Governo corta Bolsa Família de 158 mil famílias em meio à crise do coronavírus

Resultado de imagem para bolsa familia

A epidemia de coronavírus, que já chegou fortemente ao Brasil, não impediu que o Ministério da Cidadania tirasse famílias carentes do programa Bolsa Família. E não foram poucas: 158 mil benefícios foram cortados no mês de março, revelou o portal UOL, e mais de 61% estavam na região com mais famílias vulneráveis do País, o Nordeste.

De acordo com o detalhamento do pagamento divulgado pelo próprio Ministério, o benefício médio concedido aos inscritos no mês de março foi de R$ 191,86 – menos do que o “voucher” que o Ministério da Economia anunciou para auxiliar trabalhadores informais em tempos de coronavírus, que chegará, caso aprovado, aos R$ 200 mensais.

Na divulgação, também foi anunciado que “mais de 330 mil famílias foram emancipadas do programa por apresentarem melhora de condições financeiras”, mas a pasta não detalha sobre os cortes mais acentuados no Nordeste. A região, segundo o balanço do pagamento, ainda é a que tem mais municípios atendidos.

Não é a primeira vez, porém, que as contas do Bolsa Família no governo Bolsonaro demonstram que o programa está sob perigo. Um levantamento inédito feito pela CartaCapital mostrou, em janeiro, que 3,6 milhões de famílias pobres ou miseráveis estavam fora da cobertura do programa, um número ocultado até então pelo governo.

Pouco tempo depois, o então ministro da Cidadania, Osmar Terra, foi demitido e substituído por Onyx Lorenzoni, que saiu da Casa Civil. Lorenzoni, em fevereiro, anunciou que 185 mil famílias seriam incluídas no programa já em março, número confirmado pelo Ministério este mês – o que explica o saldo final do número de pessoas cortadas.

O programa atende às famílias que vivem em situação de extrema pobreza, com renda per capita de até R$ 89 mensais, e pobreza, com renda entre R$ 89,01 e R$ 178 mensais.

Covas vai montar hospitais de campanha no Pacaembu e no Anhembi para atendimento de coronavírus

Resultado de imagem para covas sp

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB) anunciou na manhã desta sexta-feira, 20, que vai implementar hospitais de campanha em dois locais da cidade: no estádio do Pacaembu e no Anhembi. De acordo com Covas, que fez entregas de leitos de UTI no hospital Parelhereiros para combate ao avanço do novo coronavírus, os hospitais de campanha vão contar com parceria do hospital Albert Einstein. Serão leitos, de acordo com ele, de baixa complexidade e os locais serão refrigerados. O Pacaembu será coberto e terá 200 leitos. No Anhembi, serão 1.800 leitos.

“Vamos adaptar esses dois espaços, um deles cedido pelo novo concessionário do Pacaembu, que estará pronto em duas semanas. Já as 1.800 vagas no Anhembi estarão prontas em até três semanas”, afirmou Covas.

A Prefeitura estima que as estruturas estarão prontas para atendimento em pouco mais de duas ou três semanas.  “A estrutura física dos leitos fica pronta em 10 dias. Depois, vem a estrutura médica hospitalar. Mas assim que ficarem prontos esses hospitais de campanha, começamos a atender”, afirmou o secretário municipal de Saúde, Edson Aparecido. “Faremos grandes hospitais de campanha para abrigar as pessoas que ainda não estão agravadas nos nossos hospitais para poder internar as pessoas que precisam das UTIs. É uma nova fase. São iniciativas de um enorme impacto do ponto de vista de saúde pública”, afirmou.

Leia maisCovas vai montar hospitais de campanha no Pacaembu e no Anhembi para atendimento de coronavírus

Paulo Henrique critica o prefeito do Assú que faz ouvido de mercador aos problemas da população


Em meio ao caos de um problema de saúde pública que os brasileiros vem enfrentando, o Prefeito do município de Assú, Gustavo Soares, tem feito “ouvido de mercador” diante dos problemas do município.

O idealizador do Movimento Acredito Paulo Henrique fez duras críticas ao prefeito Gustavo Soares. Confira na integra:

FALTA RESPEITO E TRANSPARÊNCIA COM OS PROFISSIONAIS E COM O POVO QUE NECESSITA DO ATENDIMENTO.
No dia 28/02/2020 a Prefeitura Municipal do Assú soltou em seu diário oficial o ”EDITAL PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO. EDITAL 002/2020 – SMS/PMA” para a contratação de profissionais para atuarem na ”UPA do Alto São Francisco” ( Vagas que foram liberadas pela Câmara municipal do Assu, o primeiro ponto é que das 60 vagas este processo abriu para 22 vagas / Coincidência? Ligando ao número partidário em ano eletoral).

No supracitado Edital consta no item 10.1 o cronograma onde diz, dentre outras coisas: – 03 a 09 de março de 2020 Inscrições; – 16 de março de 2020 Divulgação do Resultado Preliminar.

Edital com vários erros e margem para várias interpretações onde era solicitado no ato da inscrição diversos exames e atestados médicos.

Depois de muitas reclamações no dia 05/03/2020 a Prefeitura soltou em seu diário oficial um ”Edital Retificado” onde corrige essa questão dos exames e aumenta mais dois dias de inscrições, mas não muda em mais nada o Cronograma.

Chegou o tão aguardado dia 16 de Março, saiu o diário oficial e absolutamente nada do resultado. Depois de muita pressão dos candidatos e algumas horas depois a Prefeitura solta em seu site uma nota onde diz que irá necessitar de mais 2 dias para soltarem o resultado.

Mais 2 dias de angustia, expectativa… chegou o dia 18 de Março! Saiu o Diário Oficial e mais uma vez NADA do resultado do processo seletivo, nada de informação, simplesmente um descaso e uma falta de respeito com os inscritos e com a população que tanto necessita do funcionamento dessa UPA.

Porque tanta demora? Porque o Edital não é cumprido? Porque o processo não apresenta transparência e organização? Porque a UPA vem se “arrastando” para ser aberta?

Número de casos suspeitos do coronavírus no Rio Grande do Norte cai de 108 para 75

A subcoordenadora de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Saúde do Estado, Alessandra Lucchesi, informou que o número de casos suspeitos do novo coronavírus no Rio Grande do Norte caiu de 108 para 75. Os números foram confirmados em entrevista à TV Tropical, de Natal, na manhã desta sexta-feira (20).

Outros 32 casos foram descartados após serem realizados os exames e certificar que não se tratava do Covid-19.

“A Sesap trabalha com ambos os cenários, pensando nos dados que temos e em todas as circunstâncias que podem agravar o quadro, as reuniões são frequentes e as medidas preventivas são reavaliadas diariamente”.

Até o momento os dados correspondem aos 75 casos suspeitos que aguardam resultados dos exames laboratoriais, 32 casos que já foram descartados e apenas um caso confirmado.

Segundo a coordenadora, uma instabilidade a nível nacional do sistema do Ministério da Saúde demandou alteração dos processos de trabalho. “Os problemas foram corrigidos no final do dia de ontem e ainda hoje serão divulgados os dados atualizados do Ministério da Saúde, em parceria com o Estado do Rio Grande do Norte”, informou.

Lucchesi explica que a forma de acessar as bases de dados pode provocar uma variação. “Alguns estados estavam liberando essa informação com maior frequência, por utilizarem um sistema de informação único, que só depois alimentava a base do Ministério. Mas o Rio Grande do Norte segue usando a base de dados direto do Ministério da Saúde”.

Leia maisNúmero de casos suspeitos do coronavírus no Rio Grande do Norte cai de 108 para 75

Justiça do Trabalho disponibiliza hotel para Prefeitura montar hospital

A Justiça do Trabalho do Rio Grande do Norte disponibilizou, em decisão publicada na noite desta quinta-feira (19), o prédio onde funcionava o Hotel Parque da Costeira, localizado na Via Costeira, em Natal, para ser transformado em um hospital de campanha para pessoas diagnosticadas com o novo coronavírus. A requisição foi feita horas antes da decisão pela Prefeitura de Natal.

A decisão do juiz do trabalho responsável pela Divisão de Inteligência (Dint) do Tribunal Regional do Trabalho da 21ª Região (TRT-RN), Cacio de Oliveira Manoel, autoriza o uso das instalações físicas por parte do Poder Executivo municipal enquanto durar a pandemia.

O prédio onde funcionava o Hotel Parque da Costeira se encontra sob a jurisdição da Justiça do Trabalho para o pagamento de indenizações trabalhistas. O imóvel foi objeto recente de leilão promovido pelo TRT-RN. Como a proposta de compra apresentada foi inferior ao valor mínimo do lance inicial permitido pelo Código de Processo Civil (CPC), a venda não foi possível.

Segundo o magistrado autor da decisão, a Justiça do Trabalho do RN vai realizar um novo leilão logo que a cessão findar e o quadro de pandemia justificou o acatamento do pedido. “Estamos diante de uma situação que põe em risco vidas humanas e o interesse coletivo deve prevalecer”, resumiu Cacio de Oliveira Manoel.

A decisão contou com a concordância da Justiça Federal, por meio do juiz federal Marco Bruno Miranda Clementino.

 

Brasileiros tentam criar testes para detectar coronavírus, mas esbarram em custos

Resultado de imagem para pesquisadores brasileiros

Pesquisadores brasileiros estão desenvolvendo testes capazes de detectar infecções pelo novo coronavírus de forma confiável e relativamente rápida, mas é improvável que o esforço seja suficiente para rastrear novos casos de forma maciça país afora, ao menos no curto prazo.

Os custos elevados e o fato de que os insumos para esse tipo de teste são importados acabam levando à opção por análises mais restritas do ponto de vista populacional, concentradas em pacientes com sintomas mais graves e nos profissionais de saúde que estão cuidando desses doentes, por exemplo.

“Seria ótimo saber o número real de pessoas infectadas, mas é um dado que não interfere diretamente no combate à pandemia”, diz Matheus Martini, que faz pós-doutorado no Laboratório de Estudos de Vírus Emergentes da Unicamp. “Seria mais importante saber se os profissionais de saúde, por exemplo, já foram contaminados e se desenvolveram imunidade ao vírus, o que teria impacto direto sobre o atendimento ao público.”

Martini e seu supervisor José Luiz Módena, junto com outros colegas, estão trabalhando na padronização de um teste que já está em domínio público, desenvolvido por pesquisadores da Alemanha. Tal como os demais testes que estão sendo usados para flagrar a presença do novo coronavírus no organismo, ele se baseia na tecnologia conhecida como RT-PCR (em inglês, sigla de “reação em cadeia de polimerase por transcrição reversa”).

Essa técnica “pesca” fragmentos do material genético do Sars-CoV-2 na amostra e produz muitas cópias dele na reação em cadeia que dá nome ao procedimento, permitindo assim a detecção do vírus. O alvo do grupo da Unicamp é o pedaço do genoma do patógeno que contém a receita para a produção da proteína E (de “envelope”, a capa mais externa do vírus).

“O teste leva cerca de uma hora, sem contar o tempo de preparação”, explicou Martini, conversando com a Folha de dentro do laboratório NB3 (nível de biossegurança considerado elevado) onde estava trabalhando. “Pode ser que a gente fique aqui até umas 20h hoje.” A equipe planeja verificar a eficiência de diferentes tipos de kits comerciais no trabalho e, mais tarde, apresentar uma “receita” validada para uso a hospitais de Campinas e outras cidades.

Leia maisBrasileiros tentam criar testes para detectar coronavírus, mas esbarram em custos

Brasil tem 621 casos de coronavírus e transmissão sustentada muda atendimento em postos, diz ministério

Brasil tem 621 casos confirmados de coronavírus

O Ministério da Saúde divulgou nesta quinta-feira (19) o novo balanço de casos confirmados de novo coronavírus (Sars-Cov-2) no Brasil. Os principais dados são:

  • 6 mortes, já são ao todo 7 mortes relatadas pelas secretarias
  • 621 casos confirmados, eram 428 na quarta-feira (18)
  • Maioria está em dois estados: SP tem 286 e o Rio de Janeiro, 65.

Segundo levantamento do G1 junto às secretarias estaduais de saúde, havia 647 casos confirmados até 20h. O número é diferente porque dados estaduais foram divulgados após o fechamento do balanço federal, que ocorreu às 15h.

Transmissão comunitária

De acordo com o ministério, há transmissão comunitária em algumas áreas do país. A pasta cita dois estados, três capitais e uma região de um estado no Sul. A transmissão comunitária ou sustentada é aquela quando não é possível rastrear qual a origem da infecção, indicando que o vírus circula entre pessoas que não viajaram ou tiveram contato com quem esteve no exterior.

A transmissão comunitária está configurada nos estados de São Paulo e de Pernambuco. Além disso, ocorre isoladamente em três capitais: Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Porto Alegre (além das capitais de SP e PE, já incluídas acima).

Por fim, a pasta também considera o mesmo status apenas para o sul de Santa Catarina, mais especificamente a região da cidade de Tubarão. A declaração não vale para todo o estado.

Leia maisBrasil tem 621 casos de coronavírus e transmissão sustentada muda atendimento em postos, diz ministério

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: