Novas delações podem atingir inquéritos sobre Temer, diz Janot

BRASÍLIA, (DF), 05-08-2017 Entrevista exclusiva com o Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, em sua residência, no Lago Sul. Foto: Sérgio Lima/Folhapress ***ESPECIAL***EXCLUSIVA*** ORG XMIT: Sergio Lima

LEANDRO COLON e REYNALDO TUROLLO JR – Folha de São Paulo

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, 59, diz que “colaborações em curso” podem ajudar nas investigações contra o presidente Michel Temer por suspeita de obstrução de Justiça e organização criminosa.
Os inquéritos servem para embasar novas denúncias contra o peemedebista.

A PGR negocia, segundo a Folha apurou, as delações do ex-deputado Eduardo Cunha e do operador financeiro Lúcio Funaro, ambos presos pela Lava Jato.

Janot diz que não pode confirmar as tratativas, mas questionado sobre o que um político como o ex-presidente da Câmara tem de entregar para fechar um acordo, ele respondeu: “O cara está neste nível aqui [faz um sinal com uma mão parada no ar], ele tem que entregar gente do andar para cima [mostra um nível acima com a outra mão]. Não adianta ele virar para baixo, não me interessa”.

O procurador-geral recebeu a Folha em sua casa no sábado (5), em Brasília, para uma entrevista. Indicou que prepara nova denúncia contra Temer, revelou que pedirá a anulação de uma delação e afirmou que a saída para o país não é “considerar bandido como político”.

Janot, cujo mandato na PGR termina em 17 de setembro, contou que pretende tirar férias acumuladas até abril e projeta se aposentar no meio do ano que vem.

*

Folha – Os bambus acabaram? Ainda restam flechas?

Rodrigo Janot – Restam flechas. A gente não faz uma investigação querendo prazo e pessoas. As investigações vão ficando maduras até que se possa chegar ao final. E várias estão bem no finalzinho. Eu diria que tem flecha.

Quais são?

A surpresa você vai deixar para mim, né?

Não foi um pouco de soberba ter falado em flecha (em um evento recente)?

Isso é brincadeira que a gente faz internamente desde a época do Cláudio Fonteles [2003-2005]. A gente dizia que temos que trabalhar, e a expressão dizia isso, enquanto houver bambu, lá vai flecha. Não é soberba nenhuma.

Leia maisNovas delações podem atingir inquéritos sobre Temer, diz Janot

Janot diz que tem mais “flechas” e surpresa contra Temer

A pouco mais de um mês de deixar o cargo, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, diz que ainda tem “flechas” para disparar contra o presidente Michel Temer. Em entrevista à Folha de S.Paulo, Janot afirma que as investigações e as delações em andamento ainda vão trazer “surpresa”. “Restam flechas. A gente não faz uma investigação querendo prazo e pessoas. As investigações vão ficando maduras até que se possa chegar ao final. E várias estão bem no finalzinho. Eu diria que tem flecha”, declara.

O procurador-geral da República, cujo mandato se encerra em 17 de setembro, diz que a Câmara terá de arcar com as consequências de ter impedido o presidente de ser investigado agora, mas que o peemedebista terá de se submeter à Justiça assim que deixar o cargo. Segundo ele, apenas “um país de carochinha” pode acreditar que alguém que designa um laranja para acertar um acordo ilícito receba pessoalmente o dinheiro.

“Temos de entender que o crime de corrupção não precisa de você receber o dinheiro, é aceitar ou designar a proposta. Receber o dinheiro é a chapada do crime de corrupção”, explica. “Jamais alguém vai comprovar”, acrescenta. Questionado sobre quais novidades poderiam vir das delações em andamento, como a do doleiro Lúcio Funaro e a do ex-deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), Janot desconversou: “A surpresa você vai deixar para mim, né?”

Mesmo sem confirmar quando e qual será a próxima denúncia que apresentará contra Michel Temer, Janot mostra convicção de que o presidente avalizou a compra do silêncio de Cunha.

“‘Tem que manter isso’ o que é? Uma compra de carne? É uma feitura de suco? É fazer lanche? Qual era o fato que se discutia? ‘Eu estou segurando a boca de duas pessoas, Cunha e Funaro’. “Muito bom, muito bom, tem que manter isso.” Esse diálogo não foi negado pelo presidente, mas ele diz assim: “A interpretação que eu faço desse diálogo é outra”. Se a gente não vive o país da carochinha, vamos interpretar o que está dito, gravado”.

Fátima Bezerra não tem parentes na política do RN

Resultado de imagem para fátima bezerra

Dez das 13 senadoras também têm parentesco com algum político. Somente Fátima Bezerra (PT-RN), Regina Sousa (PT-PI) e Lídice da Mata (PSB-BA) fogem à regra. A única bancada estadual onde isso não ocorre atualmente é a do Rio de Janeiro, composta por Romário (Podemos-RJ), Lindbergh Farias (PT-RJ) e Eduardo Lopes (PRB-RJ).

Professora, Fátima é a exceção que confirma a regra em seu estado. “Sou a primeira representante de origem popular do Rio Grande do Norte nos últimos 50 anos. Isso evidencia o quanto o tradicionalismo e o patrimonialismo estão presentes na  política. A maioria dessas famílias têm o controle dos meios de comunicação e dinheiro. Não é razoável que o parentesco seja traço marcante na nossa política”, critica.

Veja a relação dos senadores e seus parentes:

Garibaldi Alves Filho (PMDB) – Filho do ex-vice-governador e ex-senador Garibaldi Alves e pai do deputado federal Walter Alves (PMDB-RN). É sobrinho do ex-governador e ex-ministro Aluizio Alves e do ex-deputado estadual e ex-prefeito de Natal Agnelo Alves. É primo do ex-deputado Henrique Eduardo Alves e de Carlos Eduardo Alves, atual prefeito de Natal.

José Agripino (DEM) – Herdeiro de uma das mais famílias mais tradicionais da política do Rio Grande do Norte e da Paraíba, é pai do deputado Felipe Maia (DEM-RN) e primo do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do ex-prefeito do Rio César Maia. É filho do ex-governador Tarcísio Maia, sobrinho do ex-senador João Agripino Maia Filho (PB) e primo do ex-deputado Lavoisier Maia. É parente da deputada Zenaide Maia (PR-RN), do ex-deputado João Maia e do deputado distrital Agaciel Maia. Outros parentes do senador exercem ou exerceram mandatos no Rio Grande do Norte. As informações são do Congresso Em Foco.

A incrível bancada dos parentes no Senado

POR EDSON SARDINHA – Congresso Em Foco

Multipartidária e composta por representantes de 26 unidades federativas e de todos os partidos com assento no Senado, a “bancada dos parentes” é a mais numerosa da Casa. Maia, Caiado, Alves, Mello, Jereissati, Cunha Lima, Dias, Lobão, Tebet, Viana e Suplicy são alguns dos atuais sobrenomes que acompanharam outros senadores nas últimas décadas. Não por acaso. Levantamento da nova edição da Revista Congresso em Foco revela que ao menos 59 dos 81 parlamentares no Senado têm ou tiveram familiares no exercício de mandatos políticos. Isso representa mais de 73% dos integrantes da Casa. No Nordeste esse fenômeno é ainda mais forte: alcança 21 dos 27 senadores (78%).

Calheiros, Neves, Barbalho, Requião, Nogueira, Jucá, Monteiro, Portela, Coelho, Raupp, Camelli, Capiberibe, Abreu,  entre outros, também são sobrenomes que se repetem no exercício de outros mandatos políticos, por meio de irmãos, filhos, avôs, pais, netos, sobrinhos e cônjuges com passagem por governos estaduais, prefeituras e pelo Parlamento. Atualmente 21 famílias têm, ao mesmo tempo, representantes na Câmara e no Senado.

Os três senadores de dez estados no Senado têm ou tiveram parentes políticos. No DEM, de Ronaldo Caiado (GO) e José Agripino Maia (RN), no PDT e no PR, ninguém foge desse perfil. A mesma situação se dá com 19 dos 22  peemedebistas. Já no PSDB, quem tem a árvore genealógica mais enraizada na política é o senador Cássio Cunha Lima (PB), filho do ex-senador Ronaldo Cunha Lima,  pai do deputado Pedro Cunha Lima (PSDB-PB) e parente de quase uma dezena de outras lideranças. Leia mais AQUI

Eduardo Cunha sobre propina diz a Henrique Alves: ‘Aqui se atrasa, mas não falha’

Resultado de imagem para henrique alves e eduardo cunha

Um relatório da Polícia Federal produzido a partir de mensagens capturadas do telefone do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preso no âmbito da Lava-Jato, mostra que os tentáculos do político alcançavam as mais diversas áreas.

O ex-deputado influenciava nomeações para cargos públicos, distribuição de propina para o PMDB e até vagas de internação de hospitais do Rio. Quando o assunto era o pagamento de vantagens indevidas, ele se garantia. “Chegou! Valeu. Agradeça lá”, escreveu o ex-presidente da Câmara Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), também preso, em mensagem de 2012. “Claro, não tinha dúvidas. Aqui se atrasa, mas não falha”, responde Cunha.

O diálogo foi um dos muitos em que Cunha e Alves acertam suposto pagamento de propina, muitas vezes oriunda de empreiteiras. No dia 15 de agosto de 2012, Alves havia cobrado o pagamento de propina que viria da Carioca Engenharia, segundo a interpretação dos investigadores. Aparentemente, a cobrança deu certo, porque o agradecimento foi repassado a Cunha no dia seguinte.

As trocas de mensagens foram feitas ao longo de 2012 e estavam no celular de Cunha, que foi apreendido pela PF em buscas feitas em dezembro de 2015. O relatório foi concluído em dezembro de 2016 e enviado ao Supremo Tribunal Federal (STF). Somente agora foi retirado o sigilo do documento. O material será encaminhado ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que poderá juntá-lo a inquéritos que já estão em curso na Corte. As informações são de O Globo.

Leia maisEduardo Cunha sobre propina diz a Henrique Alves: ‘Aqui se atrasa, mas não falha’

Nelter propõe construção de adutora em sete comunidades rurais de Parelhas

Resultado de imagem para nelter

Buscando saídas para amenizar os efeitos da estiagem que afeta a população residente na zona rural de Parelhas, município localizado no Seridó potiguar, o deputado estadual Nelter Queiroz (PMDB) propôs ao Governo do Estado, através da Secretaria de Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (SEMARH), a construção de uma adutora ligando a barragem Boqueirão às comunidades: Espinheiro, Timbaúba de Baixo, Timbaúba de Cima, Olho D’Água, Vazante, Pinga e Jamarataia.

De acordo com o parlamentar, o pleito foi sugerido pelos vereadores Humberto Gondim e Dr Alyson Wagner, visando proporcionar melhores condições de sobrevivência aos residentes nessas seis comunidades. “A construção de uma adutora seria a forma mais viável para amenizar a crítica situação hídrica dessas localidades, já que o rio e os poços por lá existentes secaram”, atentou.

Ainda de acordo com Nelter, a construção deste equipamento também se faz necessária para viabilizar a atividade produtiva das comunidades Espinheiro,
Timbaúba de Baixo, Timbaúba de Cima, Olho D’Água, Vazante, Pinga e Jamarataia, uma vez que estas são baseadas na agricultura e pecuária.

PMDB exige punições a dissidentes tucanos

A bancada do PMDB na Câmara vai cobrar do presidente Michel Temer em reunião, amanhã, no Planalto, o custo político por tê-lo apoiado na votação da denúncia. Peemedebistas querem punições claras aos tucanos que traíram na votação e ameaçam abandonar o presidente numa eventual segunda denúncia caso não haja exonerações.

Dizem que o governo precisa “arrancar cabeças em praça pública” para suprir o sentimento dos colegas. Amanhã, Michel Temer recebe o líder do PMDB, Baleia Rossi, e o coordenador da bancada de Minas Gerais, Mauro Lopes.

Aliados observam que a bancada mineira do PMDB foi a mais fiel ao presidente Temer na votação, apesar de não “ter nem porteiro em ministério”. As informações são da Coluna do Estadão.

Blitzen simultâneas da Operação Lei Seca autua 67 condutores em Natal

A madrugada deste domingo (06) em Natal, contou com a realização de duas blitzen simultâneas de fiscalização da Operação Lei Seca do Departamento Estadual de Trânsito do RN (Detran). As barreiras foram montadas no cruzamento das Avenidas São José com Raimundo Chaves, em Candelária, e na Avenida Engenheiro Roberto Freire, em Capim Macio. No total, 67 condutores foram autuados por desrespeito a Lei Seca, sendo dois deles presos sob acusação de crime de trânsito.

Na ocasião, um motorista foi autuado duas vezes na mesma noite ao cruzar as duas ações de fiscalização do Detran. “O condutor se recusou a fazer o teste na fiscalização em Candelária e após se autuado e ter seu veículo liberado para um outro condutor habilitado, ele acabou reassumindo o volante, sendo mais uma vez flagrado e autuado já no nosso segundo ponto de blitz, em Capim Macio”, relatou o coordenador da Operação Lei Seca, capitão Isaac Paiva.

Um outro motorista, que já havia sido autuado duas vezes na fiscalização da Operação Lei Seca efetuada durante a festa de San’Ana, em Caíco, foi mais uma vez flagrado transgredindo a legislação de trânsito por embriaguez ao volante. De acordo com o capitão Isaac Paiva, o condutor teve sua CNH devolvida na última sexta-feira (04). “Dessa vez ele foi autuado na Avenida Engenheiro Roberto Freire e assim como no primeiro caso, que ele foi multado duas vezes na mesma noite,, ele vai ter a multa dobrada, que somada com a primeira, vai para quase R$ 9 mil, além de ter a CNH cassada”, contou.

Leia maisBlitzen simultâneas da Operação Lei Seca autua 67 condutores em Natal

HOMOAFETIVIDADE Bispo de Caicó diz que não agiu por má fé e não quis induzir ninguém ao erro

Dom Antônio Carlos Cruz Santos, bispo de Caicó, no RN (Foto: Divulgação/ Diocese de Caicó)

Depois de afirmar que a homoafetividade é um dom de Deus. “Se não é escolha, se não é doença, na perspetiva da fé só pode ser um dom”, o bispo de Caicó, Dom Antônio Carlos Cruz Santos, divulgou nota de esclarecimento sobre o assunto.

Ele diz ter total convicção que não agiu de má fé e não quis induzir ninguém ao erro. Leia AQUI

Eunício propõe que fundo eleitoral tenha recursos do Orçamento

Eunício Oliveira

Proposta do presidente do Senado prevê que recursos que já são destinados aos partidos sejam remanejados

Felipe Frazão e Vera Rosa, O Estado de S.Paulo

O presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), propôs no domingo, 6, em reunião no Palácio do Planalto o remanejamento de recursos já existentes no Orçamento do governo federal para bancar o Fundo Especial de Financiamento da Democracia (FDD). O fundo, em discussão na reforma política, vai custear as eleições com verbas públicas. Pressionados pela proximidade do calendário eleitoral, os parlamentares querem aprovar mudanças na legislação ainda neste mês para ter validade já em 2018.

As propostas tramitam na Câmara, e o relator de duas comissões, deputado Vicente Cândido (PT-SP), estima que o fundo eleitoral custe ao Tesouro R$ 3,5 bilhões em 2018. Na quarta-feira, os deputados retomam a discussão e votação do relatório de Cândido na comissão especial.

A ideia do peemedebista é criar uma espécie de “cesta eleitoral” a partir, principalmente, de verbas destinadas a partidos políticos. Com isso, a distribuição de dinheiro do Fundo Partidário – orçado em R$ 819 milhões neste ano – seria alterada. As fundações e institutos partidários passariam a receber 10% do valor global em vez dos atuais 20%. Os outros 10% seriam endereçados ao fundo eleitoral.

Leia maisEunício propõe que fundo eleitoral tenha recursos do Orçamento

Lava Jato: HD da propina da Odebrecht está incompleto

1

A Odebrecht entregou à Procuradoria Geral da República (PGR) uma versão do sistema computacional de propina da empreiteira – também conhecido como Drousys – com dados incompletos, segundo os responsáveis pela análise do material. A falta de informações, úteis a novas apurações, foi comunicada à empresa, que se comprometeu a buscar dados complementares em outras fontes.

Os dados foram entregues à força-tarefa da Lava Jato em Curitiba em março em quatro HDs que totalizam 3,5 terabytes. Em seguida, foram encaminhados à Secretaria de Análise e Pesquisa da PGR, responsável por prepará-los para uso em investigações.

O Drousys era uma plataforma colaborativa por meio da qual funcionários da Odebrecht registravam, em ferramentas de edição de texto, trocas de e-mails e chats relacionados a pagamentos secretos feitos a políticos. Os dados estavam originalmente guardados em um servidor da Suíça e teriam sido transferidos para outro servidor na Suécia, onde foi realizada a cópia entregue aos procuradores. “A gente acredita que o conteúdo não é integral, algumas informações não estão batendo. Ainda não é possível saber o que está faltando”, disse um dos envolvidos na análise de dados. As informações são da Agência Estado.

Leia maisLava Jato: HD da propina da Odebrecht está incompleto

Amazonino Mendes e Eduardo Braga disputam segundo turno no Amazonas

O Amazonas começou a escolher neste domingo os novos governador e vice, que vão substituir José Melo (Pros) e José Henrique de Oliveira, cassados por compra de votos na disputa de 2014. A eleição foi determinada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em maio, quando condenou a chapa. Às 20h20, com 97,65% das urnas apuradas, estava definido que a disputa seguiria para segundo turno.

Amazonino Mendes (PDT), que tem como vice o deputado estadual Bosco Saraiva (PSDB), liderava com 38,9% dos votos. Eduardo Braga (PMDB) e o vice Marcelo Ramos estavam em segundo lugar, com 24,7% dos votos. Foram contabilizados 24,2% de abstenções, 12,5% de votos nulos e 3,5% de votos brancos. O segundo turno sera realizado no dia 27 de agosto.

Rebeca Gargia (PP) aparece com 18,2%, seguida por Jose Ricardo (PT), com 12,4%; Luiz Castro (Rede), com 2,7%; Wilker Barreto (PHS), com 1,5%; Marcelo Serafim (PSB), com 1,3%; e Jardel (PPL), com 0,2%. Liliane Araújo, que teve a candidatura indeferida, recebeu mais de 63 mil votos, considerados nulos. As informações são de O Globo.

Leia maisAmazonino Mendes e Eduardo Braga disputam segundo turno no Amazonas

%d blogueiros gostam disto: