Se Lula é o Messi, prefiro ser o Neymar, diz Doria em Fortaleza

FORTALEZA,CE,18.08.2017:DORIA-VISITA-ALMOÇO-HOMENAGEM-FORTALEZA - O prefeito de São Paulo, João Doria e o presidente do FIEC CE, Beto Studart durante encontro em Fortaleza (CE), nesta sexta-feira (18). O prefeito de São Paulo, João participa de almoço em sua homenagem. (Foto: LC Moreira/Futura Press/Folhapress) *** PARCEIRO FOLHAPRESS - FOTO COM CUSTO EXTRA E CRÉDITOS OBRIGATÓRIOS ***

O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), atacou nesta sexta-feira (18) o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em resposta às declarações do petista em Salvador, onde inicia caravana pelo Nordeste para alavancar sua pré-candidatura à Presidência.

Na Bahia, Lula se comparou ao argentino Lionel Messi, cinco vezes eleito o melhor do mundo, afirmando que o tucano ataca quem está na frente das pesquisas –no caso, o ex-presidente.

“O Lula me atacou e disse que é o Messi. Pois então Lula, eu te digo que eu prefiro ser o Neymar, que é brasileiro e negro, Lula. Essa é a minha escolha”, disse Doria no início da tarde desta sexta, em evento que participou em Fortaleza com a presença de líderes empresariais do Ceará.

Pouco antes, Doria já havia chamado Lula de “sem-vergonha, mentiroso, preguiçoso e covarde” por críticas que diz ter recebido do ex-presidente, entre elas o fato de estar viajando muito. Somente em agosto Doria já esteve em três capitais do Nordeste, Salvador, Natal e Fortaleza, e ainda nesta sexta visita uma quarta, Recife. As informações são de MARCEL RIZZO, Folha de São Paulo.

Leia mais

Lava Jato vê ‘intrincadas relações’ entre Gilmar e Rei do Ônibus

Em oficio de nove páginas ao procurador-geral da República Rodrigo Janot, um grupo de 13 procuradores que atuam no Rio exibe um diagrama que inclui o ministro do Supremo, sua mulher, o cunhado e empresários do setor

A Procuradoria da República no Rio afirma que o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), e seus familiares têm ‘intrincadas relações’ com os empresários Jacob Barata Filho, o ‘Rei do Ônibus’, e Lélis Marcos Teixeira. A força-tarefa da Operação Lava Jato quer a suspeição do ministro para processos da Operação Ponto Final, que prendeu a cúpula dos Transportes do Rio.

Em ofício de nove páginas enviado ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, a Procuradoria criou um ‘diagrama’ sobre as ‘intrincadas relações’. Nele, os procuradores incluíram Gilmar Mendes, sua mulher Guiomar Mendes, o cunhado Francisco Feitosa e os empresários do ônibus.

Gilmar deu um habeas corpus ao ‘Rei do Ônibus’ e a Lélis Teixeira na noite de quinta-feira, 17. Os dois nem chegaram a sair da prisão. O juiz federal Marcelo Bretas, da 7.ª Vara Federal, do Rio, expediu novos mandados de prisão contra os empresários. As informações são de Julia Affonso, O Estado de São Paulo.

Leia mais

Doria usa rede do Lide para rodar o país

O prefeito João Doria (PSDB), em visita a Fortaleza, pouco antes de embarcar para Recife

O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), tem feito uso da estrutura do Lide (Grupo de Líderes Empresariais), que ele fundou e do qual se licenciou, para rodar o país.

Nas últimas semanas, o tucano se deslocou a cinco cidades para comparecer a eventos que tiveram o Lide entre os organizadores.

As viagens fazem parte da agenda nacional que colocam Doria no páreo para a disputa à Presidência em 2018. Ele nega ser candidato, mas diz que “não vai se furtar. Evidentemente quando sou homenageado, eu vou e participo”.

Nesta sexta-feira (18), Doria foi “homenageado” em almoço em Fortaleza, em evento do qual o Lide Ceará foi um dos três organizadores, ao lado de duas outras entidades empresariais.

Depois voou a Recife para dar uma entrevista a jornalistas e fazer um seminário e coquetel em sua homenagem promovidos pelo Lide Pernambuco, que transmitiu a sessão ao vivo pela internet.

O presidente do Lide Pernambuco, Drayton Nejaim, desligou o telefone quando questionado pela Folha sobre o uso da rede pelo prefeito. As informações são de THAIS BILENKY, Folha de São Paulo.

Leia mais

Fernando Henrique diz que ‘é cedo’ para saber quem teria mais chances em 2018

fhc

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), disse nesta quinta-feira, 17, que vai apoiar em 2018 o candidato que “conseguir falar com o Brasil”, e não só com São Paulo, e afirmou ser cedo para definir qual tucano teria mais chances de chegar à Presidência da República, o governador Geraldo Alckmin ou o prefeito João Doria.

“Qual dos dois? Vou ver o que vai acontecer com a sociedade. Para um paulista é muito difícil ser nacional, porque São Paulo tem especificidades. O candidato tem que falar com o Brasil, não adianta ser só a sua turma. Tem que expressar a contemporaneidade e ser ético. Os partidos vão procurar quem tem mais possibilidade de ganhar”, disse.

FHC falou a empresários de diferentes setores num almoço na Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ). Ao falar da reforma política e fazer uma análise da conjuntura brasileira por 43 minutos, foi aplaudido em diversos momentos. Ao chegar, o presidente de honra do PSDB foi saudado pela presidente da ACRJ, Ângela Costa, como símbolo do “Brasil que deu certo”. As informações são de Roberta Pennafort, O Estado de S.Paulo.

Leia mais

Moraes deve decidir sobre andamento de impeachment de Temer até próxima semana

Alexandre de Moraes

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), deve decidir até o início da próxima semana sobre duas ações apresentadas ao Supremo — uma por parlamentares da oposição, outra pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) — que pedem à Corte que ordene o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, a dar o andamento dos pedidos de impeachment do presidente da República, Michel Temer, na Câmara.

O ministro afirmou isso a repórteres antes da sessão do Supremo, na tarde desta quinta-feira (17), ainda antes de ser sorteado relator do mandado de segurança de autoria impetrado pela OAB. O presidente da ordem, Claudio Lamachia, aponta demora de quase três meses e meio para dar seguimento ao processo de impeachment na Câmara.

Alegando omissão por parte do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), os deputados Alessandro Molon (Rede-RJ), Aliel Machado (Rede-PR), Henrique Fontana (PT-RS) e Júlio Delgado (PSB-MG) pediram no dia 28 de junho que a Suprema Corte conceda uma liminar obrigando Maia a analisar a presença dos requisitos formais nas denúncias já apresentadas e a providenciar a instalação das comissões especiais para analisar o mérito dos pedidos. As informações são de Breno Pires e Rafael Moraes Moura, O Estado de S.Paulo.

Leia mais

Fernando Henrique deu aval à crítica em propaganda do PSDB

ctv-9uh-fhc-so-paulo

A propaganda do PSDB veiculada nesta quinta-feira, 16, em cadeia nacional de rádio e TV aumentou as divergências internas, levando uma ala de governistas do partido a iniciar um movimento para tentar afastar o presidente interino da sigla, senador Tasso Jereissati (CE), do cargo. Tasso é apontado como o responsável pelo vídeo, produzido pelo publicitário Einarth Jacomé. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso também ajudou a elaborar a propaganda.

“Isso não faz o menor sentido, porque, se vai substituir o presidente do partido, tem que substituir também o presidente honorário, já que o vídeo passou pelo crivo do presidente FHC”, disse o senador tucano Cássio Cunha Lima (PB).

Segundo integrantes do partido, FHC foi responsável por sugerir o uso da expressão “presidencialismo de cooptação” para criticar o modelo de governo brasileiro, considerada uma das frases mais polêmicas da peça e vista como crítica ao governo Michel Temer. “A expressão ‘cooptação’ foi sugestão do próprio FHC. Ia ser coalizão e ele sugeriu cooptação”, disse Cunha Lima. As informações são de Julia Lindner e Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

Leia mais

PF indicia ex-assessor de Temer e ex-governadores do DF por corrupção

A Polícia Federal indiciou 21 pessoas pelo superfaturamento de R$ 559 milhões nas obras do Estádio Mané Garrincha, no Distrito Federal. Entre os indiciados por peculato, corrupção passiva e ativa, lavagem de dinheiro e organização criminoso estão os ex-governadores José Roberto Arruda e Agnelo Queiroz e o ex-assessor do presidente Michel Temer, Tadeu Filipelli. Segundo a PF, a construção para o estádio da Copa do Mundo de 2014, orçada em cerca de R$ 600 milhões, foi entregue ao preço de R$ 1,575 Bilhão.

Assinado pela delegada federal Fernanda Costa de Oliveira, o relatório encerra a investigação que tem origem nos acordos de delação e de leniência da Andrade Gutierrez e de seus executivos e que resultou na operação Panatenaico, deflagrada pela PF em 27 de maio deste ano. O nome da operação é uma referência ao Stadium Panatenaico, sede dos jogos panatenaicos, competições realizadas na Grécia Antiga que foram anteriores aos jogos olímpicos.

Filipelli, Agnelo e Arruda chegaram a ser presos na operação por ordem do juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara da Justiça Federal do Distrito Federal (DF), mas foram soltos após recorrem ao Tribunal Regional da 4ª Região (TRF-4). As informações são de Fabio Serapião e Fabio Fabrini, O Estado de São Paulo.

Leia mais

‘Se não me tirarem, não arredo um passo do caminho que começamos a trilhar, diz Tasso

Animado com a repercussão do programa do PSDB que causou a indignação de setores governistas do partido, o presidente interino Tasso Jereissatti (CE) disse na noite desta sexta-feira que está disposto a continuar a implementar medidas para reconectar o partido com a sociedade. Se não for afastado, diz, semana que vem comandará uma reunião com presidentes regionais do partido para discutir calendário de convenções.

— Se não me tirarem, e eu continuar, não arredo um passo do caminho que começamos a trilhar para refundar o PSDB. É impressionante a recepção da propaganda na opinião pública e a raiva que provocou em alguns políticos. Isso mostra como estamos distantes da sociedade. Recebi milhares de e-mails dizendo que é isso mesmo e muita gente que encontrei aqui disse que não viu nenhuma acusação a Temer. vamos em frente — disse Tasso.

Depois do apoio público do prefeito João Doria, Tasso recebeu uma ligação do governador Geraldo Alckmin dizendo que apoiava sua manutenção no cargo “de forma contundente”. O senador passou o dia recebendo apoios e conversando com lideranças do partido que entraram em campo para botar panos quentes. As informações são de Maria Lima, O Globo.

Leia mais

Moro nega pedido de suspensão de interrogatório de Lula

O juiz Sergio Moro negou, nesta sexta-feira, um pedido feito pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para suspender um interrogatório marcado para 13 de setembro na Lava-Jato. Lula será ouvido na condição de réu em um processo em que é acusado de receber propina da Odebrecht por meio de um terreno que iria abrigar o Instituto Lula e uma cobertura vizinha ao apartamento onde mora, em São Bernardo do Campo, no ABC.

Em seu despacho, Moro escreveu que o pedido, feito pelos advogados nesta quinta-feira, “carece de qualquer base legal”. A defesa de Lula pedia mais prazo para analisar documentos anexados ao proceso pelo Minitério Público Federal (MPF) “sem qualquer indicação de origem”. Segundo Moro, os advogados podem protocolar requerimentos sobre as provas ao longo do processo.

Moro também negou acesso da defesa ao sistema “My Web Day”, utilizado pelo Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht para alimentar e controlar os dados financeiros do pagamento de propinas da empresa. Segundo o juiz, o MPF informou que não tem acesso ao sistema. “Se o MPF alega que não dispõe da prova pretendida, a afirmação merece fé”, afirmou Moro. As informações são de O Globo.

Ministro Gilmar Mendes manda soltar novamente Barata e ex-presidente da Fetranspor

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes concedeu novamente, na noite desta sexta-feira, habeas corpus para libertar o empresário Jacob Barata Filho e o ex-presidente da Fetranspor Lélis Teixeira, réus na Operação Ponto Final, que investiga o pagamento de propina por parte de empresários de ônibus a políticos.

A informação foi antecipada pelo colunista Merval Pereira. Na quinta-feira, o ministro havia acolhido o pedido da defesa, mas o juiz Marcelo Bretas, responsável pelos processos da Lava-Jato no Rio, expediu em seguida novos mandados relativos a outros casos em que Barata Filho e Teixeira são investigados e nos quais a prisão já havia sido determinada anteriormente.

Na decisão de hoje, Gilmar Mendes determinou aos dois réus o recolhimento domiciliar, retenção de passaporte e proibição de contato com outros investigados na ação. Procurado, Bretas disse que, como determina a Lei Orgânica da Magistratura Nacional, não comentaria decisão de outro magistrado.

O imbróglio em torno da soltura do ex-presidente da Fetranspor e do empresário de ônibus começou quando Gilmar Mendes acolheu anteontem o habeas corpus de Teixeira e Barata Filho no âmbito da Operação Ponto Final. Mas, havia determinação de prisão preventiva de Barata Filho por evasão de divisas e, no caso do ex-presidente da Fetranspor, por conta da última operação, em que o ex-secretário municipal Rodrigo Bethlem foi chamado à Polícia Federal para dar explicações. Por isso, Bretas mandou expedir os mandados de prisão, o que não havia sido feito porque ambos já estavam na cadeia. Ontem, o ministro do STF estendeu a decisão também para esses casos. Assim, os dois passam para a prisão domiciliar.

Leia mais

ÚLTIMA CARTADA Cunha quer se encontrar pessoalmente com procuradores

Eduardo Cunha

Menos de uma semana depois de receber um “não” do grupo de trabalho da Lava Jato, o ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) pediu para reabrir as negociações na tentativa de um acordo de delação premiada com a Procuradoria Geral da República (PGR). Um emissário do ex-deputado até sugeriu que, se fosse de interesse do Ministério Público, Cunha participaria diretamente das tratativas, segundo reportagem do jornal “O Globo”.

Nesse caso, investigadores de Brasília poderiam ouvi-lo em Curitiba, onde ele está preso. Procuradores devem decidir, até a próxima semana, se aceitam ou não pôr de volta à mesa a discussão da delação do ex-deputado.

Na proposta inicial, Cunha se comprometeu a falar sobre as relações dele com o presidente Michel Temer. Também falaria sobre deputados, senadores e ministros que hoje estão no centro do poder em Brasília. Mas as informações oferecidas por escrito foram consideradas superficiais e inconsistentes.

Cármen Lúcia diz que machismo e preconceito sustentam violência

Cármen Lúcia

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, voltou a falar do machismo e do preconceito de gênero como um dos pilares que sustentam a violência contra a mulher.

“Eu sei que o preconceito é difícil de passar, ainda é grande, e eu falo de cátedra. Eu não preciso do testemunho de ninguém para saber que há preconceito contra a mulher. Tem contra mim. Claro que a manifestação contra mim, enquanto juíza do STF, é diferente de uma mulher que não tem um trabalho, uma independência financeira, independência psicológica ou que não tem condições de uma formação intelectual, mas ele [preconceito] existe contra mim e é exercido, ainda que não dito. Também não preciso de ninguém para me lecionar isso”, disse a ministra que também é presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

A declaração foi dada na manhã desta sexta-feira (18) durante a abertura da XI Jornada Maria da Penha, no Tribunal de Justiça da Bahia (TJBA). Durante a fala de abertura, a ministra Cármen Lúcia explicou a importância da Justiça não somente como órgão punitivo, mas também para promover a paz e quebrar o ciclo de inimizades e de violência. Ela defendeu a implantação da Justiça Restaurativa na Lei Maria da Penha. As informações são da Agência Brasil.

Leia mais

Moro proíbe cônsul da Grécia de sair do País

Resultado de imagem para cônsul honorário da Grécia no Rio, Konstantinos Georgios Kotronakis,

O juiz federal Sérgio Moro proibiu o cônsul honorário da Grécia no Rio, Konstantinos Georgios Kotronakis, alvo da Operação Sem Fronteiras, deflagrada nesta sexta-feira (18), de deixar o País. O magistrado determinou que a Delegacia da Polícia Federal de Fronteiras anote a proibição imposta a Konstantinos.

O cônsul é investigado na Operação Lava Jato. A força-tarefa apura uma suposta facilitação da contratação de armadores gregos para o fretamento de navios, tendo como contrapartida o pagamento de propinas.

O Ministério Público Federal havia pedido a prisão preventiva do cônsul. Moro afirmou que eram “cabíveis tanto a prisão preventiva como a temporária”, mas decidiu substituir “as medidas mais drásticas por cautelares alternativas”.

“Apesar da viabilidade jurídica da medida, em virtude da condição do investigado, de cônsul honorário, em deferência ao país que lhe outorgou tal título, bem como o disposto no artigo 63 do referido Decreto nº 61.078/1967, resolvo nesse primeiro momento, impor, ao invés de decretar a preventiva ou temporária, medidas cautelares alternativas, com base no art. 282 do CPP, de: proibição de deixar o país e a cidade de sua residência; e entrega dos passaportes”, decidiu o magistrado. As informações são da Agência Estado.

Leia mais

Gilmar Mendes diz que não há ‘suspeição alguma’ para julgar Barata

Gilmar Mendes

O ministro é padrinho de casamento da filha do empresário

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, disse nesta sexta-feira (18) não há “suspeição alguma” para julgar o habeas corpus o qual concedeu liberdade ao empresário Jacob Barata Filho, preso desde 2 de julho em uma etapa da Operação Ponto Final. Mendes é padrinho de casamento da filha do empresário.

“Vocês [jornalistas] acham que ser padrinho de casamento impede alguém de julgar um caso? Vocês acham que isso é relação íntima como a lei diz?”, questionou o ministro após uma palestra.

Apesar da concessão do habeas corpus, uma nova decisão do juiz Marcelo Bretas, da Justiça Federal do Rio de Janeiro, manteve a prisão de Jacob Barata e do ex-presidente da Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro (Fetranspor), Lélis Teixeira. Sobre o fato, Mendes disse que vai tomar uma decisão sobre o caso ainda nesta sexta-feira.

Leia mais

Para 74,3% dos brasileiros, Janot não persegue Temer

Rodrigo Janot

Três em cada quatro brasileiros discordam das afirmações da defesa do presidente da República Michel Temer de que o procurador geral da República, Rodrigo Janot, persegue o chefe do Executivo. Segundo pesquisa do Instituto Paraná, 74,3% dos brasileiros não observam perseguição na atuação do chefe da PGR, responsável por denunciar Temer ao Supremo Tribunal Federal por corrupção passiva.

A pesquisa mostra que apenas 22,7% dos entrevistados concordam com a afirmação dos advogados de Temer sobre possível perseguição do PGR ao presidente da República.

Depois de ter sido denunciado pela Procuradoria Geral da República, Temer entrou com arguição de suspeição e impedimento do procurador. Ao Supremo, Temer afirmou que Rodrigo Janot tem ‘uma obsessiva conduta persecutória’.

Leia mais

%d blogueiros gostam disto: