‘Aécio é bandidão’, diz Joesley

Resultado de imagem para aecio

Em um dos trechos da gravação acidental, encaminhada na última quinta-feira à Procuradoria Geral da República (PGR), os delatores da JBS Joesley Batista e Ricardo Saud discutiram quais autoridades deveriam ser gravadas por eles para que fossem entregues no acordo de delação premiada que negociavam com o Ministério Público Federal (MPF).

Em certo momento, os dois afirmaram ter informações que poderiam comprometer o senador Aécio Neves (PSDB). Saud avisa: “Vamos pegar o Aécio também. Ele vai ficar chateado”, diz o diretor a Joesley. A resposta demonstra que o dono da JBS já não considerava o senador mineiro um político tão relevante, após a mira ser apontada ao presidente Michel Temer (PMDB). Mesmo assim, decidem que Aécio seria um dos alvos.

“Ele ficou pequenininho (risos). Não, nós vamos (pegá-lo), só porque ele é bandidão mesmo. Você sabe que esse aqui (provavelmente Temer), os outros vai ficar pequenininho, pequenas causas, não vai precisar”, diz Joesley no áudio. As informações são da Agência Estado.

Leia mais

Dilma foi ‘amplamente’ beneficiada com propina, acusa Janot

Dilma

A ex-presidente Dilma Rousseff foi “amplamente” beneficiada com recursos de propina inseridos em planilhas que somam R$ 170,4 milhões, acusou o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ao apresentar a denúncia contra a petista, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e outras seis pessoas por organização criminosa.

De acordo Janot, esses valores também serviram para os interesses do grupo político beneficiado com a permanência da petista no poder. O processo tramita no Supremo Tribunal Federal (STF) porque uma das investigadas é a presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), que possui foro privilegiado.

A denúncia contra a cúpula do PT é embasada nas delações premiadas da Odebrecht, da JBS, do casal Mônica Moura e João Santana, e dos ex-executivos da Petrobras Paulo Roberto Costa, Nestor Cerveró e Pedro Barusco. As informações são da Agência Estado.

Leia mais

Em denúncia, Janot aponta R$ 230 milhões em propina para Lula

Lula

Ao denunciar a formação de uma organização criminosa pelo PT no âmbito da Lava Jato nos mandatos presidenciais dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, o procurador-geral da República descreveu pagamentos de vantagens indevidas a Lula em valores que, somados, chegam a R$ 230 milhões, como contrapartida a favorecimento de empresas como a Odebrecht e a OAS em contratos. Janot descreve Lula como “grande idealizador” da organização criminosa formada no governo federal para desvio de recursos relacionados à Petrobras.

Parte dos recursos que a PGR afirma que Lula recebeu de propina estão relacionados à aquisição do imóvel onde está instalado o Instituto Lula, no valor de R$ 12,4 milhões, e também à compra do apartamento dele em São Bernardo do Campo-SP, no valor de R$ 504 mil que teriam sido fornecidos pela Odebrecht.

Além disso, Lula teria recebido da OAS e da Odebrecht propina “feita por meio do custeio de reformas em sítio localizado em Atibaia/SP, sobre a qual detinha a posse direta, nos respectivos valores concedidos por aquelas empresas de R$ 170.000,00 e R$ 700.000,00, montantes que também foram objeto de dissimulação, ocultação da sua origem, movimentação, disposição e propriedade

No total, em relação à OAS, Janot afirma que foram feitos pagamentos no valor de R$ 27 milhões ao ex-presidente para favorecer a construtora em contratos em obras em Alagoas, Pernambuco, Amazonas e Rio de Janeiro, entre 2004 e 2012. As informações são da Agência Estado.

Leia mais

%d blogueiros gostam disto: