George quer entregar Prefeitura do Assu como ‘presente’ a Nuilson, o Pavão

Resultado de imagem para ronaldo soares e nuilson
Ronaldo quer que seu filho entregue a Prefeitura do Assu como presente de amizade a Nuilson Pinto

Com a ameaça de cassação do mandato pela Justiça Eleitoral por recebimento de doação ilegal de campanha de empresa, proibida pelo STF, pairando sobre a cabeça do prefeito Gustavo Soares, irmão do líder da governadora Fátima Bezerra, do PT e deputado do PR, George Soares, – o super secretário Nuilson Pinto, o Pavão, preferido da patota do seu pai e ex-prefeito Ronaldo Soares, é apontado como candidato a prefeito em 2020, para receber o comando da Prefeitura do Assú como presente da oligarquia Soares.

A tática de distribuir poder como presente familiar aos amigos da patota do seu pai e ex-prefeito Ronaldo Soares, não foi bem sucedida com a imposição da candidatura do vereador Wedson Nazareno, do PR, no processo de eleição da Mesa Diretora para o biênio 2019/2020, quando o vereador Francisco de Souto, o Te, foi buscar ajudar na oposição para derrotar o prefeito Gustavo Soares e o seu irmão, deputado George Soares.

Para as eleições de prefeito do Assu em 2020, o super secretário Nuilson Pinto, o Pavão, corre o mesmo perigo de perder a condição de secretário todo poderoso se Gustavo Soares, for cassado e o presidente da Câmara de Vereadores do Assu, o Tê, assumir o poder da caneta na Prefeitura. Comenta-se que Nuilson perde até o lugar de secretário e não terá apoio do Solidariedade que quer a cabeça de chapa ou a vaga de vice.

Davi Alcolumbre é o novo presidente do Senado com 42 votos

Alcolumbre e Renan polarizaram a disputa

O senador Davi Alcolumbre (DEM-AP) é o novo presidente do Senado. Ele se elegeu em primeiro turno, neste sábado (2), após receber 42 votos. Um a mais do que os 41 exigidos para que não houvesse segundo turno.

Essa foi a eleição mais acirrada da história da Casa desde a redemocratização. A disputa foi marcada por um cerco de senadores de vários partidos contra Renan Calheiros (MDB-AL), que renunciou à sua candidatura no fim da tarde, alegando discordâncias com o processo eleitoral.

Depois de quatro anos de atuação tímida no Senado, Davi se agigantou diante de Renan, que chegou a chamá-lo, de maneira irônica, de “Golias”, em referência aos dois personagens bíblicos, e deve comandar a Casa pelos próximos dois anos, tempo de seu mandato. Foi necessária a realização de duas votações secretas, em cédulas de papel, para que o novo presidente fosse conhecido.

O senador Esperidião Amin (PP-SC) foi o segundo colocado com 13 votos. Ângelo Coronel (PSD-BA) recebeu oito; Reguffe (sem partido-DF), seis; Renan, cinco, e Fernando Collor (Pros-AL), três. Dos 81 senadores, quatro não votaram na segunda rodada: além de Renan, Jader Barbalho (MDB-PA), Eduardo Braga (MDB-AM) e Maria do Carmo Alves (DEM-SE) – todos apoiadores do senador alagoano.

A candidatura de Alcolumbre foi arquitetada pelos ex-senadores Ronaldo Caiado (DEM-GO), atual governador de Goiás, e José Agripino (DEM-RN), e incentivada posteriormente pelo ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni. O nome dele ganhou mais força nesta tarde, com a renúncia de outros três candidatos em seu favor – Simone Tebet (MDB-MS), Alvaro Dias (Podemos-PR) e Major Olimpio (PSL-SP).

Em manifestação no plenário, Renan anunciou a retirada do seu nome da disputa, criticando a condução do processo, em especial a iniciativa de alguns senadores – incluindo o filho do presidente, Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) – de abrir o voto dado na cédula.


Renan joga a tolha e renuncia candidatura ao Senado

O senador Renan Calheiros Foto: Daniel Marenco / Agência O Globo

O senador Renan Calheiros (MDB-AL) jogou a toalha e renunciou a sua candidatura para não ser derrotado vergonhosamente. Ele criticou o processo de votação secreta para a escolha do presidente do Senado e anunciou a retirada de sua candidatura após o presidente do STF a pedido do MDB conseguiu liminar derrubando a votação aberta que foi autorizada por maioria do Senado, total de 52 senadores

A primeira votação deste sábado foi anulada porque tinha 82 votos, quando há apenas 81 senadores. Durante a segunda votação, Renan atacou seu principal adversário, Davi Alcolumbre (DEM-AP).

Segundo ele, o processo em curso no Senado é antidemocrático. Ele também mencionou o voto do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), que, na segunda votação, anunciou apoio a Alcolumbre.

— Flávio Boslonaro, diferentemente da votação anterior, abriu o voto. Abriu o voto. Abriu o voto. Abriu o voto. Este processo não é democrático — disse Renan, sendo vaiado.

Governo de Fátima Bezerra começa caça de cobrança a devedores fiscais

A Secretaria Estadual de Tributação (SET) anunciou nesta sexta-feira, 1º, que vai iniciar uma operação de cobrança dos maiores devedores do estado. A ação deverá notificar inicialmente cerca de 1.000 contribuintes em todo o Rio Grande do Norte. Juntos os débitos fiscais em aberto chegam a R$ 130 milhões.

A operação vai contar com o trabalho de 74 Auditores Fiscais e integra as estratégias de recuperação da capacidade financeira do Rio Grande do Norte.

Nesse ciclo de cobrança, os contribuintes serão visitados e intimados por Auditores Fiscais para a regularização dos débitos. Após a notificação, eles terão um prazo de 15 dias corridos para pagar as dívidas e apresentarem os comprovantes de quitação.

Caso isso não ocorra no prazo estipulado, o contribuinte será autuado, sujeitando-se à aplicação de penalidades estipuladas pela Lei 6968/1997, a chamada Lei do ICMS.

Leia maisGoverno de Fátima Bezerra começa caça de cobrança a devedores fiscais

Oposição e Ivan apoiam Tê como prefeito do Assu com cassação de Gustavo Soares

A imagem pode conter: 7 pessoas, incluindo Marcus Silva, Valdson Bezerra e Delkiza Cavalcante, pessoas sorrindo, pessoas sentadas, mesa e área interna
Ivan Júnior reúne vereadores para apoiar projeto de poder de Tê para ficar no lugar de Gustavo Soares

O presidente da Câmara de Vereadores Francisco de Assis Souto, o Te, do Solidariedade, está apostando na cassação dos mandatos do prefeito Gustavo Soares (PR) e da vice-prefeita Sandra Alves (MDB), para permanecer dois anos, como chefe do executivo assuense e disputar inclusive a reeleição para prefeito do Assú nas eleições municipais de 2020.

O ex-prefeito Ivan Júnior, líder do grupo da oposição e com o apoio dos cinco vereadores que integram a Mesa Diretora e se uniram para eleger o vereador do Solidariedade, defende a permanência de Tê no comando da Prefeitura do Assu, com a cassação do prefeito Gustavo Soares e da sua vice. A orientação inclusive da oposição é de apoio total a Tê, até com apoio dele, dos outros liderados políticos e de um grupo de empresários.

Santa Cruz e Passa e Fica escolhem novos prefeitos e vices neste domingo

Sede do Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Norte - TRE/RN  — Foto: Igor Jácome/G1

O Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Norte (TRE-RN) realiza neste domingo (3) as eleições suplementares para os cargos de prefeito e vice-prefeito dos municípios de Santa Cruz e Passa e Fica para substituir os prefeito e vice cassados por decisões da Justiça Eleitoral.


Em Santa Cruz, os eleitores poderão escolher entre os seguintes candidatos: Ivanildo Ferreira Lima Filho (prefeito) e Glauther Adriano Azevedo Silva (vice-prefeito), da coligação “Seguindo em Frente”; e José Péricles Farias da Rocha (prefeito) e Paulo César (vice-prefeito), pela coligação “Porque o Povo Quer”.

Já em Passa e Fica, os candidatos que concorrem são: Celso Luiz Marinho Lisboa (prefeito) e Maria de Lourdes Silva do Nascimento (vice-prefeita), pela coligação “Passa e Fica Continua Crescendo”; e Cibelly Fonseca Jorge (prefeita) e Edson Pereira Padilha (vice-prefeito), pela coligação “Unidos para Mudar”.

Toffoli anula voto aberto e determina votação secreta na eleição do Senado

Sucessão no Congresso Nacional

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, decidiu anular decisão do plenário do Senado pelo voto aberto na eleição para a presidência da Casa e determinou que a votação seja secreta.

“Declaro a nulidade do processo de votação da questão de ordem submetida ao plenário pelo senador da República Davi Alcolumbre, a respeito da forma de votação para os cargos da Mesa Diretora. Comunique-se, com urgência, por meio expedito, o senador da República José Maranhão, que, conforme anunciado publicamente, presidirá os trabalhos na sessão marcada para amanhã (sábado)”, diz a decisão.

Segundo Toffoli, é preciso respeitar o artigo 60 do regimento do Senado, que determina votação secreta. 

Aliados do senador Renan Calheiros (MDB-AL) entraram à 0h deste sábado (2) com pedido no STF para reverter a votação desta sexta-feira (1º) em que, por 50 votos a 2, decidiu-se que a eleição para presidente do Senado se daria por voto aberto. O pedido é assinado pelo Solidariedade e pelo MDB. Leandro Colon
Folha de São Paulo

Leia maisToffoli anula voto aberto e determina votação secreta na eleição do Senado

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: