Disputa interna do PT tem avalanche de denúncias

CATIA SEABRA – FOLHA DE SÃO PAULO

Quatro mortos estão na lista dos eleitores do 6º Congresso do PT na cidade de Arandu, no interior de São Paulo. Outros quatro, em Catanduva (SP).

Minas Gerais, Espírito Santo e Mato Grosso do Sul também registram denúncias de fraudes nas eleições internas do PT, espécie de prévia para a disputa pelo comando nacional do partido, que ocorre em maio.

Os indícios de irregularidade afetam o partido às vésperas do depoimento do ex-presidente Lula ao juiz federal Sergio Moro, marcado para 3 de maio.

A coordenação da macrorregião de Rio Preto, responsável pela cidade de Catanduva, reuniu atestados de óbito de quatro pessoas cujos nomes constariam da lista de participantes da eleição interna do PT. O partido abriu investigação sobre o caso de Arandu.

A denúncia sobre Catanduva deve ser discutida em reunião da executiva estadual do PT, na próxima segunda-feira.

Também em Catanduva, integrantes do movimento Muda PT produziram um vídeo em que, confrontados, filiados não reconhecem as assinaturas a eles atribuídas na lista de votação do dia 9.

O mesmo vídeo traz o momento em que um representante da corrente Avante –que tem o deputado Arlindo Chinaglia entre seus líderes – é flagrado carregando a urna minutos antes do encerramento da votação.

Ele reaparece uma hora depois. Nesse intervalo a relação dos votantes dessa urna subiu de 48 para 248.

No município de Platina, na região de Assis, 106,7% dos filiados aptos a votar foram às urnas na eleição petista. Segundo a lista, 45 moradores de Platina teriam direito a voto e 48 votaram. Desse total, 41 escolheram a chapa da CNB (Construindo um Novo Brasil), a maior força interna petista.

Integrante da corrente Optei, o deputado estadual José Américo Dias entrou com um recurso em que afirma haver evidência de irregularidade em 99 diretórios municipais do partido.

O ex-prefeito de Guarulhos Elói Pietá também apresentou um recurso no qual pede perícia grafotécnica sobre assinaturas atribuídas a 400 participantes da eleição da cidade, devido à semelhança de caligrafia.

Sob alegação de falta de recursos para realização de perícia, seu pedido foi rejeitado nesta quinta-feira (20).

Autores de recursos, como é o caso de José Américo, solicitaram que ao menos fosse instalada uma auditoria para apurar essas denúncias.

Como integrantes da CNB resistiam à proposta de liberação da lista de eleitores em cada diretório, o presidente nacional do PT, Rui Falcão, determinou que sejam disponibilizadas as atas e listas eleitorais das cidades que foram objeto de recursos, “para que não restem suspeitas em relação à lisura das eleições”.

Há dúvida sobre a participação de 30 mil dos 290 mil filiados declarados como votantes na eleição em todo o país.

Deixe um comentário