GASTANDO DINHEIRO COMO QUER: Empresa pernambucana vai receber quase 2 milhões da Prefeitura de Macau


O prefeito do município de Macau, Túlio Lemos, tem sonhado com sua reeleição para prefeito todos os dias, e está gastando o dinheiro da prefeitura, a torto e a direita.

No jogo da sorte, Tulio vai apostar todas as fichas no dinheiro que suspostamente vai poder gastar na campanha eleitoral, para isso, ele contratou uma empresa MONTEIRO E MONTEIRO ADVOGADOS E ASSOCIADOS que tem sede em Recife, para serviços especializados visando a manutenção do Município no rol de distribuição dos royalties.

A Prefeitura vai pagar R$ 1.800.000,00 por esse serviço. O pipoco de dinheiro em Macau é grande e não tem limite, Tulio Lemos, tem certeza que com o dinheiro que está juntando na conta, sem pagar a diversos fornecedores, vai servir para ele utilizar como bem quer.

Governo de SP cassa aposentadoria de ex-chefe de presídios que ficou milionário

Resultado de imagem para JOAO DORIA

O governo João Doria (PSDB) demitiu a bem do serviço público e cassou a aposentadoria do ex-chefe dos presídios do estado de São Paulo que teve a fortuna revelada pela Folha.

De acordo com o Diário Oficial de sábado (7), o ex-servidor Hugo Berni foi demitido por, entre outros motivos, infringir leis que citam lesar os cofres públicos e receber ou solicitar propinas.

Folha revelou, em 2015, que Berni, então responsável por todos os presídios da região metropolitana, havia acumulado patrimônio que poderia chegar à casa dos R$ 20 milhões em poucos anos.

Segundo a apuração da reportagem, ele se associou à irmã  dois anos em uma empresa imobiliária –que saiu quase do zero e construiu casas em condomínios de alto padrão de Sorocaba (interior) avaliadas em mais de R$ 7 milhões, equivalentes a 32 anos de seu salário. Além disso, mantinha em andamento obras de um condomínio inteiro, com 24 casas, que poderiam alcançar R$ 15 milhões.

Leia maisGoverno de SP cassa aposentadoria de ex-chefe de presídios que ficou milionário

Lava Jato engavetou inquérito de grampo antes de PF encerrar investigação básica

Resultado de imagem para albert youssef

Antes da conclusão das investigações, a força-tarefa da Lava Jato em Curitiba pediu de forma “abrupta e antecipada” o arquivamento de um inquérito da Polícia Federal sobre a instalação de um grampo na cela do doleiro Alberto Youssef, segundo o delegado responsável pelo caso.

À época, a investigação da PF tentava descobrir o que motivou a instalação da escuta e se houve tentativa de abafar internamente o caso.

“Os procuradores atipicamente requerem o arquivamento do inquérito policial, antes mesmo da realização de diligências básicas e da confecção do relatório final”, disse o delegado Márcio Magno Carvalho Xavier, em manifestação à Justiça Federal.

O documento foi assinado em junho de 2017. Magno Xavier, à época corregedor de assuntos internos da Polícia Federal, em Brasília, tentava estender o prazo do inquérito.

Apesar do posicionamento da PF, o pedido do Ministério Público Federal para engavetar o caso foi aceito pelo juiz federal do Paraná Nivaldo Brunoni.

Leia maisLava Jato engavetou inquérito de grampo antes de PF encerrar investigação básica

Projeto apoiado por Eduardo Bolsonaro ‘libera’ canabidiol

Resultado de imagem para canabidiol

Em “campanha” pelo comando da embaixada brasileira em Washington, nos Estados Unidos, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) passou a apoiar um projeto de lei que torna automática a liberação de medicamentos no Brasil já aprovados por autoridades sanitárias estrangeiras, como a americana. A proposta esvazia as funções da Anvisa, a agência reguladora brasileira, e contraria a posição do governo em relação à maconha medicinal.

Além do “filho 03”, outros aliados do governo, como o autor da proposta, General Peternelli, e Carla Zambelli – ambos deputados federais pelo PSL -, e o general Eduardo Villas Bôas, também já defenderam o uso do canabidiol (óleo extraído da maconha). Se aprovado, o texto apoiado por Eduardo liberaria a venda de ao menos um remédio à base de canabidiol usado para tratar epilepsia severa em crianças liberado pelos EUA no ano passado.

Leia maisProjeto apoiado por Eduardo Bolsonaro ‘libera’ canabidiol

Carro capota no entorno da Arena das Dunas e ocupantes ficam presos às ferragens

Corpo de Bombeiros foi chamado e resgatou os ocupantes do carro, que ficaram presos às ferragens após o veículo se chocar com um poste e destruir parte do gradeado que fica em volta do estádio — Foto: CBM-RN/Divulgação

Um capotamento foi registrado na manhã deste domingo (8) no entorno da Arena das Dunas, em Natal. O Corpo de Bombeiros foi chamado e resgatou um casal e uma criança, que ficaram presos às ferragens após o veículo se chocar com um poste e destruir parte do gradeado que fica em volta do estádio.

Segundo a Polícia Rodoviária Federal, o motorista estava levando a mulher para o trabalho, quando o veículo teve uma falha mecânica e uma das rodas traseiras se soltou. O condutor não se machucou, mas a esposa e a filha sofreram ferimentos leves.

“Ao serem retiradas, as vítimas foram encaminhadas ao hospital pela equipe do SAMU”, acrescentou a assessoria de comunicação do Corpo de Bombeiros.

*G1 RN

O sonho do filho de Bolsonaro custará caro

Resultado de imagem para eduardo bolsonaro

A aprovação da reforma da Previdência Social pelo Senado são favas contadas. Mas a aprovação ao nome de Eduardo Bolsonaro para embaixador do Brasil em Washington custará caro.

Davi Alcolumbre, presidente do Senado, já informou a Bolsonaro que há votos bastante para aprovar a indicação do Zero Três, tanto na Comissão de Relações Exteriores quanto no plenário.

Mas… Mas Bolsonaro, segundo Alcolumbre, não deve esperar tanta boa vontade dos senadores se não lhes der algo em troca. Cargos no governo até que seria bom, mas tem coisa melhor.

Os ministérios não se queixam – e com razão – que seus orçamentos para este ano serão pequenos, mas que os do próximo serão ainda menores? E então? É por aí.

Que Bolsonaro peça ao Congresso a aprovação de um crédito suplementar e que parte do dinheiro seja destinada ao atendimento das emendas parlamentares ao Orçamento da União.

São dessas emendas que vivem senadores e deputados. Precisaram que sejam pagas para irrigar suas bases eleitorais com pequenas obras. Haverá eleições municipais em 2019.

Velha ou Nova Política, é dando que se recebe.

*Com informações da VEJA

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: