiar campanhas de candidatos rivais e a distribuir pagamentos em cidades com menos de 20 mil habitantes na tentativa de fechar acordos para a Odebrecht Ambiental. A empresa foi vendida para um grupo canadense no fim do ano passado.

Só no Pará, a empresa doou R$ 1,5 milhão em 2014 ao ministro Helder Barbalho (PMDB-PA), então candidato ao governo, o senador Paulo Rocha (PT-PA) e o ex-prefeito de Marabá, João Salame (PROS-PA). Os delatores também relataram pagamentos em troca de vantagens na área de saneamento em Bahia, Goiás, Santa Catarina, Sergipe, Rio Grande do Norte e Rio Grande do Sul. As informações são de O Globo.

Ler mais

‘O senhor Marcelo Odebrecht faltou com a verdade’, reage Dilma Roussef

‘O senhor Marcelo Odebrecht faltou com a verdade’, reage Dilma Roussef

Ela sustenta que “é mentira” que tivesse conhecimento de “quaisquer situações ilegais que pudessem envolver a Odebrecht e seus dirigentes, além dos integrantes do próprio governo

A ex-presidente da República Dilma Rousseff reagiu nesta quinta-feira (13) à delação premiada do empresário Marcelo Odebrecht, que atribuiu a ela conhecimento da prática de caixa 2 “O senhor Marcelo Odebrecht faltou com a verdade”, disse Dilma, em nota divulgada por sua assessoria de imprensa.

Ela declarou enfaticamente que “nunca pediu recursos para a campanha ao empresário”. Refutou também “as insinuações de que tenha beneficiado a construtora”.

“É fato notório que Dilma Rousseff nunca manteve relação de amizade ou de proximidade com o senhor Marcelo Odebrecht. Muitas vezes os pleitos da empresa não foram atendidos por decisões do governo, em respeito ao interesse público. Essa relação distante, e em certa medida conflituosa, ficou evidenciada em passagens do depoimento prestado pelo senhor Marcelo Odebrecht”, assinala o texto da equipe da ex-presidente. As informações são da Agência Estado.

Ler mais

Lula se defende de acusações e garante candidatura em 2018

Lula diz não saber o que acontecerá, mas garante candidatura

O ex-presidente mandou um recado aos adversários: ‘Podem ficar certos que eu vou brigar pra voltar, pra fazer muito mais, porque já fiz este país ser quase a quinta economia do mundo.’

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu-se nesta quinta-feira (13) das acusações feitas em delação pelos ex-executivos do grupo Odebrecht e deixou claro que, mesmo não sabendo o que vai lhe acontecer, está no páreo para disputar novamente a presidência da República nas eleições gerais de 2018

“Não sei o que vai acontecer comigo, mas estou na disputa e vou provar que este país pode voltar a ser feliz”, disse o petista à Rádio Metrópole de Salvador. A entrevista foi divulgada nas páginas de Lula nas redes sociais. O ex-presidente mandou um recado aos adversários: “Podem ficar certos que eu vou brigar pra voltar, pra fazer muito mais, porque já fiz este país ser quase a quinta economia do mundo.” As informações são da Agência Estado.

Ler mais

Prescrição deve beneficiar FHC e o senador Jarbas Vasconcelos, entre outros da lista Fachin

Prescrição deve beneficiar FHC e o senador Jarbas Vasconcelos, entre outros da lista Fachin

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) foi citado pelo sócio majoritário da Odebrecht, Emílio Odebrecht, em sua delação premiada, mas é muito provável que o caso seja encerrado sem que haja investigação.

O motivo é o período em que as campanhas de FHC teriam recebido “pagamento de vantagens indevidas, não contabilizadas” –eleições de 1994 e de 1998. Pela legislação em vigor, o crime de caixa dois prescreve 12 anos após o fato. Ou seja, desde 2006, para acusações referentes ao primeiro pleito, e desde 2010 no caso da reeleição.

Em favor de FHC, há também o artigo 115 do Código Penal, que reduz pela metade o prazo de prescrição para os maiores de 70 anos por ocasião da sentença. O tucano fez 85 anos em junho de 2016.

Outro político que pode ser beneficiado pela prescrição é o deputado federal Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE), que, segundo delatores, teria recebido R$ 700 mil em caixa dois na campanha para o governo de Pernambuco, em 2010.

Ler mais

Henrique Alves repudia delação de executivo da Odebrech Márcio Faria

Henrique Alves repudia delação de executivo da Odebrech Márcio Faria

O Blog do VT recebeu nota enviada pelo advogado Marcelo, defensor do ex-ministro Henrique Alves, contestando as afirmações feitas pelo executivo da Odebrescht Márcio Faria em delação premiada, na qual aponta a sua participação em reunião ocorrida no dia 15 de julho de 2010 no escritório político do presidente Michel Temer, em São Paulo.

NOTA  À  IMPRENSA

A defesa de Henrique Eduardo Alves repudia veementemente as afirmações feitas pelo executivo da Odebrescht Márcio Faria em delação premiada, na qual aponta a sua participação em reunião ocorrida no dia 15 de julho de 2010 no escritório político do presidente Michel Temer, em São Paulo, com a presença deste, do então deputado Eduardo Cunha e do delator, ocasião em que teria tratado do pagamento de propina decorrente de contrato com a Petrobras.

Ler mais

Emilio Odebrecht diz que tratou com Lula de obra de R$ 700 mil em sítio

Emilio Odebrecht diz que tratou com Lula de obra de R$ 700 mil em sítio

O patriarca do Grupo Odebrecht, Emilio Odebrecht, disse que tratou com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva de uma obra no sítio em Atibaia, no interior de São Paulo, usado pelo petista.

Em delação premiada, Emilio Odebrecht disse que a obra era considerada uma “surpresa”, mas afirmou ter falado do assunto com Lula em 30 de dezembro de 2010, penúltimo dia de seu segundo mandato como presidente.

“Eu estive com ele lá em Brasília e aí eu disse: ‘Olhe, chefe, o sr. vai ter uma surpresa e nós vamos garantir o prazo naquele programa lá do sítio’. Ele não fez nenhum comentário, mas não botou nenhuma surpresa”, disse Emilio.

Questionado pelos procuradores se a reação do ex-presidente era uma demonstração de que ele sabia da obra, respondeu: “Eu entendi não ser mais surpresa. Já estava sabendo”. As informações são da Folha de São Paulo.

Ler mais

Primeira lista de Janot faz dois anos sem nenhuma condenação

Primeira lista de Janot faz dois anos sem nenhuma condenação

Anunciada com impacto, a primeira lista de investigados pela Procuradoria Geral da República (PGR) na Lava Jato, com um total de 27 inquéritos abertos em março de 2015, teve pouca consequência jurídica até agora. Nenhum dos citados na época foi condenado até o momento, embora alguns tenham se tornado réus após as investigações.

Dos 50 políticos investigados na época, apenas uma pequena parcela se tornou réu por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF).

Há dois anos, as investigações também começaram a partir de depoimentos prestados em acordos de colaboração. O anúncio da lista, conhecida como “lista do Janot”, na noite do dia 6 de março de 2015, foi cercado de expectativa. Ao longo de meses, o procurador geral da República, Rodrigo Janot, manejou a relação em sigilo. O ministro Teori Zavascki, então relator da Lava Jato, acolheu todos os pedidos e autorizou a abertura de 25 inquéritos. O Superior Tribunal de Justiça (STJ) abriu mais dois. As informações são da Agência Estado.

Ler mais

Governador comemora aniversário em missa de ação de graças em São José de Mipibu

Governador comemora aniversário em missa de ação de graças em São José de Mipibu

O governador Robinson Faria reuniu familiares e amigos em uma missa de ação de graças pelo seu aniversário, celebrada na noite desta quarta-feira, 12, na igreja matriz de São José de Mipibu. O encontro religioso foi o desfecho da agenda administrativa realizada durante todo o dia na cidade do Agreste.

“Eu decidi comemorar o meu aniversário da forma que mais me sinto realizado: levando importantes ações para os potiguares. E nesta data, não poderia ter escolhido um lugar melhor, o Agreste, região onde iniciei minha carreira política”, afirmou Robinson.

Durante a cerimônia, o padre José Lenilson abençoou toda a classe política presente. “Que Deus abençoe todos aqueles que assumiram um cargo público, para que eles possam agir pelo bem do nosso povo”, disse, dirigindo-se também a Robinson.

Ler mais

Relator indica idade mínima de aposentadoria na transição em 50 anos para mulheres e 55 para homens

Relator indica idade mínima de aposentadoria na transição em 50 anos para mulheres e 55 para homens

O relator da reforma da Previdência, deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), disse nesta quarta-feira que não se pode admitir mais que as pessoas não tenham uma idade mínima para se aposentar e indicou que esse piso para quem aderir à regra da transição tende a ficar em 50 anos para as mulheres e 55 anos para os homens.

“Tudo indica que será algo nesse tom, mas estamos ainda vendo”, disse Maia, após participar de reunião no Ministério da Fazenda com o ministro Henrique Meirelles, o secretário da Previdência, Marcelo Caetano, e o presidente da Comissão Especial da reforma, deputado Carlos Marun (PMDB-MS).

“O que nós temos que dizer é que realmente não podemos admitir a essa altura do campeonato que as pessoas não tenham a idade mínima de aposentadoria”, acrescentou. As informações são da Agência Reuters.

Ler mais

‘Eu não vou rir nem vou chorar’, diz Lula sobre delação da Odebrecht

‘Eu não vou rir nem vou chorar’, diz Lula sobre delação da Odebrecht

Um dia depois de ter sido levantado o sigilo das delações da Odebrecht, o ex-presidente Lula afirmou que a acusação é tão “inverossímil e irreal” que não vai rir nem chorar, apenas ler cada peça do processo para chegar com segurança “no dia certo. Em entrevista à Rádio Metrópole, de Salvador, ele classificou a delação do empresário Marcelo Odebrecht e disse que não pode ficar nervoso ou perder a cabeça “por uma coisa dessa” neste momento.

– Mais um absurdo, a delação do Marcelo Odebrecht. Eu até compreendo que o Marcelo já tá preso há dois anos, que ele tem família fora, que ele tá comendo o pão que o diabo amassou e talvez esteja tentando criar condição para sair da cadeia. Agora, é tão inverossímil a acusação, é tão irreal, que eu não vou rir nem vou chorar. Vou analisar corretamente, vou conversar com os advogados, vou ler cada peça do processo, pra que a gente possa chegar no dia certo claramente e com segurança. A delação tem que ser provada, a pessoa tem que provar – afirmou.

Lula disse que está tranquilo desafiou empresários a dizerem que pediu dinheiro a eles.

Ler mais

Prefeito de Ipanguaçu está igual a “bosta n’água”

Prefeito de Ipanguaçu está igual a “bosta n’água”

O prefeito de Ipanguaçu Valderedo Bertoldo, 51 anos, está igual a “bosta n’água”. Uma hora dizia que seu deputado estadual para 2018 era José Adécio. Depois virou a casaca e agora diz apoiar o deputado Ricardo Motta, assim como seu filho, o deputado federal Rafael Motta.

Mas….o prefeito Valderedo começou a conversar com Gustavo Carvalho. Ele deve votar em Ricardo, mas para deputado federal ficará mesmo com o tucano Gustavo Carvalho. Filiado ao PSDB, Valderedo se não mudar a postura pode até ser expulso da legenda por causa do vai e vem e da infidelidade partidária.

Odebrecht detalha esquema de pagamento à campanha de Dilma em troca de Medida Provisória

Odebrecht detalha esquema de pagamento à campanha de Dilma em troca de Medida Provisória

Em depoimento divulgado pelo Supremo Tribunal Federal (STF), Marcelo Odebrecht detalha suposto pagamento de R$ 100 milhões para a campanha de 2014 da ex-presidente Dilma Rousseff, repasse pedido pelo então ministro Guido Mantega.

O pagamento teria sido combinado com a aprovação da Medida Provisória 613, que ajudou a Braskem, braço da Odebrecht, e tratava do Regime Especial da Indústria Química (Reiq), com incentivos fiscais à produção de etanol e à indústria química.

O ex-executivo diz que essa não foi uma troca direta de favores como foi, conta, a negociação dos R$ 50 milhões repassados ao governo pela criação do Refis da Crise, em 2009, para solucionar a crise causada pelo IPI zero. Mas que o então ministro sabia que estava falando com “alguém que dava dinheiro para João Santana”. As informações são de O Globo.

Ler mais

Delator relata caixa dois para cinco partidos apoiarem Dilma em 2014

Delator relata caixa dois para cinco partidos apoiarem Dilma em 2014

PRB, PCdoB, PROS, PDT e PP receberam, cada um, R$ 7 milhões, segundo Alencar

POR JÚNIA GAMA – O Globo

O ex-diretor de relações Institucionais da Odebrecht, Alexandrino Alencar, afirmou que o ex-ministro Edinho Silva, quando se tornou tesoureiro da campanha de Dilma Rousseff em 2014, pediu doações por meio de caixa dois para cinco partidos apoiarem a chapa Força do Povo, no valor de R$ 7 milhões cada.

Os partidos que receberam as doações ilegais foram, segundo o ex-diretor da Odebrecht, PCdoB, PDT, PRB, PROS e PP.

Alexandrino diz ter ficado responsável pelas negociações com o hoje ministro Marcos Pereira, do PRB, Eurípedes Junior, do PROS, e Fábio Tokarski, do PCdoB. Juntos, esses partidos somaram 3 minutos e 20 segundos de tempo de televisão à chapa presidencial. Em troca, diz o ex-diretor, a empreiteira esperava obter contrapartidas do governo eleito.

Ler mais

Governo economizará R$ 1,6 bi por ano com auxílios-doença anulados

Pente-fino cancela 84% dos auxílios-doença e aposentadorias por invalidez

Pente-fino cancela 84% do benefícios dados há mais de dois anos por determinação judicial

Marina Dias – Folha de São Paulo

O governo federal cancelou quase 85 mil auxílios-doença e aposentadorias por invalidez depois de fazer um pente-fino em benefícios concedidos há mais de dois anos por determinação judicial sem que uma data limite para encerrar o pagamento tivesse sido estabelecida.

Das 87.517 pessoas que se submeteram a perícia, 73.352 (84%) tiveram os benefícios cassados. Outras 11.502 não compareceram para reavaliação e, por isso, deixaram de receber os auxílios.

“Oitenta e quatro por cento das pessoas que estão no auxílio-doença há mais de dois anos são saudáveis e por isso que foi cancelado o benefício. Isso é um percentual altíssimo”, disse o secretário-executivo do Ministério do Desenvolvimento Social (MDS), Alberto Beltrame.

Atualmente, 31% do 1,7 milhão de auxílios-doença e 34% das 3,4 milhões de aposentadorias por invalidez pagos pelo INSS (Instituto Nacional de Seguro Social) são concedidos por ordem de um juiz.

Ler mais