Ministério Público ajuíza ação para que Estado instale consultórios em Alcaçuz

Resultado de imagem para Alcaçuz presidio predio

Promotoria de Justiça de Nísia Floresta requer liminar para que Justiça determine ao Estado instalação de salas para atendimento médico, odontológico e de enfermagem no maior complexo prisional do Rio Grande do Norte

O Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN), por intermédio da Promotoria de Justiça de Nísia Floresta, ajuizou ação civil pública com pedido de liminar para que o Judiciário determine ao Estado a instalação de salas destinadas ao funcionamento de consultórios (médico, odontológico e de enfermagem) no complexo penitenciário de Alcaçuz, composto pelo presídio Rogério Coutinho Madruga (pavilhão 5) e a penitenciária Dr Francisco Nogueira Fernandes (pavilhões 1,2 e 3). A ação já foi recebida pela Justiça e aguarda decisão.

Após a rebelião de janeiro deste ano no maior complexo prisional do Estado e as reformas realizadas, o Estado não dotou o complexo de Alcaçuz de estrutura física minimamente adequada para atuação dos profissionais médicos. Outro problema é que a medicação disponível está armazenada em local inadequado.

A ação destaca ainda que há cerca de três meses, os médicos e demais profissionais de saúde contratados pelo município de Nísia Floresta estão fazendo um trabalho positivo no complexo prisional, já tendo, por exemplo, concluído as ações para debelar o surto de escabiose, dentre outras importantes medidas. Mesmo assim, a Promotoria reforça que sem a estrutura física adequada, os serviços ali prestados correm sério risco de interrupção.

O Complexo de Alcaçuz, pela primeira vez, conta com atendimento médico, além de serviço de psicologia, assistência social, enfermagem e técnico de saúde bucal, sendo hoje prestados de forma continuada. O trabalho contribui para distensionar o sistema, conferir tratamento humanitário aos presos, além de evitar conduções de internos aos hospitais para tratamentos menos complexos, que possam ser prestados no próprio presídio.

O MPRN requer deferimento de pedido de liminar para que a Justiça determine ao Estado: o conserto, no prazo de dois dias, de vazamento existente em sala hoje destinada ao consultório médico no pavilhão 5; que disponibilize, no prazo de 30 dias, consultório médico, odontológico e de enfermagem equipados nas dependências de todos os pavilhões do complexo prisional de Alcaçuz, em cômodos adequados e arejados; que providencie, no mesmo prazo de 30 dias, a instalação de armários nos consultórios para estoque de medicamentos, que hoje estão correndo o risco de perecimento, por conta do mau armazenamento; e aquisição, no prazo de 60 dias, de máscaras N95, em quantidade suficiente para os agentes penitenciários, de forma a impedir a contaminação por tuberculose ou outras doenças.

Na ação, a representante ministerial pede também, em caso de eventual descumprimento de decisão judicial, o bloqueio ou suspensão de recursos do Estado para o pagamento de propaganda institucional.

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: