fbpx

Prefeito do Assú desaparece mais uma vez e réu toma conta de evento

Nuilson Pinto, o Pavão, que responde a processo de improbidade, agora comanda Assú no lugar do prefeito

O prefeito do Assú Gustavo Soares, que passa de 15 a 20 dias fora e numa demonstração que não quer nada com a cidade, não compareceu a mais um encontro de articulação com os expositores da Feira da Lua que aconteceu no Cine Teatro Pedro Amorim, e também registrou a presença de membros da direção da cooperativa recém-constituída.

Na reunião de da preparação para a 8ª Feira da Lua, o Consultor de Projetos, Nuilson Pinto, réu que responde a diversos processos pela prática de crimes e outras falcatruas contra a administração pública na Prefeitura do Assú, quando integrava e comandava a ‘patota’ do ex-prefeito Ronaldo Soares, pai do atual gestor e do deputado estadual do PR, George Soares.

Posto que não reduzir em R$ 0,46 o diesel pode ter multa de R$ 9,4 mi

Foto: Tony Winston/Agência Brasil

O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, disse na noite desta quinta-feira, 31, que o governo atuará para punir com multa de R$ 9,4 milhões postos de combustíveis que não repassarem, a partir de sábado, 2, o desconto de R$ 0,46 centavos por litro de óleo diesel nas bombas.

A redução foi uma das exigências do setor de cargas para encerrar a paralisação, que chegou a dez dias. Também estão previstas suspensão temporária dos estabelecimentos e cassação da licença. Para garantir o cumprimento dos preços, o governo aposta num entendimento com federações de distribuidores e postos.

Uma portaria com as normas da fiscalização dos postos será publicada pelo Ministério da Justiça. Nas conversas com representantes de distribuidoras, o governo foi informado que os postos costumam renovar seus estoques em até 72 horas. Logo, estabelecimentos que ainda têm combustível comprado com valores antigos, com impostos que foram cortados nas negociações, até a tarde desta sexta-feira estarão com óleo de preço reduzido.

Ao anunciar o fim dos bloqueios nas estradas, Padilha não fez malabarismo para admitir que a conta do prejuízo pelo cumprimento das exigências do movimento será paga pelo contribuinte. “Quem paga a conta é sempre o cidadão”, disse. “Todo mundo está bravo porque vai pagar.” Leonêncio Nossa, O Estado de S.Paulo

“Saúde do Assú virou cabaré geral”, diz popular revoltado com descaso do prefeito Gustavo Soares

Apesar de gastar quase R$ 800 mil com a contratação de uma empresa para realizar serviços de vigilância nos prédios públicos, o médico e prefeito do Assú Gustavo Soares, do PR, é o pior exemplo de gestor da Saúde do RN.

A população esta revoltada com o descaso do prefeito e irmão do deputado estadual do PR George Soares.

Justiça retira das ruas em Macau, PM acusado de comandar esquema de fraude no DPVAT

A promotora Tiffany Mourão entrou com um pedido de medida cautelar contra Leandro de Souza

Um policial militar foi denunciado pelo Ministério Público por comandar um esquema fraudulento envolvendo o seguro DPVAT na cidade de Macau, na região salineira potiguar.

O PM, que também é blogueiro, se chama Leandro de Souza e possuía dois escritórios especializados no esquema – um em Macau e outro em Ceará-Mirim.

E segundo a 1ª Promotoria de Justiça de Comarca de Macau, ele e mais três pessoas – uma delas sua esposa – cometeram os crimes de estelionato, associação criminosa e falsificação de documentos para conseguir o viabilizar o benefício para supostas vítimas de acidentes.

Ainda segundo a promotora Tiffany Mourão, Leandro se valia da função de PM e fraudava boletins de ocorrências. Com ajuda de seus comparsas, ele conseguia uma lista de pessoas atendidas no hospital de Macau e, em seguida, um dos estelionatários abordava as pessoas já em casa, com a promessa de indenizar através do seguro DPVAT as futuras vítimas, de forma rápida e segura.

Leia maisJustiça retira das ruas em Macau, PM acusado de comandar esquema de fraude no DPVAT

Dez parlamentares evitam pena com recursos no STF

Dez parlamentares condenados pela Justiça continuam a exercer seus mandatos e não tiveram as penas executadas, pois ainda dispõem de recursos contra a decisão no Supremo Tribunal Federal (STF). Esses processos fazem parte do conjunto de 52 ações penais que permaneceram na Corte mesmo após a restrição ao foro privilegiado, segundo levantamento do Estadão/Broadcast.

É o caso do senador Valdir Raupp (MDB-RO), condenado em 2002 a 6 anos de reclusão. A ação penal chegou ao STF em outubro de 2003, sob relatoria do ministro Celso de Mello, e ainda não tem decisão. Raupp também é réu na Corte por investigações da Operação Lava Jato.

Na terça-feira, 29, o deputado federal Nelson Meurer (PP-PR) se tornou o primeiro parlamentar réu da Lava Jato a receber condenação da Corte. Além de Meurer, outros seis deputados federais e três senadores foram sentenciados por delitos como peculato, falsidade ideológica eleitoral, crime contra o sistema financeiro e fraude em licitação.

Condenado em maio de 2017 por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, o deputado Paulo Feijó (PR-RJ) representa um caso emblemático sobre a pendência de decisões tanto no Supremo quanto no Congresso. Amanda Pupo, O Estado de S.Paulo

Leia maisDez parlamentares evitam pena com recursos no STF

PT paga preço alto ao manter Lula como candidato fantasma

Lula tem prisão decretada - Veja repercussão

O PT paga um preço alto ao carregar um candidato fantasma na etapa pré-eleitoral. Ao insistir na improvável participação de Lula na disputa, o partido afasta potenciais aliados, confunde eleitores e reduz seu peso na cena política cotidiana.

A percepção consolidada de que o ex-presidente terá seu registro negado torna absurdas as condições de negociação entre o PT e outras siglas.

Em uma reunião há três semanas, um dirigente do PSB tentou arrancar dos petistas o nome do substituto de Lula —já que a definição terá impacto sobre eleições locais. Um líder do PT respondeu o de sempre: o ex-presidente será candidato.

Ao ouvir o discurso, o socialista se irritou. Disse que era impossível fazer campanha para um político que não chegará às urnas, e que não daria um cheque em branco aos petistas em troca de apoio em seu estado. Bruno Boghossian – Folha de São Paulo

Leia maisPT paga preço alto ao manter Lula como candidato fantasma

Coordenador de Alckmin prevê novo 2º turno entre PSDB e PT

D’Avila, coordenador do programa de governo de Alckmin, em entrevista em São Paulo 

Coordenador do programa de governo da campanha de Geraldo Alckmin (PSDB) na eleição presidencial, o cientista político Luiz Felipe D’Avila diz esperar um segundo turno contra um candidato ungido por Lula. “O grande adversário do PSDB continua sendo o PT”, afirma.

Os dois partidos estão desgastados com a Lava Jato, mas D’Avila vê diferença. “Um criou o maior sistema de roubo para a perpetuação no poder. Caixa dois é outra história. Sempre teve e a gente como sociedade tem que reconhecer a nossa hipocrisia.”

Alckmin é acusado de ter recebido caixa dois da Odebrecht e a CCR —ambas citam seu cunhado Adhemar Ribeiro como o operador. Eles negam.

D’Avila questiona o “açodamento e pressa” da Lava Jato e a credibilidade de delatores: “Então a planilha de um escroque é mais importante que a história de uma pessoa?”. Folha de São Paulo

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: