Policiais invadem a Câmara em protesto contra a reforma da Previdência

Eles tentaram entrar no prédio por um dos principais acessos de parlamentares, imprensa e público em geral

Protesto de policiais civis contra a reforma da Previdência provoca tumulto e quebra-quebra no prédio do Congresso Nacional nesta terça-feira, 18. Eles tentaram entrar no prédio da Câmara dos Deputados pela chapelaria – um dos principais acessos de parlamentares, imprensa e público em geral.

O acesso do grupo ao prédio foi impedido pela segurança legislativa e o confronto teve início com a presença, inclusive, da tropa de choque. Foram lançadas bombas de gás lacrimogênio, gás de pimenta, muitas pessoas estão passando mal e os manifestantes quebraram os vidros da chapelaria.

O acesso ao prédio do Senado foi trancado e o plenário da Câmara dos Deputados, onde está prevista a votação na tarde de hoje do projeto de recuperação fiscal dos Estados, também foi fechado. As informações são da Agência Estado.

Prefeito de Macau ‘passa o rodo’ e exonera mais de 330 comissionados

O prefeito Túlio Lemos exonerou todos os servidores comissionados da prefeitura. Cerca de 336 funcionários foram demitidos. O decreto foi publicado nesta segunda-feira (17), no Diário Oficial do Município.

Na publicação o gestor também revogou todas as funções gratificadas implantadas até o dia 12 passado.

A exoneração em massa, pegou de surpresa muitos apadrinhados dos vereadores e de outra lideranças políticas governistas, prejudicando muitos pais de famílias que tem compromissos a cumprir. O rebuliço é grande na terra do sal.

Fachin manda fazer pente-fino nas emendas de Bruno Araújo ‘Jujuba’

Ministro relator da Lava Jato no Supremo quer levantamento das proposições na Câmara do atual ministro das Cidades do governo Temer e também das obras da Odebrecht em PE

Julia Affonso, Ricardo Brandt e Beatriz Bulla O Estado de São Paulo

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou a Polícia Federal a levantar as obras da Odebrecht ‘no local de origem’ do ministro das Cidades, Bruno Araújo (PSDB-PE). A determinação de Fachin alcança ainda todas as emendas parlamentares propostas pelo tucano, no período em que ele estava na Câmara.

Sob codinome ‘Jujuba’, Bruno Araújo recebeu R$ 600 mil não contabilizados da Odebrecht porque era uma ‘aposta’ da empreiteira, segundo o executivo João Pacífico Ferreira, um dos delatores da empreiteira na Operação Lava Jato. O executivo ocupou o cargo de diretor superintendente da área de infraestrutura nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste da empreiteira.

“Bruno Araújo é um político jovem, foi deputado estadual, hoje é deputado federal. Eu conheço ele desde quando ele era adolescente. Tenho relações com a família dele, conheço o pai, irmãos”, contou Ferreira.

“Isso (o repasse) era em função da relação e também de uma aposta que nós fazíamos de que ele viria a ser um político de destaque. Tanto que ele foi. Hoje é ministro de Estado”, afirmou o delator.

Ler mais

FMI melhora previsão e indica que Brasil deve crescer 1,7% em 2018

Fundo condiciona retomada à aprovação de reformas.

Por Agencia EFE

O Fundo Monetário Internacional (FMI) estima que neste ano o Brasil sairá da recessão ao crescer 0,2%, e que em 2018, a economia do país terá um desempenho ainda melhor, com elevação de 1,7%, ante previsão de 1,5% em janeiro.

No relatório “Perspectivas Econômicas Globais” divulgado nesta terça-feira, o FMI aponta que a melhora da situação do Brasil é fruto de “uma menor incerteza política, a distensão da política monetária e o avanço do programa de reforma”.

Mas o FMI também advertiu que, no final de 2016, “o investimento e o PIB ainda não tinham chegado ao ponto mais baixo” e que em alguns dos estados do país” a crise fiscal continua se aprofundando”.

Ler mais

Paulo Bauer apresenta projeto para extinguir propaganda eleitoral no rádio e na TV

O líder do PSDB no Senado, Paulo Bauer (SC), apresentou projeto ontem para extinguir a propaganda eleitoral e partidária no rádio e na televisão, que custou R$ 3,5 bilhões aos cofres públicos nos últimos 12 anos.

Bauer defende que os partidos apresentem suas ideias pelas redes sociais e “voltem às ruas”. Ele já tem apoio de algumas emissoras de TV. Falta convencer as legendas, segundo a Coluna do Estadão.

Aneel aprova reajuste de 3,38% para consumidores de energia do RN

As tarifas de energia da Companhia Energética do Rio Grande do Norte (Cosern) serão reajustadas em 3,38% a partir do dia 22 de abril. O reajuste foi aprovado nesta terça-feira (18) pela diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Para os consumidores de baixa tensão, que são os residenciais, o reajuste médio será de 3,08%, já para os consumidores de alta tensão, os industriais, terão reajuste de 4,07%.

A Consern atende mais de 1,3 milhão de clientes, nos 167 municípios do Rio Grande do Norte. Segundo informações da empresa, 86% dos clientes são residenciais.

‘Falseamento da democracia partidária’, diz Gilmar sobre número de siglas no País

Sem citar nomes, ministro do STF falou de forma irônica sobre uma ‘nova profissão’ no Brasil, a de políticos que se dizem não políticos

Célia Froufe, O Estado de S.Paulo

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Gilmar Mendes, afirmou há pouco que o Brasil passa por um momento de “falseamento” da democracia partidária. “Temos 28 partidos no Congresso Nacional, 18 na base no governo, 35 registrados na Justiça Eleitoral e 50 candidatos a serem registrados”, enumerou durante palestra nesta terça-feira, 18, na capital de Portugal, gerando burburinho entre os presentes por causa dos grandes números.

O ministro explicou que essa infinidade de partidos é fruto do bipartidarismo, do período de autoritarismo pelo qual passou o País. “Pervertemos o modelo proporcional, que já é singular, e permitimos essa soma de letras com consequências gravíssimas para o todo. O modelo faz com que as eleições tenham as distorções que todos conhecemos”, considerou.

Mendes fez críticas a vários partidos. Citou, por exemplo, que Marina Silva não conseguiu o número de assinaturas necessário para criar a sua legenda e que acabou integrando a chapa com Eduardo Campos para a campanha de 2014 – o líder da chapa acabou falecendo antes da eleição. “Nessa leva de partido criados, foi iniciado o Partido da Mulher, que não tem mulher”, ressaltou, tirando risos da plateia na capital portuguesa.

Ler mais

FHC diz que partidos perdem legitimidade quando eleitores deixam de acreditar nas siglas

Ex-presidente tucano recomendou ao próprio partido que organizasse diretórios virtuais: ‘Ninguém vai sair de casa para decidir o pequeno poder político do partido’

Célia Froufe, O Estado de S.Paulo

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso disse em palestra nesta terça-feira, 18, que quando as pessoas deixam de acreditar nos partidos os representantes das siglas perdem legitimidade. “Este é o problema que nós temos. A crise que estamos vivendo não é propriamente uma crise, é uma mutação da civilização e que tem consequências políticas”, disse, durante a principal conferência durante o V Seminário Luso-Brasileiro de Direito, em Lisboa.

“Vamos cruzar os braços por causa disso ou vamos jogar fora aquilo que foi feito desde o século XIX? Não, vamos ter que adaptar, vamos ter que adaptar as nossas instituições ao modo de viver contemporâneo”, disse FHC. 

O ex-presidente questionou como se pode fazer democracia sem partidos. Disse que não daria muitos detalhes, mas que recomendou ao seu próprio partido (PSDB) que organizasse diretórios virtuais.

Ler mais

Pela reforma, até 2020 parlamentar federal se aposenta aos 60

O resumo da apresentação do relator Arthur Maia (PPS- BA) sobre a Reforma  da Previdência aos deputados da base aliada hoje, 18, no Palácio do Alvorada traz uma diferença na aposentadoria de parlamentares e outros trabalhadores.

No texto, parlamentares federais que se aposentarem até 2020 podem parar de trabalhar aos 60 anos. O mesmo documento estabelece idade mínima de 65 anos para homens e 62 para mulheres, e 25 anos de contribuição.

O relatório altera para 60 anos o prazo para aposentadoria rural. Ou seja, até 2020, parlamentares federais e trabalhadores do campo poderão se aposentar com a mesma idade.

Ainda na regra para parlamentar federal, a partir de 2020, deve-se acrescer um ano a cada dois anos até o limite se 65 E 62 e 35 anos de contribuição, acrescidos de 30% de pedágio sobre o que falta para atingir a exigência. (Naira Trindade – Coluna do Estado)

Mercadante interlocutor ‘junto à Odebrecht’ para a Lava Jato

Marcelo Odebrecht relatou aos procuradores que a empreiteira procurou o Planalto a fim de conter a grande investigação; segundo ele, durante as tratativas, a ex-presidente teria sido informada sobre caixa dois para a campanha eleitoral de 2014

Luiz Vassallo – O Estado de São Paulo

O ex-presidente da maior construtora do país, Marcelo Odebrecht, afirmou, em delação premiada, que a ex-presidente Dilma Rousseff escalou, em 2015, o ministro Aloizio Mercadante interlocutor do governo ‘junto à Odebrecht’, para tratar de assuntos ligados à Operação Lava Jato. As delações premiadas de executivos da empreiteira mostram que o governo federal foi procurado diversas vezes para obter informações sobre vazamento de investigações e tentar interferências na Justiça para livrar empresários da cadeia.

Marcelo disse que ‘no intuito de obter fundamentos que pudessem levar à nulidade dos processos criminais conduzidos no âmbito da Operação Lava Jato’, e ‘baseado no fato de que a CNO (Construtora Norberto Odebrecht) e o Governo Federal tinham interesses comuns sobre as investigações’, a empreiteira teve acesso a representantes do Planalto.

Segundo ele, o diretor jurídico da Odebrecht, Maurício Ferro, ‘chegou a solicitar ao secretário da Presidência Gilles Azevedo que o governo interferisse junto aos Tribunais Superiores para soltura dos executivos da OAS e UTC até então presos’. No entanto, Marcelo diz não saber se, de fato, o governo intercedeu em favor da empreiteira.

Ler mais

Pilotos e comissários avaliam greve contra reforma trabalhista

A entidade considera que o texto substitutivo da Reforma Trabalhista apresentado na última quinta-feira (13) representa potencialmente uma precarização sem precedentes para a profissão

O Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA) comunicou nesta terça-feira, 18, que irá convocar assembleia para todos os pilotos e comissários para a próxima segunda-feira, dia 24 de abril, em São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e Porto Alegre, para discutir a possibilidade de uma paralisação das atividades aéreas no País, como forma de manifestação contra a reforma trabalhista.

A entidade considera que o texto substitutivo da Reforma Trabalhista apresentado na última quinta-feira (13) “representa potencialmente uma precarização sem precedentes para a profissão de pilotos e comissários, afetando inclusive a segurança de voo”. As informações são da Agência Estado.

Ler mais

Temer diz a deputados da base aliada que é preciso ‘resistir’ à Lava-Jato

Presidente sugere que os parlamentares se ‘vitalizem’ e mostrem trabalho

POR LETICIA FERNANDES / EDUARDO BARRETTO – O Globo

Atingido em cheio pelas delações da Odebrecht, que geraram aberturas de inquéritos contra oito de seus ministros e parlamentares aliados, o presidente Michel Temer disse nesta terça-feira, em café da manhã com deputados da base no Palácio da Alvorada, que a classe política precisa “resistir” ao “problema sério” que o país atravessa, uma referência indireta à Lava-Jato.

Temer afirmou que ele pessoalmente resiste “o quanto pode” e que as “questões mais variadas”, como a crise gerada pela lista do ministro Edson Fachin, relator das investigações no Supremo Tribunal Federal (STF), têm o objetivo de “desprestigiar a classe política”.

— Há um problema sério no país, vocês sabem disso, as questões as mais variadas, que muitas e muitas vezes visam, digamos assim, desprestigiar a classe política, e nós todos precisamos resistir. Eu tenho resistido o quanto posso, dou entrevistas, falo, para dizer aquilo que o Brasil precisa. Não se pode ter a ideia de que porque aconteceu isto ou aquilo o Brasil vai parar — disse Temer, em discurso para a base que sustenta o seu governo na Câmara:

Ler mais

Delator da Odebrecht aponta propina de R$ 24,6 milhões paga a Serra

O pagamento foi feito como contrapartida de um acordo no qual a gestão do então governador José Serra (2007-2010) aceitou ressarcir a construtora em R$ 191,6 milhões em processo judicial

O ex-superintendente da Odebrecht em São Paulo Carlos Armando Paschoal afirmou, em depoimento ao Ministério Público Federal, que a empreiteira pagou R$ 24,6 milhões em propina ao PSDB como contrapartida de um acordo no qual a gestão do então governador José Serra (2007-2010) aceitou ressarcir a construtora em R$ 191,6 milhões em processo judicial referente à construção da Rodovia Carvalho Pinto, no fim da década de 1990.

Paschoal disse que os pagamentos ilícitos foram feitos entre 2009 e 2010 a dois intermediários do hoje senador: Márcio Fortes, ex-tesoureiro do PSDB e então presidente da Emplasa, e o empresário Ronaldo Cezar Coelho. O executivo apresentou planilhas e dados sobre contas bancárias no exterior para comprovar os pagamentos.

Ler mais

José Adécio: “Robinson Faria perdeu um dos seus mais competentes auxiliares”

O deputado José Adécio lamentou hoje, durante pronunciamento no plenário da Assembleia Legislativa, a saída de quem chamou de “um dos mais competentes auxiliares do governador Robinson Faria”, se referindo ao delegado de Polícia Federal Caio Bezerra, que nesta segunda-feira(17) pediu exoneração do cargo de secretário da Segurança Pública e da Defesa Social do Rio Grande do Norte.

José Adécio ressaltou conhecer a origem familiar de Caio Bezerra, da cidade de Afonso Bezerra, e foi aparteado por todos os deputados que participaram da sessão, entre eles George Soares, Hermano Morais, Márcia Maia, Larissa Rosado, José Dias e Vivaldo Costa, que reforçaram as palavras do orador e o parabenizaram pelo pronunciamento, independentemente de partidarismo ou ideologia política.

Ler mais

Papa envia carta a Temer e recusa visita ao Brasil

Na correspondência, o pontífice cobrou o presidente para evitar medidas que agravem a situação da população carente no país

Em uma carta na qual recusa um convite para visitar o Brasil, o papa Francisco cobrou o presidente Michel Temer para evitar medidas que agravem a situação da população carente no país.

A correspondência foi uma resposta a outra enviada pelo mandatário no fim de 2016, na qual o líder da Igreja Católica era convidado formalmente para as celebrações dos 300 anos da aparição de Nossa Senhora Aparecida, comemorados em 2017.

“Sei bem que a crise que o país enfrenta não é de simples solução, uma vez que tem raízes sócio-político-econômicas, e não corresponde à Igreja nem ao Papa dar uma receita concreta para resolver algo tão complexo”, escreveu o Pontífice, segundo trecho publicado pelo jornalista Gerson Camarotti, da Globo News .

Ler mais