Sérgio Machado, livre, vive sua ‘prisão domiciliar’

Casa do Sérgio Machado

A residência toma meio quarteirão no Bairro de Dunas, um dos mais nobres e caros de Fortaleza, onde também moram expoentes do mundo empresarial e político do Ceará como o ex-governador e senador Tasso Jereissati, presidente interino do PSDB e ex-aliado de Machado.

Machado não sofre qualquer restrição legal. Formalmente, é um homem livre. O acordo de delação negociado com a Procuradoria-Geral da República (PGR) e homologado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) tem uma cláusula que lhe facultava a opção de cumprir antecipadamente a pena, já que os processos referentes à Transpetro ainda não foram julgados. Recentemente, a eficácia do acordo foi questionada pela Polícia Federal.

Alegando razões de “foro íntimo”, Machado optou por não antecipar a pena. Aos raros interlocutores, o ex-presidente da Transpetro diz estar se sentindo ameaçado porque acusou “políticos profissionais dispostos a qualquer coisa para se salvar”. A um amigo, o ex-senador, que tem 70 anos, afirmou que está preparado “para passar o resto” dos seus dias “por conta desta luta”. Quando comenta sua situação, reclama que “é como se a prisão domiciliar já tivesse começado”.

Pelo acordo, Machado vai cumprir três anos de prisão domiciliar seja qual for o resultado dos inquéritos nos quais está envolvido. Cumpridos dois anos e três meses, passará para o regime semiaberto diferenciado. Ele pode ser condenado a no máximo 20 anos de reclusão, mas se as penas ultrapassarem os três anos serão automaticamente convertidas na punição alternativa.

Temendo retaliações, Machado passa a maior parte do tempo na casa de Dunas que teve a segurança reforçada. Pelo menos três camadas de segurança protegem Machado. A primeira formada pelos vigias do bairro. Como na maioria das áreas ricas das grandes cidades, as ruas de Dunas são praticamente desertas. Apenas carrões e as motos de seguranças circulam pela região. Existem relatos de equipes de reportagem abordadas e intimidadas pelos vigias.

Além disso a casa tem uma equipe de ao menos oito seguranças fortemente armados e equipados com coletes à prova de balas que ficam no interior da residência. Na semana passada, a reportagem do Estado esteve no local sem avisar e foi atendida por um deles, que disse gentilmente: “O doutor Sérgio não está. Deu uma saidinha”.

Academia. Machado tem ainda uma equipe de guarda-costas que o acompanha nas cada vez mais raras aparições públicas e impede qualquer pessoa de chegar perto do ex-presidente da Transpetro.

Mas não evita situações embaraçosas. Ele foi hostilizado em uma visita ao Shopping Del Passeo e na academia onde se exercitava sob a orientação do bicampeão mundial de vôlei de praia Roberto Lopes foi chamado de ladrão. Outros frequentadores chegaram a procurar a direção da academia para reclamar. Machado parou de frequentar o local.

Leia maisSérgio Machado, livre, vive sua ‘prisão domiciliar’

Temer faz reunião com Maia e Eunício para discutir reforma da Previdência

Temer

O presidente Michel Temer convocou uma reunião neste domingo, 6, no Palácio do Planalto. Um dos objetivos do encontro, que terminou pouco depois das 15h30, era discutir a tramitação da reforma da Previdência. Além dos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), os ministros da Fazenda, Henrique Meirelles, da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco, e do Governo, Antônio Imbassahy, também participaram do encontro.

Quatro dias após ter a denúncia por corrupção passiva contra ele barrada pelo plenário da Câmara, Temer quis sondar com quantos votos pode contar para aprovar a reforma da Previdência, depois de enterrar a denúncia contra ele por corrupção passiva na Câmara, já que houve traições entre os aliados. A denúncia contra o presidente, apresentada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, foi rejeitada por 263 votos.

O peemedebista também debateu pontos da reforma tributária, especificamente uma simplificação do PIS/Cofins, e as próximas votações de medidas provisórias enviadas ao Congresso, como o Refis. As informações são de O Estado de São Paulo.

Leia maisTemer faz reunião com Maia e Eunício para discutir reforma da Previdência

Com aval da CGU, Exército censura informações sobre os militares

O general Villas Bôas às vésperas da Olimpíada Rio-16

Por RUBENS VALENTE – Folha de São Paulo

Se depender do Comando do Exército e da CGU, o cidadão que deseja conhecer o passado no serviço público do comandante, o general Eduardo Villas Bôas, ou do presidenciável Jair Bolsonaro (PSC-RJ) nas Forças Armadas vai receber apenas informações editadas e positivas.

As respostas ao cidadão não deverão trazer nenhuma referência que, no entender do Exército, possam atingir a “honra e imagem” do militar.

Essa interpretação foi adotada pelo Comando da Força e referendada, em 2015, pela CGU (Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União).

Na prática, o entendimento esvazia o artigo 31 da Lei de Acesso, que prevê que a restrição de acesso à informação relativa à vida privada, honra e imagem de pessoa “não poderá ser invocada” pelo Estado brasileiro em “ações voltadas para a recuperação de fatos históricos de maior relevância”.

Leia maisCom aval da CGU, Exército censura informações sobre os militares

Brasil bate Itália em cinco sets e conquista o Grand Prix pela 12ª vez

Brasil

A seleção brasileira feminina de vôlei conquistou neste domingo seu 12.º título do Grand Prix na história, em Nanquim, na China. Este, talvez um dos mais inesperados. Com uma equipe bastante renovada, sem as estrelas que fizeram do País uma das maiores potências do esporte nos últimos anos, o Brasil surpreendeu e garantiu o troféu com uma emocionante vitória na decisão sobre a Itália por 3 sets a 2, com parciais de 26/24, 17/25, 25/22, 22/25 e 15/8.

Em uma final com equipes tão jovens, o duelo foi marcado pelas muitas oscilações de ambos os lados. No primeiro e terceiro sets, o Brasil saiu do buraco para buscar viradas que lhe garantiam vantagem na partida. A Itália, por sua vez, venceu a segunda e a quarta parciais de forma contundente. Mas no tie-break, o time brasileiro embalou, ganhou confiança e atropelou as adversárias.

Com o resultado, o Brasil defende o título conquistado no ano passado, quando ainda era liderado por nomes como Sheilla, Fe Garay, Fabiana, Dani Lins, Thaisa, entre outras, que não fizeram parte do elenco deste ano. Desta vez, Natalia, Bia, Adenizia e Tandara foram as responsáveis por garantir a hegemonia do País. As informações são de O Estado de São Paulo.

Temer faz reunião com Maia sobre Previdência

Temer e Rodrigo Maia

O presidente Michel Temer chamou o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) para uma reunião, neste domingo, no Palácio do Planalto. O objetivo do encontro é discutir a tramitação da reforma da Previdência.

Quatro dias após ter a denúncia por corrupção passiva contra ele barrada pelo plenário da Câmara, Temer quer fazer um mapeamento de sua base no Congresso para saber com quem poderá contar nas próximas votações, já que houve traições entre os aliados. A denúncia contra o presidente, apresentada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, foi rejeitada por 263 votos. Para que a reforma da Previdência passe pela Câmara é necessário o apoio de 308 deputados e 49 senadores, em duas votações.

Em entrevista ao Estado, publicada no sábado, Temer admitiu que a reforma não será tão abrangente e pode se resumir à fixação da idade mínima e ao corte de privilégios de servidores públicos. As informações são da Agência Estado.

Leia maisTemer faz reunião com Maia sobre Previdência

Governador participa do festival de inverno de Cerro Corá

Gastronomia, cultura e arte são alguns dos ingredientes da XV edição do Festival de Inverno de Cerro Corá, que ocorre anualmente na praça Tomaz Pereira de Araújo, localizada no centro da cidade. O município situado no Agreste potiguar costuma registrar uma média de 30 mil visitantes nesse período do ano e, neste sábado (5), teve a presença do governador, Robinson Faria.

O chefe do Executivo estadual esteve acompanhado da prefeita do município Graça Oliveira e do vice, Zeca Araújo, além dos secretários de Estado, Julianne Faria (Sethas) e Getúlio Ribeiro (Relações Institucionais) e do deputado estadual Galeno Torquato.

“O evento movimenta a economia da cidade, atraindo turistas de todos os lugares e conta com nosso apoio desde o início da gestão”, destacou Robinson. Além de participar dos festejos, o governador reforçou compromisso com a cidade. “Vamos fazer a estrada da Produção, de São Tomé a Cerro Corá aguardada a mais de 50 anos pela população.  Também vamos sanear o município e instalar uma unidade do Restaurante Popular até novembro deste ano”.

Leia maisGovernador participa do festival de inverno de Cerro Corá

Moro foi ‘irretocável’ em sentença de Lula, diz presidente do TRF

Desembargador de tribunal que vai julgar apelação do ex-presidente. FOTO: Jefferson Bernardes/Estadão

Thompson Flores compara a decisão de Moro com a do caso Herzog: ‘É tecnicamente irrepreensível’

Luiz Maklouf Carvalho, ENVIADO ESPECIAL, O Estado de S.Paulo

O presidente do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), desembargador Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz, disse, em entrevista ao Estado, que a sentença em que o juiz Sérgio Moro condenou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a nove anos e seis meses de prisão, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, “é tecnicamente irrepreensível, fez exame minucioso e irretocável da prova dos autos e vai entrar para a história do Brasil”.

Ele comparou a decisão de Sérgio Moro à sentença que o juiz Márcio Moraes proferiu no caso Vladimir Herzog – em outubro de 1978, quando condenou a União pela prisão, tortura e morte do jornalista. “Tal como aquela, não tem erudição e faz um exame irrepreensível da prova dos autos”, disse. O TRF-4 é a segunda instância de julgamento dos recursos da operação Lava Jato. Até a última quinta-feira, em três anos e cinco meses de Lava Jato, 741 processos já haviam chegado lá, 635 dos quais baixados. Entre os que estão na iminência de dar entrada está a apelação da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva contra a sentença de Sérgio Moro, a ser julgada pela Oitava Turma, composta por três desembargadores.

O presidente do TRF-4 recebeu o Estado na tarde da última segunda-feira, 31, em seu amplo gabinete no nono andar da sede do Tribunal, um imponente conjunto de dois prédios interligados no bairro Praia de Belas, região central de Porto Alegre, com vista para a orla do rio Guaíba. Ali trabalham 27 desembargadores e 970 funcionários. O orçamento para este ano é de R$ 5 bilhões. É o Tribunal mais informatizado do país: 93,8% (893.573) dos processos que lá tramitam são eletrônicos,apenas 6,92% (66.423) ainda estão no papel.

Leia maisMoro foi ‘irretocável’ em sentença de Lula, diz presidente do TRF

Partido Novo tenta se sustentar com palestras de famosos e dinheiro dos filiados

Contrário ao financiamento público, via fundo partidário, o partido Novo tem cobrado ingresso para palestras de filiados e simpatizantes ilustres como forma de levantar dinheiro e atrair adeptos. Bernardinho é a estrela, o palestrante mais concorrido. Uma palestra motivacional do técnico multicampeão chega a ter entrada a R$ 500. “Um dos maiores símbolos de liderança no Brasil”, diz a apresentação. Bernardinho avalia uma candidatura à Presidência da República ou ao governo do Rio pelo Novo no ano que vem.

Outros palestrantes são o nadador Luiz Lima, ex-secretário de Alto Rendimento do Ministério do Esporte, e o ex-ministro da Cultura Marcelo Calero. Esse último ainda não está filiado. Os dois serão as estrelas de um evento no próximo dia 15, no Rio, cujo convite custa R$ 80. Filiados terão 25% de desconto.

– Essa palestra é para eles contarem como é a experiência de estar lá (na administração pública). Como todo mundo do Novo é mais recente na política, a gente quer saber deles o que dá para fazer, como funcionam as coisas – disse o fundador do partido, João Amoêdo, que vai mediar o bate-papo com Luiz Lima e Calero. As informações são de O Globo.

Leia maisPartido Novo tenta se sustentar com palestras de famosos e dinheiro dos filiados

Dois milhões de eleitores vão às urnas no Amazonas neste domingo

Mais de 2,3 milhões de eleitores vão às urnas no Amazonas neste domingo para a eleição suplementar que irá escolher o novo governador do estado. Nove candidatos disputam a preferência do eleitorado: Amazonino Mendes (PDT), Eduardo Braga (PMDB), Jardel (PPL), José Ricardo (PT), Liliane Araújo (PPS), Luiz Castro (Rede), Marcelo Serafim (PSB), Rebecca Garcia (PP) e Wilker Barreto (PHS). A nova eleição foi determinada após o ex-governador José Melo (PROS) e o vice José Henrique Oliveira terem os mandatos cassados pelo Tribunal Superior Eleitoral por compra de votos no pleito de 2014. Caso seja necessário, o segundo turno está previsto para acontecer no dia 27.

O Amazonas possui 61 zonas no interior e 13 na capital, compostas por 7,262 seções eleitorais no estado, de acordo com dados do Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas. A votação começou às 8h do horário local e termina às 17h. Cerca de 1.533 mil eleitores serão identificados por meio da impressão digital por terem realizado o cadastramento biométrico. As informações são de O Globo.

Leia maisDois milhões de eleitores vão às urnas no Amazonas neste domingo

Investigado na Lava Jato, senador tem chances de ir ao segundo turno no Amazonas

O senador Eduardo Braga (PMDB) concorre novamente ao governo do estado e disputa vaga no segundo turno. O ex-ministro de Minas e Energia também é o candidato mais rico na disputa pelo mandato-tampão

Por Isabella Macedo –  Congresso Em Foco

O estado do Amazonas decide a partir deste domingo(6) quem será o chefe do executivo estadual até o fim de 2018. Nove candidatos disputam o cargo um segundo turno, caso seja necessário, está marcado para o próximo dia 27. As eleições foram definidas em 20 de junho e os candidatos tiveram apenas 45 dias para fazer suas campanhas.

Na eleição de hoje, concorrem o senador Eduardo Braga (PMDB), o deputado estadual José Ricardo (PT), o ex-governador Amazonino Mendes (PDT), o deputado estadual Luiz Castro (Rede), Liliane Araújo (PPS), o vereador de Manaus Wilker Barreto (PHS), o ex-deputado federal e atual vereador de Manaus Marcelo Serafim (PSB) e a ex-deputada federal Rebecca Garcia (PP) e Jardel (PPL), último a se registrar na corrida ao cargo.

Eduardo Braga e Amazonino Mendes e Rebecca Garcia são os três candidatos que lideram as intenções de voto. Segundo pesquisa realizada entre os dias 26 e 29 de julho pela Pesquisa 365, Amazonino tem 36% das intenções de votos, seguido de Eduardo Braga (25%) e Rebecca (21%). Os resultados já desconsideram votos brancos e nulos e têm margem de erro de três pontos percentuais. O índice de confiabilidade é de 95%. Em outro levantamento, do jornal Diário do Amazonas, Braga está pouco a frente de Amazonino, com 31,1% e 27,9%. Com a margem de erro de 2,45 pontos percentuais, ambos iriam ao segundo turno empatados tecnicamente. Rebecca Garcia tem 12,5% na pesquisa.

Leia maisInvestigado na Lava Jato, senador tem chances de ir ao segundo turno no Amazonas

Eleição no Amazonas foi ignorada pelo País, diz candidata

Rebecca Garcia (PP)

Candidata do PP na eleição suplementar para o governo do Amazonas, que ocorre neste domingo, dia 6, a ex-deputada Rebecca Garcia lamenta que o pleito tenha sido ignorado pelas principais lideranças políticas do País. “A eleição no Amazonas foi ignorada pelo Brasil. Não perceberam que se trata de uma prévia para 2018”, disse a candidata.

Dos presidenciáveis que se apresentam hoje para disputar as eleições de 2018, apenas Marina Silva visitou o Estado para ajudar o candidato da Rede. A única liderança importante que participou da campanha foi a senadora Gleisi Hoffmann, presidente do PT, que participou de eventos com o candidato da sigla, José Ricardo.

A candidata do PP avalia que o isolamento político do Estado favorecerá em 2018 uma eventual candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva. O ex-presidente venceu com folga no Amazonas as duas eleições que disputou. O mesmo aconteceu com Dilma Rousseff. As informações são da revista Veja.

Leia maisEleição no Amazonas foi ignorada pelo País, diz candidata

Eu teria condições de gerar votação difícil para Temer, diz Maia

Brasilia, DF, 04-08-2017 - Entrevista exclusiva do Presidente da Cmara dos Deputados, Rodrigo Maia, na residncia oficial do presidente da Cmara dos Deputados. Foto: Srgio Lima/Folhapress ORG XMIT: Sergio Lima

Eu não tenho entorno. Não tenho patota. Sou presidente da Câmara porque não tenho patota. Entendeu?

Por Daniel Carvalho – Folha de São Paulo

Após o pior momento de sua relação com o governo de Michel Temer, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse à Folha que, se quisesse, poderia ter dificultado a vida do presidente da República na votação da denúncia de corrupção passiva feita pela PGR (Procuradoria-Geral da República).

“Não cabia à minha pessoa fazer nenhum movimento que me beneficiasse pessoalmente. Isso mancharia minha biografia”, disse o deputado, que nega almejar uma candidatura à Presidência por não ter “apoio popular necessário”.

Folha – Temer barrou a primeira denúncia com votos de 51% da Câmara, 53% dos presentes. Está longe dos 308 votos para aprovar qualquer PEC.

Rodrigo Maia – Olhando para a necessidade das reformas, precisa reconstruir parte da base para que se possa ter 308 votos necessários para aprovar principalmente a da Previdência. Mas, olhando para trás, para o momento de mais tensão do presidente nesta crise, foi um bom resultado.

Leia maisEu teria condições de gerar votação difícil para Temer, diz Maia

Fachin suspende depoimento de Rodrigo Maia à Polícia Federal

Resultado de imagem para rodrigo maia pf

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou a suspensão do depoimento do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que tinha sido marcado pela Polícia Federal para o próximo dia 8 de agosto. Em despacho, Fachin, que é relator dos casos ligados à operação Lava-Jato, não chegou a analisar a íntegra do pedido do deputado, que havia solicitado o adiamento. Fachin tomou a decisão porque o Ministério Público Federal (MPF) pediu vista ao inquérito e ainda está pendente decisão se o caso envolvendo Maia está ligado à Lava-Jato. Caso não esteja, Fachin não seria mais o relator, e todos os pedidos judiciais relativos a ele teriam que ser remetidos a outro relator.

“Por ora, determino o acautelamento da presente petição (de Rodrigo Maia) até o retorno do inquérito da Procuradoria-Geral da República, inclusive porque, como frisado, poderá vir a ocorrer a redistribuição do feito, competindo, se for o caso, ao novo relator o exame de questões pendentes”, diz Fachin. “Com relação à pretensão de suspensão da alegada oitiva designada para o próximo dia 8 do corrente mês, de fato, emerge prudente que a autoridade policial não realize atos de investigação quando os autos foram requisitados e já expirado o prazo inicialmente deferido”, conclui no despacho.

Leia maisFachin suspende depoimento de Rodrigo Maia à Polícia Federal

Temer prometeu apoiar estrada para conseguir votos de ruralistas

Temer prometeu apoiar BR-242, cujo traçado original passa a apenas dez quilômetros do Parque Indígena do Xingu

Para garantir os votos da bancada ruralista em seu favor, Temer prometeu seu apoio a estrada que poderá passar a apenas dez quilômetros de distância do Parque Indígena do Xingu. Com 263 votos contra o prosseguimento da denúncia, Temer escapou de ser investigado por corrupção passiva até o fim do seu mandato.

Segundo reportagem do jornal Folha de S. Paulo, o desenho da construção da estrada tinha sofrido modificações aprovadas por entidades ligadas às causas indígenas e de proteção ambiental. No traçado original, a estrada estaria a uma distância de apenas dez quilômetros do extremo sul do Parque do Xingu, além de passar por áreas de interesse ambiental e histórico, como matas vitais para cabeceiras de rios que cruzam o parque e sítios arqueológicos. O Ibama, responsável pela autorização, ainda não aprovou a licença para a BR-242, que teria quase 200 quilômetros de extensão. Uma fazenda de soja do ministro da Agricultura, Blairo Maggi (PP), é beneficiada com o traçado original.

Uma carta de repúdio à obra, em nome de 16 etnias com mais de oito mil indígenas, foi entregue às autoridades. O entendimento é que os impactos ambientais e sociais seriam prejudiciais, com desmatamentos, novos núcleos sociais e aumento do uso de agrotóxicos. A sugestão, que tinha começado a ser aceita por ruralistas, era usar uma estrada que já existe e fica mais distante dos limites do Xingu, segundo o Congresso Em Foco.

Leia maisTemer prometeu apoiar estrada para conseguir votos de ruralistas

%d blogueiros gostam disto: