Haddad diz a parlamentares petistas que chegou a hora de tirar partido do SPC

Fernando Haddad (PT) durante sabatina na redação de O GLOBO, dias antes do segundo turno da eleição Foto: Custódio Coimbra / Agência O Globo

Às bancadas do PT no Congresso, Fernando Haddad diagnosticou:

— Nós temos que tirar o PT do SPC (Serviço de Proteção ao Crédito), e não vai ser com o (projeto) do Ciro (Gomes).

Os deputados e senadores presentes na reunião em Brasília, na última quarta-feira, riram da referência à promessa mais famosa de seu adversário, a de livrar 63,4 milhões de brasileiros do cadastro de inadimplentes.

“Limpar o nome” do partido passa, numa síntese do que foi discutido no encontro pelo candidato derrotado à Presidência e parlamentares, por renovação de seus quadros, reaproximação de setores estratégicos, como evangélicos, e refundar a forma de se comunicar com a sociedade.

O diagnóstico será debatido na primeira reunião do diretório nacional do partido depois das eleições, na próxima sexta-feira e no sábado, em Brasília, e traz como pano de fundo uma mudança na cara do PT, que vem sendo defendida internamente. Amanda Almeida – O Globo

Leia maisHaddad diz a parlamentares petistas que chegou a hora de tirar partido do SPC

MPF pede multa de quase R$ 15 milhões por reprise de ‘Belíssima’ na Globo

O MPF quer uma “indenização por danos morais coletivos”!: MPF pede multa de quase R$ 15 milhões por reprise de 'Belíssima' na Globo

O Ministério Público Federal ajuizou definitivamente o processo movido pela Procuradoria da República em Minas Gerais que pede que a Globo seja multada pela reprise de ‘Belíssima’.

Segundo informações do site ‘Natelinha’, o procurador Fernando de Almeida Martins protocolou a petição que cita que a emissora deverá pagar de R$ 14,8 milhões pela exibição da trama de Silvio de Abreu. A decisão contra a reprise se dá pelo órgão acreditar que o horário é inadequado para a emissora colocar a novela ao ar, onde é pedido a proibição imediata da exibição.

O procurador acredita que ‘Belíssima’ está no ar com a classificação de “não recomendada para menores de 12 anos”, mas que seria imprópria para estar na TV antes das 20h. Agora, se a Globo não tirar a trama do ar, deverá pagar multa de R$ 30 mil por descumprimento da sentença.

Ainda segundo a publicação, por outro lado, no fim de 2016 o STF (Supremo Tribunal Federal) tinha suspendido a vinculação à Classificação Indicativa. Ou seja, as TVs podem exibir qualquer programa de classificações diversas em qualquer horário, se atentando apenas ao bom senso.

Final da Libertadores é de novo adiada

Buenos Aires tinha tudo para ser o 'centro do mundo' neste sábado

O presidente da Conmebol, Alejandro Domínguez, anunciou neste domingo na Fox Sportsque a final da Libertadores entre River Plate e Boca Juniors foi adiada e por enquanto sem data prevista para acontecer.

O dirigente paraguaio afirmou que os clubes não estão em “igualdade de condições” após os ataques sofridos pelo ônibus do Boca na chegada ao Monumental de Núñez para a decisão no sábado passado.

Com dois jogadores parando no hospital – entre eles o capitão Pablo Pérez – e outros lesionados, o time xeneize já havia pedido a suspensão do jogo além de punições ao River.

Leia maisFinal da Libertadores é de novo adiada

Ministério deve ser fechado nos próximos dias

Bolsonaro ainda projetou anunciar todo o ministério do futuro governo nos próximos dias. Nomes para pastas importantes, como as da área de infraestrutura, ainda não foram anunciados.

— Os nomes que aparecem têm que estudar. Espero até o final do mês estar resolvida essa questão dos ministérios — disse.

Bolsonaro também mandou neste domingo um recado para o Congresso ao abordar votações importantes de sua futura gestão.

— As votações importantes não são para o presidente, nem para o Parlamento. São para o Brasil. Vai da consciência de cada um. O que nós decidimos desde que comecei minha campanha, há quatro anos, é que faria uma política diferente. Se vai dar certo, espero que sim. Mas fazer a mesma política vai dar errado — disse.

O presidente comentou o adiamento da cirurgia que retirará a bolsa de colostomia usada por ele desde que sofreu um atentado a faca durante um ato de campanha em Juiz de Fora, em setembro. O procedimento só deve ocorrer no dia 20 de janeiro. O Globo

Bolsonaro veta avaliação para médicos brasileiros proposta por futuro ministro da Saúde

Bolsonaro participa de encontro com atingos e atuais comandantes, professores e alunos da Escola de Educação Física do Exército, na Urca, Zona Sul do Rio Foto: Divulgação

O presidente eleito Jair Bolsonaro rejeitou a proposta de criar uma espécie de Revalida para médicos formados no Brasil. A ideia foi dada por seu futuroministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS),em entrevista ao GLOBO neste domingo . 

Segundo o presidente, a ideia do futuro ministro pode ter consequências parecidas com as do exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), obrigatório para que bacharéis em Direito possam atuar como advogados. A prova tem índices altos de reprovação.

— Sou contra Revalida para médicos brasileiros, está ok? Ele (Mandetta) está sugerindo um Revalida até com uma certa periodicidade.  Sou contra porque vai desaguar na mesma situação que acontece com a OAB. Nós não podemos formar jovens no Brasil, cinco anos no caso da advocacia, e depois submetê-los a serem boys de luxo nos escritórios de advocacia — disse o presidente eleito.

Em entrevista ao GLOBO, Mandetta defendeu a avaliação de médicos brasileiros e disse que o governo deveria encaminhar uma proposta ao Congresso sobre o tema.

— Precisa haver no Congresso esse debate. A gente tem que ir para a certificação das faculdades e ter um nível mínimo de formação dos nossos profissionais. Inclusive, se o médico brasileiro é formado nos EUA, na Bolívia, na Argentina ou na Coreia do Sul, ele faz a mesma prova. Eu não tenho por que cobrar conhecimento diferente do médico brasileiro e do de fora — declarou o futuro ministro.

Juízes pressionam o STF a manter auxílio-moradia mesmo com aumento salarial

Fux opina em processo e vê Lula inelegível
Em petição enviada ao ministro Luiz Fux, magistrados alegam que correm o risco de ter prejuízo, mesmo com o aumento salarial, em razão da extinção do auxílio-moradia. Benefício custa R$ 139 milhões por mês aos cofres públicos

A Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) que mantenha o auxílio-moradia para os juízes mesmo com o reajuste salarial de 16,4% aprovado pelo Congresso para os ministros da corte, com efeito cascata para a categoria em todo o país.

Em petição enviada na última sexta-feira (23), a entidade solicita ao ministro Luiz Fux que não revogue as liminares que concedeu em favor do pagamento do benefício a magistrados e procuradores de todo o Brasil. Para a AMB, os estados e a União têm condições de arcar com as despesas, a despeito da crise financeira que enfrentam.

A extinção do auxílio-moradia, hoje no valor de R$ 4,3 mil por mês, faz parte do acordo fechado em agosto pelo presidente do STF, Dias Toffoli, com o presidente Michel Temer em troca do aumento salarial para a cúpula do Judiciário. Pela proposta aprovada pelos parlamentares e que aguarda a sanção de Temer para virar lei, o salário de um ministro do Supremo, teto do funcionalismo público, passará de R$ 33,7 mil para R$ 39,3 mil.

“Nada obsta que a União e os estados tenham condições de arcar com o pagamento do auxílio-moradia e da revisão geral (reajuste) mediante remanejamento de verbas”, defende a associação. Edson Sardinha – Congressso Em Foco

Leia maisJuízes pressionam o STF a manter auxílio-moradia mesmo com aumento salarial

Palocci acusa Lula de interferir em fundos de pensão

Em delação premiada à Polícia Federal, o ex-ministro Antônio Palocci relata suposta atuação criminosa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para viabilizar o projeto de nacionalizar a indústria naval e arrecadar recursos para “quatro ou cinco” campanhas do PT – em especial, a primeira eleição de Dilma Rousseff, em 2010 –, à reboque da descoberta do pré-sal.

Segundo Palocci, Lula e Dilma teriam determinado indevidamente a cinco ex-dirigentes dos fundos de pensão do Banco do Brasil (Previ), da Caixa Econômica Federal (Funcef) e da Petrobrás (Petros), indicados aos cargos pelo PT, que capitalizassem o “projeto sondas”.

A operação financeira, que resultou na criação da Sete Brasil, em 2010, buscava viabilizar a construção no Brasil dos navios-sonda – embarcações que perfuram os poços de petróleo – para a Petrobrás explorar o pré-sal. A estatal anunciara em 2008 que precisaria de 40 equipamentos – no mundo, existiam menos de 100. “Dentro desse investimento, tinha todo ilícito possível”, afirmou o ex-ministro, em depoimento à PF.

As “ordens” de Lula – que, assim como Palocci, está preso e condenado pela Operação Lava Jato – eram cumpridas, diz o ex-ministro. Os presidentes dos fundos, segundo ele, “eram cobrados a investir sem analisar.”

A Polícia Federal levantou dados que corroborariam a delação ao indicar que prazos, estudos técnicos detalhados e apontamentos de riscos e prejuízos foram ignorados. O delator afirma que “todos” sabiam que estavam “descumprindo os critérios internos” dos fundos “e também gerando propinas ao partido”. Ricardo Brandt – O Estado de São Paulo

Leia maisPalocci acusa Lula de interferir em fundos de pensão

Técnicos do TSE opinam por aprovação com ressalvas das contas de Bolsonaro

O presidente eleito Jair Bolsonaro

A área técnica do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) recomendou a aprovação, com ressalvas, das contas de campanha da chapa do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL). Para os técnicos, os indícios de irregularidade não comprometem a regularidade das contas.

O parecer foi enviado neste sábado (24) ao ministro Luís Roberto Barroso, relator do processo de prestação de contas no tribunal. Agora, Barroso deve elaborar um relatório e levá-lo para julgamento no plenário do TSE, composto por sete ministros. Logo após receber o documento, o ministro abriu prazo para a chapa eleita e a Procuradoria se manifestar.

Mesmo uma eventual rejeição das contas de Bolsonaro não o impediria de ser diplomado e de tomar posse. A diplomação do presidente eleito está marcada para o dia 10 de dezembro.

“Os indícios de irregularidade somam o valor de R$ 154.129, o que representa 3,51% da arrecadação total do candidato de R$ 4.390.140,36, carecendo esse montante de materialidade sobre as contas, não sendo possível afirmar que o valor recebido tenha influenciado no curso da campanha”, diz o parecer.

Leia maisTécnicos do TSE opinam por aprovação com ressalvas das contas de Bolsonaro

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: