Odebrecht pagou às Farc durante 20 anos para executar obras na Colômbia, diz revista Veja

Odebrecht pagou às Farc durante 20 anos para executar obras na Colômbia, diz revista Veja

Em troca de “permissão” para executar obras em territórios dominados pelas Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia), a Odebrecht pagou aos guerrilheiros colombianos “mensalidades” que variavam de US$ 50 mil a US$ 100 mil nos últimos 20 anos, segundo a edição da revista “Veja” desta semana.

Entre as obras em que houve tais pagamentos estão a construção da rodovia Ruta del Sol e o projeto de navegabilidade do rio Magdalena, ainda de acordo com a revista, que ouviu dois executivos e três advogados que, afirma, conhecem as operações internacionais da empreiteira.

Os pagamentos às Farc teriam começado nos anos 1990, após dois funcionários da Odebrecht serem sequestrados pelos guerrilheiros e ficarem mais de um mês em um cativeiro na selva. As informações são da Folha de São Paulo.

Na ocasião, segundo “Veja”, a empreiteira contratou um grupo americano especializado em áreas de conflito para negociar com as Farc e pagar o resgate. Em seguida, para que não houvesse novos sequestros, a Odebrecht começou a pagar às Farc os valores mensais, por recomendação do grupo especializado contratado por ela.

Em geral, os valores eram incluídos nas planilhas de custo sob as rubricas “custo operacional” ou “tributo territorial” e os pagamentos eram feitos em dinheiro, diretamente nos canteiros das obras sob ameaça.

Os pagamentos não têm relação com o esquema de corrupção investigado pela Operação Lava Jato, mas, segundo a revista “Veja”, foram informados à Procuradoria-Geral da República.

Procurada na manhã deste sábado (4), a Odebrecht informou que não vai comentar o assunto. A Folha também tentou ouvir um representante das Farc, mas não obteve resposta até a publicação deste texto.

As Farc firmaram um acordo de paz com o governo colombiano em 2016. Segundo a revista “Veja”, os “impostos guerrilheiros” foram cobrados de várias empresas até junho do ano passado.

Deixe uma resposta