Superlotado, hospital privado de Natal fecha pronto-socorro temporariamente para novos atendimentos

Casa de Saúde São Lucas fechou o pronto-socorro após superlotação — Foto: Redes sociais

A Casa de Saúde São Lucas, hospital da rede de saúde privada de Natal, fechou o pronto-socorro nesta quarta-feira (10) para novos atendimentos, porque está lotado. O aumento dos casos de Covid-19 impactou na ocupação da unidade, que vai reabrir gradativamente, quando os pacientes forem recebendo alta.

Segundo a administração do São Lucas, por volta das 15h desta quarta cinco pacientes com suspeita de coronavírus chegaram ao hospital em estado grave. Eles precisaram ser entubados e todas as equipes de plantão (cinco médicos) foram deslocadas para atendê-los.

Essas cinco pessoas ficaram no pronto-socorro, que já estava lotado. Por isso a decisão de fechar o hospital para a entrada de novos pacientes.

De acordo com o boletim epidemiológico divulgado no final da tarde desta quarta-feira pela Secretaria de Saúde do Estado, na rede privada os leitos de semi UTI estão 95% ocupados e os de UTI 62%. Com relação à rede pública, a situação é de 86% de ocupação dos leitos semi intensivos e 88% das UTIs.

Ainda segundo o boletim, o Rio Grande do Norte registrou mais 28 mortes por Covid-19 e 541 novos casos confirmados nas últimas 24 horas. Ao todo, o estado chegou a 11.568 casos e tem 487 mortes desde o início da pandemia.

Denúncia de violência doméstica pode ser feita em farmácias com apenas um gesto

Imagine se para denunciar uma violência doméstica você pudesse apenas ir a uma farmácia e fazer um sinal para o atendente, e isso bastasse para seu caso chegar às autoridades de combate a este crime. Esse é o objetivo da campanha “Sinal vermelho contra a violência doméstica” criada pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) em parceria com a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) entre outra entidades.

Pela proposta, uma mulher que queira realizar uma denúncia poderá ir em qualquer farmácia e apresentar ao atendente a palma da sua mão com um “X” desenhado. O funcionário se encarregará de comunicar às autoridades e não precisará se envolver com caso, nem como testemunha.

Segundo a AMB, até o momento mais de 10 mil farmácias já aderiram à campanha. Para participar, a empresa interessada deve assinar digitalmente o termo de adesão da campanha, em formato de foto, e enviar para o e-mail sinalvermelho@amb.com.br.

Leia maisDenúncia de violência doméstica pode ser feita em farmácias com apenas um gesto

Feriado de Mártires de Cunhaú e Uruaçu é antecipado para sexta-feira (12)

A Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte aprovou, na manhã desta quarta-feira (10), a antecipação do feriado estadual do dia 3 de outubro, que é o “Dia Estadual à Memória dos Mártires de Uruaçu e Cunhaú”. O feriado será na sexta-feira (12), a pedido do Governo do Estado, com o objetivo de colaborar com o distanciamento social. A antecipação foi aprovada por 14 votos favoráveis e cinco contrários.

O projeto foi enviado pela governadora Fátima Bezerra na terça-feira (2) e autoriza o Poder Executivo a antecipar os feriados estaduais por decreto. O texto prevê que a antecipação dos feriados via decreto fica autorizada enquanto durar o estado de calamidade pública no Rio Grande do Norte, em função da crise na saúde pública pela pandemia do coronavírus. O único o feriado estadual disponível neste ano para antecipação seria o do dia 3 de outubro.

O maior entrave para a medida seria a tramitação da matéria na Assembleia Legislativa, que dependia da anuência dos líderes partidários no Poder Legislativo. Contudo, houve a concordância por parte dos líderes e a proposta pôde ser votada.

Com o feriado de Corpus Christi, na quinta-feira (11), o Governo pretende fazer com que o feriadão colabore com o aumento no percentual de pessoas em distanciamento social. A expectativa é que o decreto com a antecipação do feriado seja publicado já nesta quinta-feira.

PF investiga fraude nas compras emergenciais de insumos hospitalares para combate ao Covid-19

POLÍCIA FEDERAL PROMOVE OPERAÇÃO CONTRA O TRÁFICO DE DROGAS EM ...

A Polícia Federal deflagrou nesta quarta-feira (10/6) a denominada OPERAÇÃO DÚCTIL, visando desarticular esquemas de fraudes na aquisição emergencial de materiais e insumos médico-hospitalares para atendimento das demandas das unidades de saúde estaduais como estratégia de prevenção, enfrentamento e contenção da pandemia da COVID-19.

A ação decorre de trabalho conjunto entre a Polícia Federal, Controladoria-Geral da União e Ministério Público Federal, que resultou no cumprimento de 2 mandados de prisão temporárias e 15 mandados de busca e apreensão, todos expedidos pela 3ª Vara da Justiça Federal de Rondônia.

Os mandados estão sendo cumpridos em Porto Velho/RO, São Miguel do Guaporé/RO, Rolim de Moura/RO, Manaus/AM, Santo André/SP, São Bernardo do Campo/SP, São Caetano do Sul/SP e Tabapuã/SP. Os valores totais das contratações suspeitas ultrapassam a quantia de R$ 21 milhões.

Durante as investigações, foram apurados indícios de apresentação de atestados de capacidade técnica falsos e a possível atuação de empresários em conluio com agentes públicos da Secretaria Estadual de Saúde.

Com base na análise dos processos licitatórios, a CGU constatou ainda indícios de irregularidades nos procedimentos de homologação das propostas, ausência de representatividade legal de suposto representante comercial, bem como o pagamento adiantado de cerca de R$ 3 milhões à empresa sem apresentação de garantias suficientes para cobrir os riscos relacionados à entrega dos produtos.

A Operação DÚCTIL é deflagrada simultaneamente com a Operação ASSEPSIA, conduzida pela Superintendência da Polícia Federal no Acre, em conjunto com a CGU, que também investiga fraudes relacionadas às compras emergenciais da COVID-19, praticadas por empresa envolvida nas licitações em Rondônia.

Os presos, após interrogados na sede da Polícia Federal, serão encaminhados a presídios estaduais, onde permanecerão à disposição da Justiça, e responderão, junto com os demais indiciados, pelos crimes de fraude a licitações (Lei nº 8.666/93), falsidade ideológica (art. 299 do CP), associação criminosa (artigo 288 do CP), lavagem de dinheiro (artigo 1º da Lei 9.613/98), dentre outros ilícitos a serem apurados.

O nome da Operação Dúctil refere-se ao que pode ser conduzido, direcionado, como menção aos prováveis direcionamentos das licitações. Além disso, o termo possui relação com o que é elástico, moldável, como no caso das empresas que modificam o ramo de atividade, durante a pandemia, para participar de licitações milionárias realizadas pela Administração Pública.

Em plena pandemia, prefeito de São Rafael faz farra com dinheiro público e vai torrar quase 1,5 milhões em combustível

O prefeito de São Rafael, Reno Marinho, que se auto intitula o pregador de “boa conduta”, e diversas outras práticas relacionadas a moralidade, só que na prática é bem diferente, então, a pregação só acontece mais no discurso mesmo, e ele se consagra no mundo político, como aquele que prega muito mas não faz.

Ano passado (2019), o prefeito gastou quase R$ 1 milhão em combustíveis com a empresa J. ASSIS DE MOURA ME, já esse ano, o prefeito pretende gastar com a empresa S & A Auto Posto, quase meio milhão a mais do que no ano passado. A conduta do prefeito que “fala mais do que faz”, se complica cada vez mais.

Reno Marinho no falatório é bom demais, mas deixa a máscara cair na prática, e isso mostra que sua vida e seu discurso são de mentira, pois em plena pandemia, pretende gastar mais dinheiro esse ano do que os anteriores, quando o maior objetivo do município era para diminuir os gastos públicos com coisas que não são “essenciais” e investir mais dinheiro na saúde.

Por mais que amanhã, o prefeito Reno vá pra o rádio, querer desmentir o que publicamos, o Blog do VT quer saber algo, pra que ele publica contrato de 1 milhão e meio de reais, se não tem intenção de gastar? Qual a desculpa que ele vai dar pra se justificar?

Diz um ditado que quem muito se explica, se complica.

Comissão do Consumidor aprova matéria que garante insumos para conter novo Coronavírus

Sob a justificativa de que o direito à vida e à saúde são preceitos constitucionais previstos na Constituição Federal, o Projeto de Lei 40/2020, de autoria da deputada Isolda Dantas (PT), que dispõe sobre o estabelecimento de medidas extraordinárias de garantia à oferta de produtos e insumos, para conter a disseminação do novo Coronavírus, foi aprovado na reunião da Comissão de Defesa do Consumidor, Meio Ambiente e Interior, realizada no final desta tarde (9) pelo sistema de videoconferência da Assembleia Legislativa.

“A proposição objetiva garantir o acesso de toda a população do Rio Grande do Norte, consumidores finais, inclusive os centros hospitalares, clínica médica e centros de saúde, aos produtos destinados à prevenção e ao combate do novo Coronavírus (Covid-19)”, registrou a deputada em sua propositura.

De acordo com a parlamentar, as últimas medidas tomadas pelo Governo do Estado, com edição de decretos que buscam o enfrentamento da Situação de Emergência em Saúde Pública provocada pelo Coronavírus, o projeto busca igualmente atuar nesse enfrentamento e garantir que o mercado de produtos como álcool em gel, insumos para fabricação do álcool em gel, luvas médicas, máscaras médicas, hipoclorito de sódio 5% e álcool 70%, e outros relacionados ao combate possam manter preço compatível com o habitualmente.

Ainda na reunião, que contou com a presença dos deputados Ubaldo Fernandes (PL), presidente da Comissão; Kleber Rodrigues (PL) e Sandro Pimentel (PSOL), foram aprovadas mais sete matérias, de iniciativas dos deputados Francisco do PT, Sandro Pimentel (PSOL), Hermano Morais (PSB), Allyson Bezerra (SDD) e Nelter Queiroz (MDB).

Comércio de rua reabre nesta quarta-feira em São Paulo; entenda regras

Prefeitura de São Paulo proíbe comércio presencial até 5 de abril ...

O comércio de rua na cidade de São Paulo volta a ter o funcionamento liberado a partir desta quarta-feira, 10, após mais de dois meses de restrições para evitar a propagação do novo coronavírus. A atividade terá de respeitar uma série de regras acordadas entre a Prefeitura e entidades do setor, como medidas de higiene e horário limitado.

O protocolo firmado entre as partes se divide em doze grupos de medidas: distanciamento social, higiene, sanitização de ambientes, orientação de clientes, orientação aos colaboradores, compromisso para testagem de colaboradores, compromisso para testagem de clientes, horários alternativos, redução de expediente, atendimento agendado, fiscalização do setor e apoio para para colaboradores afetados pelo fechamento de creches e escolas.

Veja a seguir os principais pontos de cada grupo e entenda como funcionará as regras, de acordo com informações extraídas do protocolo.

Leia maisComércio de rua reabre nesta quarta-feira em São Paulo; entenda regras

Partidos terão de devolver mais de R$ 27 milhões aos cofres públicos

Fundo Partidário

O total de 31 dos 32 partidos políticos registrados no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em 2014 terá de devolver aos cofres públicos R$ 27,2 milhões, atualizados e corrigidos monetariamente, por irregularidades na aplicação do Fundo Partidário destinado às legendas para o exercício financeiro daquele ano (R$ 364 milhões). A soma foi apurada a partir das decisões tomadas pelos ministros do Tribunal nas análises das prestações de contas de 2014. Apenas uma foi aprovada, 11 foram aprovadas com ressalvas e 20 foram desaprovadas.

A aprovação com ressalvas ocorre quando são verificadas impropriedades de natureza formal, falhas ou ausências irrelevantes. Já a desaprovação surge quando há irregularidades graves que comprometam as contas; nos casos em que documentos e informações são apresentados parcialmente e de forma que não seja possível atestar a movimentação financeira do órgão partidário; e quando ficar comprovado que a declaração não corresponde à verdade.

No rol de punições aos partidos, a Corte Eleitoral também determinou, para a maioria das legendas, a suspensão do repasse de cotas do Fundo Partidário por períodos que variam conforme o caso.

“Na hipótese do cumprimento das sanções impostas aos partidos, a lei prevê a possibilidade de parcelamento do débito com a União, de modo a garantir o funcionamento do partido”, explica o assessor-chefe de Exame de Contas Eleitorais e Partidárias do TSE, Eron Pessoa.

Leia maisPartidos terão de devolver mais de R$ 27 milhões aos cofres públicos

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: