Ex-presidente afirma que impediu Moreira Franco de roubar no seu governo

Em entrevista ao “Valor”, ex-presidente afirma que impediu Moreira Franco de roubar no seu governo

Na entrevista, a ex-presidente também afirma que, durante o seu governo, não permitiu que Moreira Franco (atual ministro da Secretaria Geral da Presidência) roubasse na Secretaria Nacional de Aviação Civil.

“Saber demais não significa que você é capaz de impedir algumas coisas. Por exemplo, o gato angorá [Moreira Franco] tem uma bronca danada de mim porque eu não o deixei roubar, querida. É literal isso: eu não deixei o gato angorá roubar na Secretaria de Aviação Civil. Chamei o Temer e disse: ‘Ele não fica. Não fica!’. Porque algumas coisas são absurdas, outras não consegui impedir. Porque para isso eu tinha de ter um nível de ruptura mais aberto, e eu não tinha prova, não tinha certeza, entendeu? Não acho que é relevante fazer fofoca, conversinha. Posso contar mil coisas do Padilha e do Temer, então?”

Moreira Franco participou do governo Dilma entre 2011 e 2014. Foi responsável pela pasta de Assuntos Estratégicos de 2011 a 2013, com status de ministro, e comandou a Aviação Civil até o fim de 2014.

Sobre o presidente Michel Temer, Dilma considera que foi um erro ter dado a ele a coordenação política do governo. Ao ser indagada sobre um possível arrependimento, a ex-presidente diz que, na época, ‘não sabia que o nível de cumplicidade dele com o Eduardo Cunha era tão grande”. De acordo com a reportagem do “Valor”, Dilma avalia que Temer é fraco e medroso.

“Porque o Temer é isso que está aí, querida. Não adianta toda a mídia falar que ele é habilidoso. Temer é um cara frágil. Extremamente frágil. Fraco. Medroso. Completamente medroso. (…) É um cara que não enfrenta nada!”.

A petista admite, ainda, que foi um erro ter concedido tantas desonerações tributárias às empresas.

“Vou te falar, acho que cometi um erro importante, o nível de desoneração de tributos das empresas brasileiras. Reduzimos a contribuição previdenciária, o IPI, além de uma quantidade significativa de impostos. Com isso, tivemos uma perda fiscal muito grande. Nossa expectativa era evitar que a crise nos atingisse de forma pronunciada. Por isso, aumentamos também o crédito, mas acho que aí não erramos. Erro foi a desoneração porque, ao invés de investir, eles aumentaram a margem de lucro às custas de mais fragilidade nas contas públicas”.

A ex-presidente também conta, na entrevista, como vive desde que perdeu o mandato. Dilma Rousseff mora em um apartamento em Porto Alegre, próximo da casa da filha e dois dois netos. Viaja uma vez por mês a Belo Horizonte, para visitar a mãe, e se sustenta com a aposentadoria de R$ 5.578 do INSS e aluguéis de imóveis.

Deixe uma resposta