‘Que se ferrem todos os que têm de pagar’, diz Ciro sobre Palocci delatar

O ex-ministro Ciro Gomes (PDT) durante encontro com estudantes no evento Roda Viva, organizado pelo Centro Acadêmico XI de Agosto, no Pátio das Arcadas da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo

“Eu não sei o que ele vai falar. Se alguém pode estar tenso, é quem teve relacionamento com ele”, disse.

Por Diogo Bercito –  Folha de São Paulo

O ex-governador Ciro Gomes, pré-candidato às eleições presidenciais pelo PDT, comentou neste domingo (14) as perspectivas de que Antonio Palocci faça sua delação premiada, como anunciado recentemente. Não se diz ansioso: “Quero que se ferrem todos”.

“Todos. Quem deve, tem que pagar”, afirmou a jornalistas após discursar em Oxford no Brazil Forum, um evento voltado a estudantes brasileiros que moram no Reino Unido.

O ex-governador criticou, no entanto, a maneira com que a delação premiada tem sido utilizada nas investigações da Lava Jato. Disse, por exemplo, que as declarações dadas não têm valor sem provas -e, no meio-tempo, destrói reputações.

“Um dos maiores interessados em que a Lava Jato tenha êxito sou eu. Não estou em lista nenhuma”, Gomes disse. “Se os caras forem culpados, fico provavelmente sozinho na área. Mas isso não me permite violentar minha consciência jurídica.”

Leia mais‘Que se ferrem todos os que têm de pagar’, diz Ciro sobre Palocci delatar

Nova defesa de Palocci diz que Lava Jato não fez ‘exigências’ para delação

Escritório de advocacia de Curitiba, base da grande operação, sustenta que troca de defensores foi escolha ‘livre e espontânea’ do ex-ministro

Rafael Moraes Moura, de Brasília, e Fausto Macedo, de São Paulo

Os novos advogados de Antonio Palocci informaram neste domingo, 14, que a força-tarefa da Operação Lava Jato não fez ‘qualquer exigência, nem sequer mínima alusão’ para que o ex-ministro (Fazenda e Casa Civil dos Governos Lula e Dilma) trocasse de defesa como condição para negociar delação premiada.

Palocci trocou seu quadro de defensores na sexta-feira, 12. Desde o início da Lava Jato – e também em outras causas de grande repercussão – ele era representado pelo criminalista José Roberto Batochio, de São Paulo.

Preso desde setembro de 2016 na Operação Omertà, desdobramento da Lava Jato, o ex-ministro já é réu em duas ações penais, uma delas sobre propinas de R$ 128 milhões que teria recebido da empreiteira Odebrecht – parte do valor supostamente repassado para o PT.

Leia maisNova defesa de Palocci diz que Lava Jato não fez ‘exigências’ para delação

Bancada feminina do PMDB quer Secretaria das Mulheres com Imbassahy

A bancada feminina do PMDB pressiona o governo para transferir a Secretaria de Política das Mulheres para a Secretaria de Governo, comandado pelo tucano Antonio Imbassahy, segundo a Coluna do Estadão.

Desde fevereiro a secretaria é vinculada ao Ministério dos Direitos Humanos, assim como todas as subpastas da cidadania. Antes disso era vinculada ao Ministério da Justiça.

Temer emprega babá de Michelzinho em cargo de confiança no Planalto

Reprodução/ Facebook

Leandra recebe R$ 5.194 mensais, fora as diárias referentes às viagens.

O Palácio do Planalto emprega a babá de Michelzinho Leandra Brito como assessora do Gabinete de Informação em Apoio à Decisão (Gaia), órgão responsável por assessorar o presidente da República. A informação foi revelada pelo jornal O Globo neste domingo.

Leandra diz não ser babá do menino, mas não sabe precisar o que faz no palácio.

— O Michel não tem babá. Ele é uma criança como outra qualquer. Minha função é assessorar dona Marcela e o presidente em toda e qualquer situação — afirma Leandra.

Ela não deu, entretanto, nenhum exemplo do tipo de assessoramento.

Leia maisTemer emprega babá de Michelzinho em cargo de confiança no Planalto

Lava Jato trava acordos do Instituto Lula

INSTITUTO LULA

Antes de ter as atividades suspensas, entidade já sofria com efeitos negativos da operação; órgão se concentra em defender petista

Gilberto Amendola, O Estado de S.Paulo

Com as atividades suspensas na semana passada por decisão judicial, o Instituto Lula já sofria com os efeitos negativos provocados pelas investigações da Operação Lava Jato na imagem do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Entre as ações que estavam em andamento e foram suspensas destacam-se a construção do Memorial da Democracia e uma possível parceria com a Fundação Bill & Melinda Gates, do fundador da Microsoft, Bill Gates.

Nos últimos meses, o instituto se concentrou em responder a acusações e fazer assessoria de imprensa para o ex-presidente. Mas nem sempre foi assim. Desde sua fundação, em 2011 (antes chamava-se Instituto Cidadania), promoveu encontro com chefes de Estado, realizou debates e fóruns. Chegou a ter 30 funcionários. Hoje, tem cerca de 20.

 

Leia maisLava Jato trava acordos do Instituto Lula

Lula recebeu alerta sobre corrupção na Petrobras ainda no seu governo

Embora tenha afirmado perante o juiz Sergio Moro que demitiria toda a direção da Petrobras caso alguém o informasse sobre a existência de um esquema de corrupção na estatal, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva recebeu importantes alertas, ainda no exercício do mandato, de práticas suspeitas na companhia, mas não agiu.

No interrogatório da última quarta-feira, na sede da Justiça Federal em Curitiba, questionado pelo procurador Roberson Pozzobon, que perguntou se ele tinha conhecimento de corrupção na Petrobras e de repasse de dinheiro ao PT, Lula falou:

— Se, em algum momento, um dos 204 milhões de brasileiros chegasse ao presidente da República e dissesse “tem um esquema de propina na Petrobras”, seria mandada embora a diretoria inteira da Petrobras — disparou Lula.

Leia maisLula recebeu alerta sobre corrupção na Petrobras ainda no seu governo

Betinho Rosado e Zenaide podem ser forçados a votar a favor da reforma da Previdência

Resultado de imagem para betinho e zenaide maia

As bancadas do PP (47 deputados), do PR (39 parlamentares), do PSD (37 membros) e do DEM (29 deputados) também avaliam seguir o mesmo caminho do PMDB  a votar a favor da proposta de reforma da Previdência, com o fechamento de questão. Nesse caso, os descontentes podem ser até expulsos caso desobedeçam a orientação partidária.

Nesse caso, o deputado federal Betinho Rosado e a deputada federal Zenaide Maia, também a exemplo de Walter Alves, serão obrigados a votar a favor.

Ainda assim, segundo o Congresso Em Foco, a situação do governo não é confortável. Mesmo se conseguir esse apoio nas seis maiores bancadas governistas, o Planalto só garante 231 votos, 77 a menos que o número mínimo necessário para mudar a Constituição.

PMDB quer obrigar Walter Alves a votar a favor da reforma da Previdência

O PMDB foi o primeiro partido a reunir assinaturas necessárias para obrigar toda a sua bancada a apoiar a reforma, segundo o Congresso Em Foco. Dos 64 integrantes do partido na Câmara, 34 já declararam apoio à iniciativa.

Com a decisão, o deputado federal Walter Alves, dificilmente vai contrariar a orientação partidária e deve votar a favor da aprovação da reforma da Previdência, sob pena de até ser expulso do PMDB.

“Do jeito que o projeto está, eu votarei contra. É necessária uma ampla discussão, efetuar ajustes e rever algumas regras, entre elas, a de transição e o caso dos trabalhadores rurais. Minha posição é contrária à reforma como chegou ao Congresso”, diz Walter Alves.

Nova estratégia de Temer tira votos da reforma da Previdência, diz vice-presidente da Câmara

Pressão do Planalto para que o PMDB e outras bancadas aliadas fechem questão a favor da proposta do governo, sob ameaça de expulsão dos dissidentes, estimula divisões na base em vez de apoio

Por Edson Sardinha e Leonel Rocha – Congresso Em Foco

A nova estratégia do presidente Michel Temer para alcançar os 308 votos mínimos para aprovar a reforma da Previdência na Câmara enfrenta resistência no PMDB e no comando da Casa. Para o primeiro-vice-presidente da Câmara, Fábio Ramalho (PMDB-MG), a pressão de Temer para obrigar os peemedebistas e outros aliados a votar a favor da proposta, com o fechamento de questão, pode causar efeito contrário ao pretendido: em vez de garantir votos, estimular as dissidências e a divisão das bancadas do partido e da base.

“Fechar questão não resolve. O deputado tem de ser convencido e ter liberdade para votar. Ninguém entrou na Câmara para votar contra ou a favor da reforma. O governo tem de conquistar o voto de alguma maneira”, afirma o deputado ao Congresso em Foco.

Leia maisNova estratégia de Temer tira votos da reforma da Previdência, diz vice-presidente da Câmara

Cerimônias religiosas se intensificam dentro da Câmara Dos Deputados

CÂMARA

Cerimônias católicas e evangélicas ocorrem todas as semanas em plenários de comissões

André Borges, O Estado de S.Paulo

Não há santos na sala da Comissão de Tributação e Finanças da Câmara dos Deputados. O que se vê nas paredes são quadros com rostos de parlamentares como o ex-deputado e ex-ministro Geddel Vieira Lima ou o ex-deputado e hoje ministro Moreira Franco.

Divindades também não estão retratadas na sala da Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática. Ali há fotografias em preto e branco de ex-presidentes da comissão, como a do senador Jader Barbalho (PMDB-PA) e a do ministro da Ciência e Tecnologia, Gilberto Kassab. Toda semana, porém, esses retratos têm sido testemunhas de cerimônias religiosas, em horário de funcionamento da Casa.

Na quarta-feira passada, já passavam das 9h30 quando o deputado Eros Biondini (PROS-MG) empunhava um violão e comandava o culto da Renovação Carismática Católica no plenário da Comissão de Ciência e Tecnologia, entre músicas e citações cristãs. “Pisa na cabeça da serpente, passa na frente, desata os nós, intercede por nós”, dizia. Ao seu lado, o deputado Flavinho (PSB-SP) erguia uma Bíblia aberta.

Leia maisCerimônias religiosas se intensificam dentro da Câmara Dos Deputados

Em um ano, planos de Segurança do governo Temer não saem do papel

Menos de 15 dias após assumir o governo como presidente interino, Michel Temer se deparava com a primeira crise na segurança pública. Para responder à repercussão de um estupro coletivo no Rio de Janeiro, anunciou que criaria um departamento de combate à violência contra a mulher na Polícia Federal (PF). Era a primeira de uma série de promessas para reduzir a criminalidade feitas no primeiro ano do peemedebista à frente do Palácio do Planalto.

Ao novo departamento na PF, que nunca se concretizou, somaram-se outros anúncios, empacotados no Plano Nacional de Segurança Pública, que foi lançado às pressas por conta de massacres em série dentro de presídios no início deste ano. De concreto, segundo balanço elaborado pelo GLOBO, o governo tem pouco para mostrar. A atuação federal é apontada por analistas e gestores da área como meramente reativa a crises pontuais.

Carro-chefe do combate à violência na esfera federal, o Plano Nacional de Segurança teve adesão formal até agora de 12 estados, mas a implantação das ações só começou nas regiões metropolitanas de Sergipe, Rio Grande do Norte e Rio Grande do Sul, segundo o Ministério da Justiça, que gerencia o programa.

DIA DAS MÃES – Homenagem do deputado José Adécio

Neste segundo domingo do mês de maio, quero parabenizar as mães do Brasil pela divina missão que assumem. De forma especial, deixo meu abraço a todas as mães do Rio Grande do Norte.

Com o coração repleto de saudade e um amor incondicional, que sempre estará presente em minha vida, recordo da senhora Donatila Djanira Costa (Dona Dó), minha mãe. Mulher dedicada, extremamente religiosa, tratava as pessoas mais simples com delicadeza e cuidado. Evangelizava em cada gesto.

Dona Dó era educada de nascença. Pouco frequentou a escola. Seus ensinamentos eram alicerçados naquilo que aprendeu ao longo da vida e os transmitia com uma capacidade ímpar. Foi a mulher mais completa que conheci. Claro, sem esquecer as qualidades da minha esposa Neide Suely e das minhas filhas, Karine, Cynthia e Beatriz.

Filho único, fui um privilegiado por ter tido em Dona Dó minha primeira morada. Lembro-me, saudoso, que só podia jogar futebol na rua, depois que fizesse os deveres da escola. Minha mãe não perdia a doçura nem quando precisava ser rígida na hora de ensinar-me a seguir na trilha do bem, daí, tenho certeza, eu ser quem eu sou.

Rogo a Deus que abençoe todas as mães e daqui peço a bênção de Dona Dó, para que eu continue tendo força para lutar.

Verba da Odebrecht corrompeu políticos em todos os Estados

1

Não é exagero dizer que a Odebrecht corrompeu todo o Brasil. Os 26 Estados do país e o Distrito Federal têm políticos locais na lista do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), ou receberam pedidos de investigação relacionados ao acordo de colaboração. Se antes Paraná, Rio, São Paulo, Pernambuco, a Justiça Federal e as cortes superiores no Distrito Federal conduziam inquéritos relacionados à operação, no pós-Odebrecht 20 Estados e o Distrito Federal terão células da Lava Jato em busca de esclarecer fatos narrados pelos executivos da empreiteira baiana

Ao encaminhar petições ao Supremo com base nas revelações da odebrecht, no mês passado, a Procuradoria Geral da República (PGR) solicitou que mais de 200 casos fossem remetidos a outras instâncias judiciais. Há menções a ex-prefeitos, prefeitos e deputados estaduais, por exemplo.

Para considerar a capilaridade das delações da Odebrecht pelo país, foram contabilizados não apenas os locais que receberão as solicitações de investigação, como regiões que têm políticos na mira, ainda que os inquéritos tramitem em Brasília. Esse é o caso de Roraima, por exemplo, que não receberá trechos da delação para analisar, mas elegeu o senador Romero Jucá (PMDB), que será investigado no Supremo. As informações são de O Tempo.

Leia maisVerba da Odebrecht corrompeu políticos em todos os Estados

Ciberataque já está ‘controlado’, segundo empresa russa Kaspersky

Ciberataque

O ciberataque que afetou desde sexta-feira mais de 100 países já foi controlado, assegurou neste sábado (13) à Agência EFE Vicente Díaz, analista da empresa russa de segurança cibernética Kaspersky.

“Está controlado. O código malicioso que foi utilizado para o ciberataque já foi neutralizado. Na sexta-feira, ele pegou de surpresa muita gente. Mas assim que as empresas entenderam o que estava acontecendo, todo o mundo correu para encontrar uma solução”, apontou Díaz.

O especialista acredita que o fato de o ciberataque “quase planetário” ter sido “capa” em todos os meios de informação, fez com que a comunidade internacional levasse muito a sério o ataque e suas consequências. As informações são da Agência Estado.

Não sou candidato a presidente, mas não vou deixar de me envolver, diz Hulk

Luciano Huck – Adriano Vizoni/Folhapress

O apresentador da TV Globo Luciano Huck, publicou hoje no painel Tendências e Debates da Folha de S. Paulo, artigo com o título “ESTOU AQUI”.  Eis a íntegra do texto de Hulk.

Estou aqui

Não, não sou candidato a presidente da República.

Um assunto como esse, contudo, não pode ser tratado sem reflexão.

Nunca falei que seria candidato a nada, mas nunca me esquivei de me posicionar. Acho que sempre fui alguém movido pela vontade de aprender e por uma curiosidade inata e verdadeira.

Em mais de 20 anos de carreira, sempre quis ser alguém que se coloca, que está presente na cena nacional e faz o que pode para usar sua energia a favor da evolução da sociedade e da nação. Nunca fiquei escondido atrás do conforto da indiferença e da fama, nunca me omiti, fazendo cara de paisagem, só posando para selfies e fingindo não ver o mundo em que estou.

Por força do meu trabalho, nas últimas duas décadas viajei este país de ponta a ponta, entrei na casa das pessoas, dividi com elas seus sonhos, compartilhei seus desejos, sem nenhuma intenção além de ouvir e de contar suas histórias.

Leia maisNão sou candidato a presidente, mas não vou deixar de me envolver, diz Hulk

%d blogueiros gostam disto: