Brasil tem recorde de 3.058 casos de coronavírus em 24 horas

O Brasil registrou hoje um recorde de casos de infecção pelo novo coronavírus em 24 horas, com 3.058 pessoas, chegando a um total de 28.320 confirmações da covid-19, informou o Ministério da Saúde.

O número de hoje representa o maior aumento diário de casos desde o início da pandemia, superando os 2.210 registrados em 8 de abril.

O Brasil também registrou aumento de 204 mortes em consequência do novo coronavírus, igualando o recorde da véspera e totalizando 1.736 óbitos em decorrência da Covid-19.

A taxa de letalidade da covid-19 no país é de 6,1%, de acordo com os números do ministério.

São Paulo continua sendo o Estado com o maior número de casos, com 11.043, uma aceleração na alta de 1.672 na comparação com a terça-feira, e possui também a maior quantidade de óbitos do país, 778, um aumento de 83 ante a véspera.

O Rio de Janeiro vem a seguir em números absolutos, com 3.743 casos e 265 mortes.

Em reunião, deputados debatem pauta de sessões e ações durante pandemia do Coronavírus

A continuidade das sessões remotas, a pauta de votação e as ações durante a pandemia do Coronavírus foram tema de reunião nesta quarta-feira (15) entre os deputados estaduais e o presidente da Assembleia Legislativa, Ezequiel Ferreira (PSDB).

“Com a pandemia do Coronavírus, as questões administrativas e os projetos em tramitação que debatíamos no dia a dia e precisam ser ajustadas no legislativo”, comenta o presidente Ezequiel Ferreira.

Além das questões administrativas, os deputados comentaram as medidas anunciadas pelo legislativo federal em apoio aos estados e municípios, com projeto aprovado na Câmara dos Deputados (que ainda tramita no Senado Federal) e a presidência que também estuda um novo projeto, apresentado pelo ministro Paulo Guedes. A proposta é a compensação na queda de arrecadação no momento da pandemia do coronavírus.

Outra questão abordada durante a reunião entre os parlamentares foi a perda do ICMS com reflexos nos Estados e municípios que perdem receitas diariamente, com comentários de apoio nesta bandeira da Bancada Federal.

As ações dos deputados estaduais como a destinação de emendas parlamentares que em 2020 foram todas direcionadas à saúde e a atuação da Comissão de Enfrentamento ao Coronavírus, além da destinação dos R$ 2 milhões para a compra de EPIs e funcionamento dos leitos de UTI do Hospital da Polícia Militar também foram comentados.

O presidente Ezequiel destacou a aprovação dos decretos e confirmou a continuidade das sessões remotas e reuniões no legislativo potiguar.

Abril Verde: TRT-RN leva campanha de prevenção ao novo coronavírus para o rádio

O Tribunal Regional do Trabalho da 21ª Região (TRT-RN) e o Programa Trabalho Seguro levaram a campanha “Abril Verde” para as ondas do rádio. Essa é uma das novidades pensadas para o ano de 2020, como forma de acessar melhor empregadores e empregados sobre a importância da proteção dos ambientes de trabalho contra o novo coronavírus.

Os spots foram idealizados pela Divisão de Comunicação Social (DCS) do TRT-RN e estão rodando diariamente nas rádios 96 e 98 FM. A veiculação acontece até o dia 30 de abril. Na mensagem transmitida, o slogan da campanha deste ano: “Quando a quarentena não é possível, a proteção é a única opção”.

Além dos spots, estão sendo realizadas ações de comunicação na internet e encaminhadas sugestões de pauta sobre o tema para a imprensa, com foco na prevenção e no uso de equipamentos de segurança pelos profissionais dos serviços essenciais, que não podem parar diante da pandemia. Além disso, houve a iluminação do prédio do TRT-RN na cor verde, que faz alusão à iniciativa.

A campanha “Abril Verde” conta com a parceria da Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Norte (Fiern), do Serviço Social da Indústria (Sesi), do sistema Fecomércio-RN, do Serviço Social do Comércio (Sesc), da Associação Nacional de Engenharia de Segurança do Trabalho (Anest), do Sindicato da Indústria da Construção Civil (Sinduscon), do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (CREA-RN) e da Associação dos Engenheiros de Segurança do Trabalho do RN (Aest-RN).

Projeto de Kleber sugere obrigatoriedade no fornecimento de EPIs para agentes da saúde e segurança

Um Projeto de Lei de autoria do deputado Kleber Rodrigues (PL) torna obrigatório o fornecimento de itens de proteção para os profissionais da saúde e da segurança pública, enquanto vigorar o estado de calamidade pública, decorrente da pandemia da COVID-19. O projeto obriga o Governo do Estado a fornecer máscaras, luvas de proteção e álcool em gel para todos os profissionais da saúde e da segurança pública, inclusive aos agentes penitenciários que estiverem no exercício de suas funções. Entre os itens obrigatórios estão a máscara N95 ou PFF2, óculos ou face shields, luvas, gorro, capote impermeável e álcool gel 70%.

“Desde o início da pandemia do COVID-19, muitas têm sido as queixas de profissionais da saúde e da segurança pública do no Rio Grande do Norte sobre a ausência de fornecimento de materiais de proteção (máscaras, luvas e álcool em gel) para utilização no desempenho de suas funções”, reforçou.

O projeto ressalta ainda que os policiais militares vêm adotando uma série de protocolos em ações de patrulhamento e abordagens, sendo necessária a proteção dos policiais e higienização das viaturas que circulam no Estado para diminuir os riscos de contágio.

Caixa Econômica paga hoje auxílio emergencial a 1,6 milhão de pessoas

A Caixa Econômica Federal paga hoje (15) o auxílio emergencial de R$ 600 a 1.635.291 de pessoas, nascidas em fevereiro, março e abril, por meio de poupança digital. Esse grupo reúne trabalhadores informais e mães solteiras que estavam com as informações em dia no Cadastro Único de Programas Sociais (CadÚnico) em 20 de março e que não fazem parte do Bolsa Família. No caso das mães solteiras, o auxílio é de R$ 1.200.

Amanhã (16), será a vez do crédito pela poupança digital para 2.282.321 pessoas nascidas em maio, junho, julho e agosto. Sexta-feira (17) será feito o crédito para 1.958.268 pessoas nascidas em setembro, outubro, novembro e dezembro.

A Caixa informou que até as 18h de ontem, 35,5 milhões de cadastros foram finalizados. Já foram creditados R$ 2,1 bilhões a 3,3 milhões de pessoas.

Saque em dinheiro

O auxílio emergencial começará a ser sacado em dinheiro no próximo dia 27. Os saques ocorrerão conforme o mês de nascimento do beneficiário.

Leia maisCaixa Econômica paga hoje auxílio emergencial a 1,6 milhão de pessoas

Aos 99 anos, ex-combatente da Segunda Guerra é curado do coronavírus em Brasília

Combatente da Segunda Guerra Mundial de 99 anos é curado do Covid ...

O segundo-tenente da antiga FEB (Força Expedicionária Brasileira) Ermando Armelindo Piveta, de 99 anos, é uma das pessoas mais velhas a se recuperar da Covid-19 no Brasil.

O militar, que atuou na 2ª Guerra Mundial, estava internado no HFA (Hospital das Forças Armadas), em Brasília, desde 6 de abril e recebeu alta na tarde desta terça-feira (14).

Piveta apresentou os primeiros sinais do novo coronavírus em 23 de março. Até sua internação, ele foi acompanhado por médicos do HFA por meio de atendimentos feitos a distância, pela telemedicina.

Na véspera de ser internado, o militar foi diagnosticado com pneumonia. Foram oito dias de internação —dois deles na UTI (Unidade de Terapia Intensiva). Na saída do hospital, os profissionais da saúde formaram um corredor humano para aplaudir a recuperação do militar. Ele respondeu batendo continência.

De acordo com o Exército, Piveta é o brasileiro mais idoso a receber alta da Covid-19.

“Vencer essa batalha para mim foi maior do que vencer a guerra, porque essa é uma peste, como em 1918 [gripe espanhola], é mundial! Eu saí dessa. Para mim, foi uma luta tremenda, mais do que na guerra. Na guerra você mata ou vive. Aqui você tem que lutar para viver e eu saí dessa luta vencedor!”, afirmou ele ao deixar o hospital à assessoria de imprensa do Exército.

Leia maisAos 99 anos, ex-combatente da Segunda Guerra é curado do coronavírus em Brasília

Senadores pedem votação de proposta para taxar grandes fortunas

Sessão Deliberativa Remota da 2ª Sessão Legislativa Ordinária da 56ª Legislatura. Ordem do dia. Em sessão virtual, o Senado vota o Projeto de Lei (PL 1.066/2020) que prevê o pagamento de auxílio emergencial de R$ 600 reais a pessoas de baixa renda, e também o Projeto de Lei (PL 786/2020), que autoriza, em caráter excepcional, durante o período de suspensão das aulas em razão de situação de emergência ou calamidade pública, a distribuição de gêneros alimentícios adquiridos com recursos do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) aos pais ou responsáveis dos estudantes das escolas públicas de educação básica. Os dois projetos já foram aprovados pela Câmara dos Deputados. A sessão é realizada na sala da Secretaria de Tecnologia da Informação do Senado Federal (Prodasen) e conduzida pelo 1° vice-presidente do Senado Federal, senador Antonio Anastasia (PSD-MG). Tela exibe senador Plínio Valério (PSDB-AM) em acesso remoto. Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado

Em sintonia com as centrais sindicais e movimentais sociais que na segunda-feira (13) iniciaram uma campanha em defesa  da taxação de grandes fortunas para o enfrentamento da pandemia do coronavírus, senadores usaram suas redes sociais para tentar convencer os colegas a aprovar a criação do tributo para os mais ricos.

O imposto sobre grandes fortunas está previsto na Constituição desde sua promulgação, mas nunca foi regulamentado. Parlamentares apontam que a medida seria uma alternativa para aumentar o caixa do governo nesse momento de crise.

Líder do PT, o senador Rogério Carvalho (PT-SE) destacou que dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), do IBGE apontam que o rendimento médio mensal de trabalho de 1% da parcela mais rica do Brasil foi quase 34 vezes maior que da metade mais pobre em 2018. Segundo ele, é preciso aumentar a distribuição de renda.

— Taxar fortunas é salvar vidas. O Brasil é um dos países mais desiguais no mundo. As reformas feitas tiraram dinheiro do pobre, como a reforma trabalhista, reforma da Previdência e a EC 95 (teto de gastos), que retirou R$ 22 bilhões do SUS. Quando é que o rico vai contribuir? — questionou.

Na avaliação de Humberto Costa (PT-PE), que assim como Rogério e outros senadores, manifestou apoio à campanha Taxar Fortunas para Salvar Vidas, das centrais sindicais e movimentos sociais, a criação do imposto garantiria maior justiça tributária.

— Taxar os 3% mais ricos é o suficiente para salvar 97% da população — apontou Humberto.

Na mesma linha, Jean Paul Prates (PT-RN) afirmou que o aumento da arrecadação seria fundamental para salvar vidas.

— Além de corrigir as injustiças, taxar fortunas é uma forma de salvar vidas em tempos de pandemia. Tributar os mais ricos e o lucro dos bancos renderia uma arrecadação de R$ 272 bilhões. É uma medida que vai afetar apenas os 3% da população com renda mensal de R$ 80 mil e patrimônio líquido superior a R$ 22 milhões — argumentou.

Autor de um dos projetos que propõe a criação do imposto sobre grandes fortunas (IGF), o senador Plínio Valério (PSDB-AM) também usou as redes para pedir urgência sobre o tema e chamou os mais ricos a darem sua cota para a superação da crise. De acordo o PLP 183/2019, o IGF vale para quem tem patrimônio líquido superior a R$ 22,8 milhões, com alíquotas entre 0,5% e 1%.  O projeto de Plínio conta com o apoio de mais de 330 mil pessoas por meio do Portal e-Cidadania, o que, segundo o senador, é um importante respaldo.

Leia maisSenadores pedem votação de proposta para taxar grandes fortunas

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: