Novos áudios da JBS mostram indícios de propina a ministro e caixa 2 de Aécio

Resultado de imagem para ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Marcos Pereira.

Novos áudios entregues por delatores da JBS ao Ministério Público Federal mostram indícios de que os empresários pagaram propina de R$ 6 milhões ao ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Marcos Pereira. Outra gravação traz ainda conversas sobre suposto pagamento de R$ 12,3 milhões ao marqueteiro do senador Aécio Neves (PSDB-MG), Paulo Vasconcelos, de forma ilegal. Os áudios foram obtidos pela revista “Veja”.

Um dos áudios revela Joesley negociando diretamente o repasse do dinheiro com o ministro do governo de Michel Temer. Na conversa, Pereira diz que está muito feliz no governo quando o empresário começa a falar dos pagamentos.

— Eu não lembro mais a conta — diz Joesley.

— Meia cinco zero — responde o ministro.

Na sequência, Joesley começa a fazer contas em voz alta e pede para o interlocutor somar o pagamento daquele dia:

— Então, anota aí… Mais seiscentos e vinte.

— Seis, é isso aí… É isso aí — concorda o ministro. As informações são de O Globo.

Leia maisNovos áudios da JBS mostram indícios de propina a ministro e caixa 2 de Aécio

As novas regras para as eleições de 2018 aprovadas na reforma política

Após longas discussões, sessões que entraram pela madrugada, idas e vindas em textos emendados e remendados, a reforma política acabou aprovada pelo Congresso. O presidente Michel Temer sancionou na sexta-feira à noite os projetos que tratam do tema. Após a repercussão negativa da emenda incluída de última hora no texto da reforma política aprovada pela Câmara, que abria margem para a censura de comentários na internet, o presidente optou por vetar esse artigo do texto do projeto.

Também foram vetados trechos que tratavam da divisão dos recursos e retirada a previsão de que valores do Fundo Partidário pudessem financiar apenas candidatos majoritários. Os percentuais que valem a partir de 2018 estão no projeto do deputado Vicente Cândido (PT-SP), que regulamenta a distribuição do Fundo e cria as regras eleitorais.

Na reta final da tramitação dos projetos no Legislativo, a reforma política se dividiu em três partes: o projeto que cria o Fundo Eleitoral com recursos públicos; o projeto que fixa como o dinheiro do Fundo será dividido e cria regras eleitorais para a eleição de 2018 e ainda uma Proposta de Emenda Constitucional que decreta o fim das coligações partidárias a partir de 2020 e cria a cláusula de desempenho para os partidos a partir de 2018. As informações são de CRISTIANE JUNGBLUT, PATRÍCIA CAGNI E MARIA LIMA, O Globo.

Leia maisAs novas regras para as eleições de 2018 aprovadas na reforma política

Trégua entre Senado e STF está com dias contados

Uma arma do Senado para barrar a pressão do STF seria o prosseguimento de petições que pedem o impeachment de ministros da Suprema Corte em tramitação na Casa

A trégua firmada entre o Senado e o Supremo Tribunal Federal (STF), costurada pelo presidente da Casa Legislativa, Eunício Oliveira (PMDB-CE), tem data de validade. Se na próxima quarta-feira o plenário da Corte entender que os ministros do Supremo podem impor medidas cautelares diversas de prisão a parlamentares, os senadores retomarão a guerra com o Judiciário.

Para os senadores, a única decisão aceitável pelo Poder Legislativo é a confirmação do que eles alegam estar previsto na Constituição: os ministros do Supremo não podem afastar parlamentar do mandato, salvo em caso de prisão em flagrante.

— Isso (o afastamento) não tem previsão constitucional. Basta ler a peça que enviamos ao Supremo e os votos de acórdãos dos ministros Celso de Melo e Marco Aurélio Mello — diz o presidente Eunício Oliveira. As informações são de MARIA LIMA, O Globo.

Leia maisTrégua entre Senado e STF está com dias contados

Fazenda recomenda que Temer vete seis artigos do novo Refis

Resultado de imagem para temer Refis

O Ministério da Fazenda recomendou ao Palácio do Planalto que o presidente Michel Temer vete, pelo menos, seis trechos do projeto que cria o novo Refis, programa de renegociação de dívidas com a Receita Federal e com a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN). O texto foi aprovado pelo Congresso esta semana com uma série de modificações feitas pelos parlamentares. Segundo os técnicos da área econômica, os vetos são para garantir que não haja prejuízo aos cofres públicos no futuro.

Segundo integrantes da Fazenda, foi recomendado o veto, por exemplo, à possibilidade de adesão ao Refis de empresas submetidas ao regime especial de tributação (RET), voltado para o setor da construção civil. Eles explicam que são comuns casos de empresas que deixam de recolher, por exemplo, a contribuição previdenciária de trabalhadores das obras e que depois tentam repassar esses débitos para os compradores dos imóveis.

– Isso não deveria ser passível de parcelamento – disse o técnico.

A Fazenda também quer vetar um benefício dados pelos parlamentares a quem ficar inadimplente no Refis. A ideia original do governo era que quem deixar de pagar as prestações por três meses seguidos, seja excluído do programa. No entanto, o Congresso aprovou a possibilidade de que, quem for excluído por inadimplência, possa recorrer administrativamente. As informações são de MARTHA BECK, O Globo.

Leia maisFazenda recomenda que Temer vete seis artigos do novo Refis

Caern está com a ‘gota serena’ e deixa oito bairros de Natal sem água

Resultado de imagem para falta de agua

Oito bairros de Natal ficarão sem abastecimento, segundo informação divulgada pela Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (Caern) realizará uma parada emergencial da Estação Elevatória de Água (EEA) Lagoa Nova II, na manhã deste sábado (7). Depois de anunciar a suspensão do abastecimento de 13 cidades, a Caern está com a gota serena.

Os bairros afetados serão: Lagoa Nova, Bom Pastor, Nova Descoberta, Nazaré, Dix-Sept Rosado, Quintas, Bairro Nordeste e parte do Alecrim.

Segundo a Caern, serão feitos serviços para retirada de um vazamento no tanque de reunião e troca de tubulação do barrilete dos conjuntos motobomba. A previsão de tempo para a parada é de 20 horas, quando será retomado o abastecimento, sendo normalizado em até 48 horas, de acordo com a pressão da água.

Temer sanciona criação de fundo eleitoral e veta censura

Presidente Michel Temer durante cerimônia alusiva ao Dia Nacional da Micro e Pequena Empresa, em Brasília, nesta quarta

O presidente Michel Temer sancionou com vetos nesta sexta-feira (6) a proposta de reforma políticaque, entre outras coisas, cria mais um fundo público para financiar campanhas políticas.

Apesar de o governo projetar um rombo nas contas públicas de R$ 159 bilhões em 2017 e em 2018, serão transferidos dos cofres públicos cerca de R$ 2 bilhões para candidatos a presidente, governador, deputado e senador no ano que vem.

Hoje os partidos políticos já têm à disposição recursos do fundo partidário, que deve distribuir cerca de R$ 1 bilhão em 2018.

Temer também vetou duas medidas aprovadas pelo Congresso que tinham o objetivo de diminuir o custo das campanhas e dar um maior equilíbrio à disputa. As informações são da Folha de São Paulo. 

Leia maisTemer sanciona criação de fundo eleitoral e veta censura

Mulheres ocupam mais espaço na PF, mas dizem que machismo persiste

Rio de Janeiro, Rj, BRASIL. 27/09/2017; Retrato da agente Janaina, que tem quase 20 ano de PF. ( Foto: Ricardo Borges/Folhapress)

A agente da Polícia Federal Janaína Magalhães, que atualmente está na Interpol

O filme “Polícia Federal — A Lei é Para Todos” bateu 1 milhão de espectadores e recebeu críticas quanto à forma como o trabalho da equipe da Lava Jato foi retratada.

Em pelo menos um aspecto, porém, condiz com a realidade: a delegada Bia, representada pela atriz Flávia Alessandra, é a única personagem mulher da trama. Na vida real da PF, elas também são minoria.

A corporação não divulga quantas mulheres estão entre os cerca de 11 mil servidores. Sindicatos estimam que seria algo entre 15% e 25%. A Folha ouviu seis policiais federais, entre agentes e delegadas. Parte pediu anonimato.

Elas afirmaram que o machismo é presente na PF, mesmo que em menor medida em relação aos anos 1990. As informações são de LUCAS VETTORAZZO, Folha de São Paulo.

Leia maisMulheres ocupam mais espaço na PF, mas dizem que machismo persiste

%d blogueiros gostam disto: