Infecções aumentam em pelo menos 12 capitais que fizeram reabertura

O número de casos de covid-19 subiu em ao menos 12 capitais brasileiras que deram início ao processo de retomada das atividades econômicas. Com o avanço pandemia e consequentemente o aumento da pressão sobre o sistema de saúde, algumas cidades já decidiram recuar da flexibilização e adotar medidas mais restritivas contra o coronavírus nos últimos dias.

Para fazer a análise, o Estadão levantou quantos novos casos foram registrados diariamente pelas capitais desde o início da pandemia, em março, com base em informações reunidas pela plataforma colaborativa Brasil.io. A reportagem comparou a média do fim de junho com a do momento em que a reabertura foi implementada em cada cidade, independentemente do grau de liberação, que varia de um local para outro.

O levantamento aponta que, após o retorno de atividades não essenciais, houve aumento da média de infectados por dia em São Paulo, Belo Horizonte e Vitória, na região Sudeste. No Sul, as três capitais também estão com mais casos: Curitiba, Florianópolis e Porto Alegre. Outras cidades que sofreram alta são Brasília, Campo Grande e Cuiabá, no Centro-Oeste, além de Salvador e João Pessoa, no Nordeste, e de Palmas, na região Norte.

O aumento da covid-19 não é uniforme entre as capitais. Em São Paulo, cujo plano de reabertura gradual foi implementado pelo governador João Doria (PSDB) no início de junho, o número de casos diários subiu 15%, variação que não levou ao aumento de internações. Já em Brasília, onde o governador Ibaneis Rocha (MDB) reabriu o comércio no fim de maio, os índices quintuplicaram ao longo do mês passado.

Foram consideradas na análise 18 das 27 capitais brasileiras. Nos locais descartados, ou ainda não há plano de retomada dos setores econômicos ou as ações começaram há menos de duas semanas, tempo considerado necessário por especialistas para avaliar possíveis impactos das medidas. É nessa situação que se enquadram as cidades de Goiânia, no Centro-Oeste; Aracaju, Maceió, Natal, Teresina, no Nordeste; além de Boa Vista, Macapá, Porto Velho e Rio Branco, na região Norte.

Leia maisInfecções aumentam em pelo menos 12 capitais que fizeram reabertura

Sandro Pimentel requer à Cosern que suspenda cobrança de energia do Aquário Natal

Preocupado com a situação crítica que acomete o Aquário Natal, localizado em Extremoz, que, por causa das medidas de combate ao Coronavírus, está sem receber visitas e, portanto, sem arrecadar dinheiro, o deputado estadual Sandro Pimentel (PSOL) solicitou à Companhia Energética do Rio Grande do Norte (Cosern) a suspensão do pagamento de energia elétrica do local durante a crise sanitária. Em caso de impossibilidade do atendimento do pedido, o parlamentar sugeriu o firmamento de uma parceria entre ambas as empresas, de modo a evitar o corte do serviço.

De acordo com o deputado, a interrupção da energia do Aquário Natal trará sérios prejuízos à vida dos mais de 300 animais existentes nesse zoológico. “Diante da crise sanitária e o necessário isolamento social, o Aquário Natal não tem recebido visitas e, por isso mesmo, não tem condições de pagar seus custos para se manter aberto enquanto não houver visitas pagas novamente. O Aquário Natal é um espaço muito importante para nosso estado, sendo um alojamento de toda sorte de animais, não apenas aquáticos como também terrestres e aves. Por isso, peço a suspensão de cobrança, para ajudar a sobrevivência desse patrimônio do Rio Grande no Norte”, declarou Sandro Pimentel.

O aquário existe desde 1999 e abriga diversas espécies de animais, tais como, tubarão, moreias, peixes de corais, cavalos marinhos, além de pinguins, jacarés, pirarucu, entre outros. Ele também serve de apoio para o Projeto Tamar.

Gabinete de Jair Bolsonaro na Câmara manteve vaivém suspeito de salários e verbas

A análise dos documentos relativos aos 28 anos em que Jair Bolsonaro foi deputado federal, de 1991 a 2018, mostra uma intensa e incomum rotatividade salarial de seus assessores, atingindo cerca de um terço das mais de cem pessoas que passaram por seu gabinete nesse período.

O modelo de gestão incluiu ainda exonerações de auxiliares que eram recontratados no mesmo dia, prática que acabou proibida pela Câmara dos Deputados sob o argumento de ser lesiva aos cofres públicos.

Folha se debruçou nos últimos meses sobre os boletins administrativos da Casa, identificando uma ação contínua. De um dia para o outro, assessores chegavam a ter os salários dobrados, triplicados, quadruplicados, o que não impedia que pouco tempo depois tivessem as remunerações reduzidas a menos de metade.

Mesmo assim, dois deles disseram à reportagem nem mesmo se lembrar dessas variações formalizadas pelo gabinete de Jair Bolsonaro.

Nove assessores de Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) que tiveram o sigilo quebrado pela Justiça na investigação sobre “rachadinha” (desvio de dinheiro público por meio da apropriação de parte do salários de funcionários) na Assembleia Legislativa do Rio foram lotados, antes, no gabinete do pai na Câmara dos Deputados.

Ao menos seis deles estão na lista dos que tiveram intensa movimentação salarial promovida por Jair Bolsonaro quando era deputado federal.

Leia maisGabinete de Jair Bolsonaro na Câmara manteve vaivém suspeito de salários e verbas

Em meio à pandemia, Capes avalia reduzir áreas na pós-graduação

A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) sugeriu redução substantiva do número das áreas do conhecimento dos programas de pós-graduação. Segundo a autarquia, a atual organização em 49 áreas de avaliação não se ajusta à realidade atual da ciência, cada vez menos segmentada. A proposta é agrupar em nove grandes áreas.

A sugestão foi apresentada em um relatório da Comissão de Acompanhamento do Plano Nacional de Pós-Graduação (PNPG 2011-2020) de fevereiro deste ano (veja a íntegra). Em 16 de junho, uma portaria assinada pelo presidente da Capes, Benedito Guimarães Aguiar Neto, determinou a criação de uma comissão especial voltada à essa atualização em até 45 dias.

“Em função da crescente interdisciplinaridade e da evolução do conhecimento, a atual organização em 49 áreas de avaliação não se ajusta à realidade atual da ciência, cada vez menos segmentada. Assim, sugerimos reduzir substantivamente o número de áreas de avaliação tendo como referência as nove grandes áreas do conhecimento”, diz o relatório.

Leia maisEm meio à pandemia, Capes avalia reduzir áreas na pós-graduação

PRF recupera carreta com carga de cerveja após roubo com sequestro no RN

Carga recuperada em Macaíba — Foto: PRF/Reprodução

Uma carga de cerveja avaliada em cerca de R$ 217 mil foi recuperada pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) após o roubo de uma carreta com sequestro do motorista em Canguaretama, cidade do litoral sul do Rio Grande do Norte. O caso ocorreu na noite de sexta-feira (3). O condutor também foi liberado.

De acordo com a PRF, após o roubo da carreta com a cerveja, o motorista foi levado pelos bandidos. Os criminosos tiraram o motorista do caminhão e o colocaram em um veículo branco modelo Ônix. A carreta seguiu para Macaíba, na Grande Natal e o carro com o refém seguiu caminho para Parnamirim.

O carro de passeio foi abordado por uma equipe da Polícia Rodoviária Federal (PRF). Os criminosos fugiram e o refém foi libertado. A carreta foi abandonada pelos criminosos em um posto de combustíveis em Macaíba.

G1RN

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: