Aécio diz estar tranquilo e que relação com Joesley era estritamente pessoal

BRASÍLIA, DF, BRASIL, 04.10.2016. O senador Aécio Neves almoça com os senadores do PSDB, no 14 andar do Senado, para comemorar o resultado do primeiro turno das eleições municipais e definir a ação do PSDB no projeto de reforma política elaborado pelo partido (FOTO Alan Marques/ Folhapress) PODER

O senador Aécio Neves divulgou nota nesta quarta-feira (17) dizendo estar “absolutamente tranquilo quanto à correção de todos os seus atos”.

Sobre a relação com Joesley Batista, o senador afirma ser “estritamente pessoal, sem qualquer envolvimento com o setor público”.

Aécio disse ainda que espera o acesso às informações da delação para “prestar todos os esclarecimentos necessários”. As informações são da Folha de São Paulo.

Leia mais

Marina diz que Temer ‘sabotou a República’ e pede eleições diretas

Marina Silva durante debate no Insper, em São Paulo, em 2015

A ex-senadora Marina Silva (Rede) afirmou à Folha que o presidente Michel Temer “sabotou a República” e não tem mais legitimidade para permanecer no cargo.

Ela defendeu a renúncia de Temer e a realização de eleições diretas para presidente.

“Temer não tem credibilidade, não tem legitimidade e vai para zero de popularidade”, disse Marina, na noite desta quarta (17).

“A renúncia é a única coisa que resta ao presidente, se ele não quiser preservar por apenas alguns dias o foro privilegiado”, afirmou. As informações são da Folha de São Paulo.

Leia mais

Temer pode encarar impeachment ou processo no STF

Juristas ouvidos pelo GLOBO afirmaram que, mesmo diante das graves acusações que recaem sobre o presidente Michel Temer (PMDB) com a revelação da delação premiada do empresário Joesley Batista, ele só pode ser processado e julgado no Supremo Tribunal Federal caso dois terços da Câmara — 342 dos 513 deputados — aceitem a denúncia por infração penal contra Temer.

— O presidente jamais será afastado sem um ato da Câmara — afirma o jurista André Tavares, da Universidade de São Paulo.

Existem duas hipóteses que Michel Temer pode enfrentar daqui por diante: uma é a mesma por que já passaram dois de seus antecessores, um processo de impeachment no Congresso. O rito ainda está fresco na memória: se dois terços da Câmara aceitarem a abertura do processo de impeachment, e a maioria do Senado aceitar a continuidade do processo, o presidente é afastado.

Leia mais

‘Mantega distribuía propinas a parlamentares petistas’, diz dono da Friboi

Nem Antonio Palocci, nem Lula. De acordo com o que Joesley Batista contou em sua delação, o ex-ministro Guido Mantega era o seu elo com o PT. Relatou que havia uma espécie de conta corrente para o PT na JBS. Por meio dela, e tendo sempre Mantega como intermediário, irrigava os bolsos de parlamentares petistas.

Ao falar de Mantega, os delatores afirmam que era ele quem operava para o grupo no BNDES. Portanto, eram através de tratativas diretamente com Mantega que se negociavam os aportes ao grupo J&F. Os delatores ressaltam, no entanto, que Mantega não pegava o dinheiro para si próprio, mas sim para o partido.

Joesley disse aos procuradores que Luciano Coutinho, o presidente do BNDES em quase toda a era petista, era duro nas negociações. Mas admite que às vezes se reunia com Coutinho e parecia que Mantega, com quem tratava de propinas para o PT, já antecipara os assuntos da JBS para ele. As informações são de Lauro Jardim, de O Globo.

Leia mais

Polícia Federal filma indicado por Temer recebendo propina

Joesley Batista e Michel Temer Foto: João Quesada / Agência O Globo

Por volta de 22h30m do dia 7 de março, Joesley Batista entrou no Palácio do Jaburu. Michel Temer estava à sua espera. Joesley chegou à residência oficial do presidente com o máximo de discrição: foi dirigindo o próprio carro para uma reunião a dois, fora de agenda. Escondia no bolso uma arma poderosa — um gravador. Temer havia chegado pouco antes em casa, logo depois do seu último compromisso do dia: uma passada rápida na comemoração dos 50 anos de carreira do jornalista Ricardo Noblat.

O presidente e o empresário conversaram por cerca de 40 minutos a sós. Poderiam, por exemplo, ter discutido a queda de 3,6% do PIB em 2016, um terrível dado econômico divulgado justamente naquele dia. Mas eram outros os assuntos da pauta, segundo Lauro Jardim, de O Globo.

Todo o diálogo foi gravado por Joesley. Tem trechos explosivos. Num deles, o dono da JBS relatou a Temer que estava dando mesada a Eduardo Cunha e Lúcio Funaro para que ambos, tidos como conhecedores de segredos de dezenas de casos escabrosos, não abrissem o bico. Temer mostrou-se satisfeito com o que ouviu. Neste momento, diminuiu um pouco o tom de voz, mas deu o seu aval:

Leia mais

Dono da JBS grava Temer dando aval para compra de silêncio de Cunha

Michel Temer e Eduardo Cunha

Michel Temer foi gravado em um diálogo embaraçoso com Joesley Batista e seu irmão Wesley, donos da JBS, uma das maiores empresas de alimentos do mundo, no qual indicou o deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) para resolver um problema de uma holding que controla a companhia, a J&F. Loures atuaria numa operação para comprar o silêncio do deputado afastado Eduardo Cunha. As informações foram publicadas na noite desta quarta-feira (17) pelo jornal “O Globo”.

Conforme a reportagem, Loures foi filmado recebendo uma mala com R$ 500 mil enviada por Joesley. Na gravação, o presidente ouviu do empresário que estava dando a Cunha e a Funaro uma mesada na prisão para ficarem calados. Com a informação, Temer incentivou: “Tem que manter isso, viu?”.

Leia mais

Senador Aécio Neves é gravado pedindo R$ 2 mi a dono da Friboi

O empresário Joesley Batista entregou à Procuradoria-Geral da República uma gravação na qual o presidente do PSDB, Aécio Neves, pede R$ 2 milhões ao empresário, sob a justificativa de que precisava da quantia para pagar despesas com sua defesa na Operação Lava Jato.

Aécio e Joesley teriam se encontrado no dia 24 de março no Hotel Unique, em São Paulo. Um trecho do diálogo foi revelado pelo “O Globo”. Segundo o jornal, o diálogo gravado durou cerca de 30 minutos.

“Se for você a pegar em mãos, vou eu mesmo entregar. Mas, se você mandar alguém de sua confiança, mando alguém da minha confiança”, propôs Joesley.

“Tem que ser um que a gente mata ele antes de fazer delação. Vai ser o Fred com um cara seu. Vamos combinar o Fred com um cara seu porque ele sai de lá e vai no cara. E você vai me dar uma ajuda do c…”, teria respondido Aécio.

Leia mais

%d blogueiros gostam disto: