Lula: “Se bater Dallagnol e Moro no liquidificador, o suco não dá 10% da minha honestidade”

Resultado de imagem para lula

Em entrevista ao jornalista Bob Fernandes, ex-presidente destacou a interferência dos Estados Unidos no processo que o levou a prisão e desafiou a CIA, o FBI e até a Nasa a encontrar dinheiro ilícito ou ilegalidades ligadas a ele.

Em entrevista ao jornalista Bob Fernandes gravada nesta quarta-feira (14) e que está sendo veiculada pela TVE da Bahia nesta sexta-feira (16), o ex-presidente Lula voltou a defender sua inocência e criticar o ministro da Justiça, Sérgio Moro, além do coordenador da Lava Jato, procurador Deltan Dallagnol.

Como de costume, Lula ressaltou que Moro, enquanto juiz, mentiu na sentença que o levou à cadeia e reafirmou sua honestidade.

Perguntado por Bob Fernandes sobre o papel do departamento de Justiça dos Estados Unidos no processo que o condenou, visto que os norte-americanos teriam cooperado com a Lava Jato para encontrar supostas contas secretas de Lula no exterior – que não foram encontradas -, o ex-presidente disparou: “Desafio a CIA, o FBI a encontrar qualquer dinheiro meu. Desafio a Nasa, pode até procurar na lua”.

Leia maisLula: “Se bater Dallagnol e Moro no liquidificador, o suco não dá 10% da minha honestidade”

Suspensão de ação da Lava Jato serve só para um réu, diz Gilmar Mendes

Em nova decisão proferida hoje (16), o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), esclareceu que a suspensão da ação penal da Operação C´Est Fini, um dos desdobramentos da Lava Jato no Rio de Janeiro, é válida somente para o réu Lineu Castilho Martins.

No novo despacho, Mendes esclarece que, apesar de ter determinado a suspensão da ação penal, na qual figuram outros réus, como o ex-governador do Rio Sergio Cabral, a ordem deve produzir efeito somente para Lineu Castilho Martins, uma vez que foi ele quem acionou o Supremo.

Martins foi o autor da reclamação do Supremo contra o compartilhamento com o Ministério Público Federal (MPF) de um Relatório de Inteligência Financeira (RIF) produzido pelo Conselho de Controle de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) sobre ele.

Leia maisSuspensão de ação da Lava Jato serve só para um réu, diz Gilmar Mendes

VIGARISTA: Ronaldo Soares é executado pela justiça a pagar R$ 2.729.445,79

Adepto dos ensinamentos de Adolf Hitler, o ex-prefeito da cidade do Assu, Ronaldo Soares, aposentado forçadamente pela justiça por diversos malfeitos e corrupção, vêm vendo o cerco fechar contra ele enquanto trama as suas maldades no seu Castelo em Pataxó. Conhecido como Jacaré pelo estilo maldoso e agressivo em que trata as pessoas, foi abocanhado pelas garras da justiça pelos desvios de recursos públicos que iriam para educação, saúde e infraestrutura, mas que foram parar no bolso do Adolf Hitler assuense.

Ronaldo que enganou a população do Assú com a conversa de que iria se aposentar, nunca contou que na verdade foi aposentado pela justiça, já que é o maior ficha suja do Assú, e ainda Réu em dezenas de processos, que correm a galopes para condená-lo, antes preferiu colocar seus dois filhos na política para sua perpetuação no poder. Um é o bobo da corte e prefeito do Assú, Gustavo “bobão” Soares, e o outro, o chefão ditador, deputado George Soares.

No dia 25 de julho de 2019, o Jacaré mais sujo que pau de galinheiro, foi alvo de determinação da justiça que emitiu ordem de bloqueio na sua conta bancária para pagar ao MUNICIPIO DE ASSÚ, a quantia de R$ 2.729.445,79 (dois milhões, setecentos e vinte e nove mil, quatrocentos e quarenta e cinco reais e setenta e nove centavos).

Ronaldo Soares, que é dono de um discurso de boa conduta, moralidade e honestidade, está agora em apuros com a conta bancaria bloqueada.

Estados Unidos vão financiar projetos de ensino de inglês no Brasil

A embaixada e os consulados dos Estados Unidos (EUA) estão recebendo propostas de organizações educacionais sem fins lucrativos que ensinam a língua inglesa, para criar e implementar projetos do programa Access (acesso, em inglês) em Belém, no Recife, em Brasília, Manaus, Porto Alegre, no Rio de Janeiro, em Salvador, São Luís e São Paulo.

O programa Access oferece aulas de língua inglesa para participantes de áreas economicamente desfavorecidas, após o período escolar e com sessões intensivas. O programa pretende capacitar os estudantes para futuras seleções de intercâmbio e estudos nos EUA..

Nessa edição, o programa é voltado para adolescentes no Rio de Janeiro, em São Luís e São Paulo. Em Porto Alegre, Rio de Janeiro e São Paulo, o Access quer auxiliar professores em início de carreira. Em Belém, Brasília, Manaus, Recife e Salvador o programa prevê qualificação na língua estrangeira.

O prazo para entrega dos projetos é até a meia-noite do dia 1º de setembro de 2019. Todas as propostas devem ser enviadas para: RELOBrazil@state.gov.
*Agência Brasil

Festa do Bode será aberta oficialmente nesta sexta-feira com mais de mil animais

A 21ª edição da Festa do Bode será aberta oficialmente nesta sexta-feira (16) no Parque de Exposições Armando Buá, em Mossoró. O evento é a maior feira de caprinos da região e reúne diversas atrações em um só espaço. A Festa do Bode segue até o próximo sábado (17) e a expectativa é de que milhares de pessoas visitem o espaço.

A programação começou nesta quinta-feira (15) com a chegada dos animais durante todo o dia. A edição 2019 contará com exposições e leilão de animais, feira de artesanato, espaço gastronômico, seminários e cursos, apresentações artísticas e culturais, estação tecnológica, torneio leiteiro, oportunidades de negócios, entre outras atividades.

O evento é um dos mais esperados pelos criadores de caprinos e ovinos de Mossoró, já que é um momento importante para fechar negócios e de mostrar a cultura da criação desses animais, que são típicos da nossa região. Essa importância é ainda maior para os pequenos e médios criadores da região, que enxergam na festa a possibilidade de visibilidade.

Leia maisFesta do Bode será aberta oficialmente nesta sexta-feira com mais de mil animais

Todo o poder a Toffoli

 

​ “casamento de conveniência” entre Jair Bolsonaro e Dias Toffoli, presidente do Supremo Tribunal Federal.

As bodas ocorreram, de fato, no dia 16 de julho. Foi quando Toffoli deu a decisão que travou a única investigação com potencial de causar embaraços sérios para o clã Bolsonaro na Justiça. “Foi uma catarse”, diz uma fonte sobre a maneira como a primeira-família da República recebeu a decisão. Havia motivos para tanto. Em uma canetada solitária, durante o recesso do Judiciário, Toffoli atendeu a um pedido dos advogados de Flávio Bolsonaro e suspendeu o inquérito aberto a partir do relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras, o Coaf, que havia apontado transações financeiras suspeitas envolvendo o agora senador e alguns funcionários e ex-funcionários de seu gabinete na Alerj, a Assembleia Legislativa do Rio, na época em que ele era deputado estadual

De lá para cá, os gestos do Palácio do Planalto em retribuição ao ministro se acumulam. Bolsonaro passou a ouvir com mais atenção os pleitos oriundos do outro lado da Praça dos Três Poderes. Por exemplo: Toffoli e Gilmar, entendiam que o Coaf estava aparelhado pela Lava Jato — a qual, na visão de setores importantes dos tribunais, estaria interessada em avançar sobre o Judiciário. A queixa tinha endereço certo: Roberto Leonel, o presidente do conselho, escolhido no início do governo por Sergio Moro. Antes de desembarcar em Brasília juntamente com o próprio Moro, Leonel havia integrado a força-tarefa da Lava Jato no Paraná, como representante da Receita, órgão do qual é funcionário. Bolsonaro, ao que tudo indica, rendeu-se à pressão do Judiciário e ordenou a Paulo Guedes que tirasse Roberto Leonel do posto. A demissão ainda não foi consumada, mas está em vias de ocorrer

e, depois, a Receita Federal:

Em outra frente, a própria Receita Federal, outro alvo da fúria de Toffoli, Gilmar e companhia, passará por profundas transformações. A caça às bruxas já começou – e justamente pelos setores ligados às apurações internas que miraram as transações financeiras de ministros e seus familiares. Já é dado como certo, internamente, que haverá mudanças, por exemplo, em posições estratégicas da área de inteligência. No atacado, a Receita será reestruturada. Deverá virar uma autarquia. A exemplo do que está em marcha no Coaf, a ideia é limitar o campo de ação do órgão. Auditores perderão poder de investigação.

A apuração traz muito mais.

A reportagem mostra, por exemplo, que a Lava Jato e outras investigações devem ser as maiores prejudicadas pela aliança.

*CRUSOE

Bolsonaro não é burro, mas um idiota ingrato que nada sabe, diz Alexandre Frota

 

Resultado de imagem para ALEXANDRE FROTA

Expulso pelo partido, deputado diz que há vários integrantes do PSL insatisfeitos com presidente, mas que ninguém quer criticá-lo.

Expulso do PSL na terça-feira (13), o deputado Alexandre Frota disse à Folha que o presidente Jair Bolsonaro exigiu seu expurgo da sigla.

Em sua primeira entrevista após o episódio, Frota afirma que Bolsonaro é “um idiota ingrato que nada sabe” e que “aquela cadeira de presidente ficou grande para ele e ele se lambuzou com o mel da Presidência”.

Acusado de infidelidade partidária por criticar abertamente o presidente, ele diz que sua expulsão é “um aviso para aqueles que acham que estamos vivendo em uma democracia”.

Frota disse já ter recebido convites de sete partidos —DEM, PP, MDB, PSDB, Podemos, PSD e PRB. Após se aproximar do governador de São Paulo, João Doria, anunciará sua filiação ao PSDB nesta sexta-feira (16), como mostrou a coluna Mônica Bergamo, da Folha.

Com bloqueio de verba, setores do governo correm risco de paralisia

Conheça a equipe econômica de Paulo Guedes

Compressão no Orçamento põe equipe econômica em alerta sobre funcionamento da máquina pública

Uma compressão sem precedentes no Orçamento federal colocou em alerta o governo, que agora monitora o risco de paralisia em programas de ministérios nos próximos meses por falta de dinheiro.

Resultado do estrangulamento de verbas, a liberação de bolsas de estudo já foi suspensa e atividades da Polícia Federal estão prejudicadas. O Ministério da Economia tenta administrar reclamações feitas pelas pastas, que têm apresentado uma série de demandas em busca de mais recursos.

Enquanto isso, a equipe técnica trabalha na finalização da proposta para o Orçamento de 2020. O primeiro Orçamento elaborado sob a gestão do presidente Jair Bolsonaro tende a ser ainda mais apertado que o deste ano.

O Congresso ainda não aprovou o projeto que traz as diretrizes para as finanças públicas no ano que vem. Mesmo assim, o governo terá de apresentar a proposta final para o Orçamento de 2020 nas próximas duas semanas, já que o prazo para envio do texto ao Legislativo vence no dia 31.

Neste ano, a disponibilidade das chamadas despesas discricionárias atingiu o patamar mínimo histórico. São exemplos desses gastos, definidos como não obrigatórios, o custeio da máquina pública e investimentos.

Leia maisCom bloqueio de verba, setores do governo correm risco de paralisia

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: