MPF/RN denuncia Gledson Maia e Kelps Lima

O Ministério Público Federal no Rio Grande do Norte denunciou à Justiça Federal o engenheiro civil Gledson Golbery de Araújo Maia e o advogado Kelps de Oliveira Lima. Os dois são acusados de crime de denunciação caluniosa contra Caio César Marques Bezerra, delegado da Polícia Federal, e os agentes José Antônio Aquino e Carlos Benjamin Rodrigues de Lima.

Segundo a denúncia do MPF, tanto Gledson quanto Kelps – este último na condição de advogado do engenheiro – teriam, de forma consciente e voluntária, dado causa à instauração de uma investigação policial contra os três funcionários da Polícia Federal, culpando-os por crimes que sabiam que não haviam sido cometidos.

Gledson Maia e Kelps Lima representaram, em 16 de fevereiro de 2011, contra os membros da PF, alegando que eles teriam feito duas interceptações telefônicas clandestinamente, sendo uma delas supostamente com o intuito de forjar prisão em flagrante. Os dois acusaram os funcionários ainda de realizar um depósito indevido de cheque no valor de R$ 700 mil. Tal cheque foi apreendido em poder de Gledson Maia quando da prisão em flagrante do engenheiro durante o desenrolar da Operação Via Ápia, deflagrada para apurar possíveis irregularidades praticadas por servidores e funcionários de empresas prestadoras de serviços ao Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes (DNIT/RN).

Em relação às acusações feitas por Gledson e Kelps contra os agentes, foi instaurada no âmbito da Superintendência Regional da Polícia Federal uma sindicância investigativa, que concluiu pela inexistência de irregularidades ou crimes porventura praticados pelos policiais federais. Vale ressaltar que o cheque de R$ 700 mil apreendido foi depositado em conta remunerada da Justiça Federal, junto à Caixa Econômica Federal, conforme os termos do art. 1º, VI, da Resolução 428/2005, do Conselho da Justiça Federal. Tais fatos eram de total conhecimento de Gledson e Kelps, visto que constavam nos autos da investigação documentos aos quais os denunciados tinham amplo acesso.

Leia maisMPF/RN denuncia Gledson Maia e Kelps Lima

MPF e Polícia Federal deflagram operação “Mão na Bola”

Resultado de imagem para arena das dunas

Investigação trata de possíveis crimes de corrupção ativa e passiva, desvio de finalidade de financiamento e lavagem de dinheiro relacionados à construção da Arena das Dunas

Na manhã desta terça-feira (10), equipes da Polícia Federal cumprem mandados de busca e apreensão em quatro endereços residenciais da capital potiguar e da cidade de Mossoró. O Ministério Público Federal (MPF) se manifestou favorável à concessão dos mandados requeridos pela PF, solicitou inclusive a ampliação dos locais (pedidos autorizados pela 2ª Vara da Justiça Federal do Rio Grande do Norte) e irá acompanhar toda a análise das informações coletadas.

As buscas foram efetuadas nos bairros de Areia Preta, Lagoa Nova e Lagoa Azul, em Natal; e Nova Betânia, em Mossoró. Os dados obtidos vão subsidiar as investigações que tratam do possível cometimento de crimes de desvio de finalidade de financiamento (previsto no art. 20 da Lei n. 7.492/1986), de lavagem de dinheiro (artigo 1º da Lei n. 9.613/1998) e corrupção ativa e passiva (artigos 317 e 333, ambos do Código Penal), todos relacionados à construção da Arena das Dunas em Natal. O inquérito policial que trata do caso foi instaurado a pedido do MPF, no ano de 2014, e segue em sigilo.

*MPF

Avião militar chileno desaparece com 38 pessoas a bordo

Resultado de imagem para Avião militar chileno desaparece com 38 pessoas a bordo

Um avião Hércules C-1130 da Força Aérea Chilena perdeu contato com radares na noite desta segunda-feira 10. A aeronave partiu da cidade de Punta Arenas rumo à base aérea Presidente Eduardo Frei Montalva, na Antártida, com 38 pessoas a bordo. Cerca de sete horas após o desaparecimento dos radares, a corporação admitiu a queda da aeronave, mas segue desconhecendo a localização onde poderia ter ocorrido suposto acidente. Buscas são conduzidas por sobreviventes.

Segundo a Força Aérea Chilena, o avião decolou às 16h55 (horário local e de Brasília) da Base Aérea Chacabuco, em Punta Arenas, e perdeu contato pouco mais de uma hora depois, às 18h13, quando se dirigia à Base Aérea Antártica Presidente Eduardo Frei Montalva.

De acordo com comunicado do órgão militar, o avião cumpria tarefas de apoio logístico rumo à base aérea Presidente Eduardo Frei Montalva, na Antártica.

Leia maisAvião militar chileno desaparece com 38 pessoas a bordo

Doria afasta mais 32 policiais envolvidos no caso de Paraisópolis

Resultado de imagem para doria afasta pm

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), atendeu a um pedido de parentes das vítimas pisoteadas em Paraisópolis e afastou mais 32 policiais militares que atuaram na ocorrência; seis agentes já haviam sido afastados no dia seguinte ao caso. Eles deverão passar a atuar exclusivamente em atividades administrativas até a conclusão das investigações. As famílias relataram receio de que os agentes prejudicassem as investigações e até mesmo se envolvessem em casos similares.

A reunião com os parentes ocorreu nesta segunda-feira, 9, no Palácio dos Bandeirantes. O afastamento integrou uma série de reivindicações apresentadas pelas famílias. Danylo Amílcar, de 19 anos, irmão de Denys Henrique Quirino da Silva, morto em Paraisópolis, disse que o afastamento significa um avanço na luta por justiça. “Tínhamos medo de represálias e que eles interferissem nas provas do crime. O governador atendeu o nosso pedido porque entendeu que ele é justo, que não era uma exigência maluca”, disse ao Estado na noite desta segunda.

Os 32 policiais fazem parte da tropa do 16.º Batalhão, que atua na área de Paraisópolis. As investigações são conduzidas pela Corregedoria da Polícia Militar e pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), da Polícia Civil.  Uma comissão externa formada por membros da sociedade civil já havia sido criada para acompanhar a investigação, o que também tinha sido um pedido das famílias.

Leia maisDoria afasta mais 32 policiais envolvidos no caso de Paraisópolis

Ação do MPRN prende ex-padre condenado por estupro

Uma ação do Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN), com o apoio do Ministério Público de Goiás e da polícia daquele Estado, prendeu o ex-padre potiguar José Irineu da Silva, condenado por crime de estupro de vulnerável. O mandado de prisão foi cumprido na manhã desta segunda-feira (9), na cidade de Quirinópolis, a 286 km de Goiânia.

O ex-padre já foi afastado da Igreja pelo Tribunal Eclesiástico da Cúria Metropolitana de Natal em 2017. O crime acorreu no dia 28 de abril de 2011 na Comarca de Ipanguaçu/RN, tendo o acusado sido condenado definitivamente a uma pena de oito anos de reclusão.

Disque Denúncia 127
O MPRN reforça à população que continua recebendo denúncias anônimas de crimes. As comunicações podem ser feitas pelo Disque Denúncia 127, que é um canal direto do MPRN para denúncias de crimes em geral. O cidadão pode ligar gratuitamente para o número. A identidade da fonte será preservada.

Além do telefone, as denúncias também podem ser encaminhadas por Whatsapp para o número (84) 98863-4585 ou e-mail para denuncia@mprn.mp.br. Os cidadãos podem encaminhar informações em geral que possam levar à prisão de criminosos, denunciar atos de corrupção e crimes de qualquer natureza. No Whatsapp, são aceitos textos, fotos, áudios e vídeos que possam comprovar as informações oferecidas.

RN movimentou ao menos 15,8 toneladas de cocaína desde novembro de 2018

O tráfico internacional de drogas movimentou pelo menos 15,8 toneladas de cocaína no Rio Grande do Norte entre novembro do ano passado e dezembro deste ano. Parte da cocaína foi interceptada pela Polícia Federal em seis operações e outra pela polícia internacional, em especial a holandesa. A última apreensão em solo potiguar aconteceu no último sábado (7) quando foi encontrada 1,2 tonelada dentro de um contêiner, que estava a caminho do Porto de Natal, e em galpões em Parnamirim. O Porto de Natal, onde a maior parte da droga é escoada, ainda opera sem escâner de carga.

Dez meses após a primeira apreensão de cocaína no Porto de Natal, providências como a aquisição de um escâner de carga não foram tomadas por falta de recursos

Dez meses após a primeira apreensão de cocaína no Porto de Natal, providências como a aquisição de um escâner de carga não foram tomadas por falta de recursos

Entre o dia 25 de novembro e 2 de dezembro, outros 550 quilos de cocaína foram interceptados na Holanda dentro de caixas de frutas exportadas através do Porto de Natal. A quantidade é a soma de três operações das autoridades holandesas e foi confirmada pela Receita Federal nesta segunda-feira (9). Outras 7,1 toneladas identificadas em cargas de frutas saídas de Natal foram apreendidas no país europeu desde novembro do ano passado.

Leia maisRN movimentou ao menos 15,8 toneladas de cocaína desde novembro de 2018

Maioria considera justa soltura de Lula após decisão do STF, diz Datafolha

A maioria da população considerou justa a soltura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no início de novembro, aponta a mais recente pesquisa Datafolha.

De acordo com o levantamento, 54% dos entrevistados entendem que a libertação do petista foi justa, ante 42% que a consideram injusta. Disseram não saber 5% dos entrevistados.

A pesquisa ouviu 2.948 pessoas na quinta (5) e sexta-feira (6) da semana passada em 176 municípios pelo país. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

Lula deixou a carceragem da Polícia Federal em Curitiba no dia 8 de novembro, após cumprir 19 meses da pena por condenação de corrupção e lavagem de dinheiro no caso do tríplex de Guarujá (SP).
O processo ainda tramita, e Lula tem parte da pena pendente.

O ex-presidente pôde voltar à liberdade graças à decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) que mudou antigo entendimento da corte e considerou inconstitucional a prisão de réus condenados que ainda tenham recursos pendentes em cortes superiores, como é o caso do petista.

Mas Lula permanece, com base na Lei da Ficha Limpa, impedido de disputar eleições.

Leia maisMaioria considera justa soltura de Lula após decisão do STF, diz Datafolha

Petrobras conclui venda de 34 campos terrestres no Rio Grande do Norte

A Petrobras informou que finalizou nesta segunda-feira, 9, a venda da totalidade da sua participação em 34 campos de produção terrestres, localizados na Bacia Potiguar, no estado do Rio Grande do Norte, para a Potiguar E&P S.A, subsidiária da Petrorecôncavo S.A.

De acordo com a empresa, a operação foi concluída com o pagamento de US$ 266 milhões para a Petrobras, após o cumprimento de todas as condições precedentes e ajustes previstos no contrato. A companhia já havia recebido US$ 28,8 milhões a título de depósito na data de assinatura, em 25 de abril de 2019. Além disso, haverá o pagamento de US$ 61,5 milhões condicionado à obtenção da extensão do prazo de concessão de 10 das 34 concessões.

A gerente executiva de Gestão de Portfólio da Petrobras, Ana Paula Saraiva comemorou a conclusão da operação: “Estamos felizes ao fim desse processo tão importante para a carteira de desinvestimentos da Petrobras. Esses 34 campos no Rio Grande do Norte vão fomentar a indústria de Exploração e Produção em terra, enquanto a Petrobras foca em águas profundas e ultraprofundas, onde tem diferencial competitivo”.

Leia maisPetrobras conclui venda de 34 campos terrestres no Rio Grande do Norte

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: