Futuro da Lava Jato não impede funcionamento do Senado, diz Jucá

Futuro da Lava Jato não impede funcionamento do Senado, diz Jucá

Investigado pela Lava Jato, o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), disse não acreditar que os próximos passos da operação afetarão os trabalhos da Casa.

A expectativa é que, nos próximos dias, levante-se o sigilo das delações da Odebrecht que foram homologadas pelo STF (Supremo Tribunal Federal) e que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, peça a abertura de inquérito para investigar mais de 40 políticos, inclusive ministros. Jucá deverá ser um dos alvos, segundo a Folha apurou.

“Acho que é muito importante que a Lava Jato continue investigando, investigue rapidamente, que possa apresentar os seus resultados. Esse trabalho da Lava Jato não impede o funcionamento do Senado. Enquanto o MP [Ministério Público] e a Justiça fazem o seu trabalho, o Congresso também tem que fazer o seu trabalho e tem que votar rapidamente. Não podemos ficar pautados por conta de uma investigação que ainda não terminou. Temos que fazer a nossa parte. E a nossa parte é aprovar as reformas e melhorar o Brasil”, afirmou Jucá no início da tarde desta terça-feira (7). As informações são do jornalista Daniel Carvalho, da Folha de São Paulo.

Da equipe de Temer, segundo a Folha apurou, já estão na lista da Procuradoria-Geral da República (PGR) os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral da Presidência).

Outros ministros podem aparecer. Por exemplo, Gilberto Kassab (Ciência e Tecnologia e Comunicações) -a Procuradoria, por enquanto, estuda esse caso.

Da bancada do PMDB no Congresso, além de Jucá, a PGR quer investigar o presidente do Senado, Eunício Oliveira (CE), o líder do partido e ex-presidente, Renan Calheiros (AL), e o senador Edison Lobão (MA).

“A investigação deve ser completa. Qualquer pessoa citada deve ser investigada. Acho que não há nenhum demérito em alguém ser investigado. O demérito é ser condenado. O que a gente pede é que haja transparência na investigação e que esta possa ser feita de forma rápida, efetivamente informando a sociedade aquilo que está sendo investigado e o que for descoberto”, disse Jucá.

Além de líder do governo no Senado, Jucá é presidente nacional do PMDB. Ele minimizou o movimento de deputados do PMDB para tirá-lo do comando da sigla.

A Folha revelou que a bancada peemedebista redigiu um documento em que pede que todos os alvos da Lava Jato sejam afastados do comando do partido.

Deixe uma resposta