Futuro do turismo potiguar é debatido na Assembleia Legislativa

Debater o futuro do turismo, um dos principais potenciais econômicos do Rio Grande do Norte, diante dos impactos causados pela pandemia do novo Coronavírus. Esse foi o principal objetivo da audiência pública “Planejando o Turismo do RN”, que foi promovida, de forma remota, na manhã desta segunda-feira (14), pela Assembleia Legislativa, através do mandato do deputado Coronel Azevedo (PSC).

De acordo com o parlamentar, o intuito da audiência pública foi debater iniciativas que contribuam para alavancar o setor que mais emprega no Estado. “O Rio Grande do Norte se destaca dentro e fora do Brasil pelo seu potencial turístico. Por isso, é preciso planejar ações integradas para apoiar a geração de emprego e renda propiciada por essa atividade econômica. Nesse sentido, o diálogo plural é essencial para que possamos levantar ideias e colocá-las em prática o quanto antes”, argumentou o deputado.

Dando início ao debate, a representante da Setur (Secretaria de Turismo do RN), Solange Portela, fez uma apresentação de como a instituição vem trabalhando, em parceria com a Emprotur (Empresa Potiguar de Promoção Turística), desde o surgimento da pandemia.

“Este ano nós tivemos que readequar nosso planejamento, devido à Covid-19. E para que isso fosse possível a Emprotur realizou diversas pesquisas, tanto com agentes internos, como os gestores municipais, quanto com os agentes e operadores de fora do Estado, para conhecer melhor o cenário e saber quais estratégias iríamos tomar”, contou.

De acordo com Solange Portela, um dos pontos mais importantes, relatados na pesquisa por turistas e agentes de viagens, foram os cuidados com os protocolos de segurança sanitária.

“De posse dessas informações nós elaboramos um plano de retomada, que não foi feito de maneira isolada, mas com a ajuda da Fecomércio, ABIH, Abrasel – Associação Brasileira de Bares e Restaurantes, Sindetur – Sindicato das Empresas de Turismo do RN. E a partir disso nós levamos o plano para ser discutido no Conselho Estadual de Turismo, nos cinco conselhos regionais e nos principais destinos que têm um conselho municipal regular”, explicou.

Leia maisFuturo do turismo potiguar é debatido na Assembleia Legislativa

Setembro Cidadão: live da Assembleia Legislativa debate sobre educação em tempos de pandemia

A Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte promoveu na manhã desta segunda-feira (14), através da Tv Assembleia, um debate em formato de live, que abordou o tema: Educação em tempos de pandemia. O encontro virtual, mediado pelo jornalista Gerson de Castro, trouxe como convidados a professora e educadora Betânia Ramalho, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e ex-secretária Estadual de Educação e o jornalista Aluísio Lacerda, chefe da Divisão do Memorial da Resistência da Assembleia Legislativa que também faz parte do Projeto Setembro Cidadão Entrevista.

A live é o resultado do apoio da assembleia Legislativa e da TV Assembleia ao Projeto Setembro Cidadão, objeto de Lei Complementar estadual nº 494/2013 dentro do Programa Brasileiro de Educação Cidadã, idealizado por Jarbas Bezerra e Lígia Limeira.

“A iniciativa do Legislativo Potiguar em apoiar esse projeto tem contribuído muito para a efetiva discussão e o aprimoramento da cidadania no nosso Estado. Eu acredito que quanto mais os cidadãos forem bem formados e se sentirem engajados, maior é a possibilidade de termos uma efetiva cidadania. Por isso, nós da TV Assembleia nos sentimos muito honrados por sermos o canal de transmissão e parceiros de produção desses eventos. Mesmo que, devido à pandemia, não possamos estar no mesmo lugar, a tecnologia nos possibilita estarmos juntos em prol da cidadania do Rio Grande do Norte”, disse o gerente executivo da TV Assembleia, Gerson de Castro.

Já no início das discussões, a professora Betânia Ramalho destacou a importância do espaço para formação do cidadão mais consciente. “Muito importante que a educação, que é um campo de formação de todos os profissionais, tenha esse meio de discussão tão importante. Ainda mais se entendermos que este é o fator mais eficiente e mais importante no desenvolvimento humano”, destacou.

Focada no tema do encontro, a convidada ressaltou os efeitos da pandemia na educação e trouxe uma reflexão importante sobre o tema. “A pandemia pegou de surpresa o planeta. Já vivíamos em uma situação alarmante, quando falamos na qualidade da educação entregue a sociedade. Essa pandemia chega em um momento que a educação já era muito ruim e que agora se aguça porque estamos há seis meses, sem escolas funcionando, onde os alunos não estão frequentando o lugar onde eles eram educados, e onde para muitos, aquele era o único espaço onde havia o verdadeiro sentido de família e formação”, disse.

Leia maisSetembro Cidadão: live da Assembleia Legislativa debate sobre educação em tempos de pandemia

Hermano requer que Governo inclua bandas de música nas ações da Lei Aldir Blanc

Depois de ouvir o Colegiado de Líderes, o deputado estadual Hermano Morais (PSB) solicitou, através de requerimento apresentado à Mesa Diretora da Assembleia Legislativa, que a Fundação José Augusto inclua as demandas da União das Bandas de Música do RN (Unibam), nas ações estaduais de cultura a serem desenvolvidas com os recursos da Lei Aldir Blanc. O requerimento foi encaminhado à governadora Fátima Bezerra (PT) e ao presidente da FJA, Crispiniano Neto.

“As bandas de música do Estado do Rio Grande do Norte vivem com dificuldades. Os recursos que chegam são insuficientes, o que as fazem penar para subsistir”, afirmou Hermano em seu requerimento. Para o parlamentar, a falta de ajuda financeira é uma “demonstração de que o poder público não consegue visualizar a importância cultural, musical e social que as bandas oferecem, formando músicos e tirando centenas de jovens da condição de marginalidade”, reforçou Hermano.

De acordo com o deputado, as bandas vêm sobrevivendo, em sucessivos governos estaduais, que nunca criaram políticas públicas voltadas para este segmento, sem apoio ‘material, financeiro e institucional’. O deputado reforça, em seu requerimento, que as bandas de música são parte integral da história dos municípios e que formam jovens não apenas para a música, mas para a vida.

Petrobrás vai se concentrar em SP e no Rio; Estados lançam a campanha ‘fica’

Ação da Petrobras está com um desconto de 37% e é oportunidade de compra – Money Times

De saída das regiões Norte, Nordeste e Sul do País, a Petrobrás enfrenta a resistência de governos locais à venda dos seus ativos. A empresa já anunciou que vai concentrar investimentos no Rio de Janeiro e em São Paulo, onde está o petróleo do pré-sal. Mas, para conseguir sair dos demais Estados, vai precisar negociar uma série de dívidas ambientais, tributárias e trabalhistas. Governadores e parlamentares não têm pressa em deixar a estatal ir embora. Além dos passivos acumulados, eles também estão atentos a uma possível queda na arrecadação e à contração do mercado de trabalho.

Ao todo, existem 164 áreas de produção de petróleo e gás da Petrobrás sendo vendidas em todo o Brasil, segundo mapeamento divulgado pela agência de notícias especializada epbr, atualizado em agosto deste ano. Desse total, 148 áreas estão localizadas fora do eixo Rio-São Paulo. A empresa também está se desfazendo de infraestrutura logística, usinas térmicas, eólicas e de biocombustíveis, fábricas de fertilizantes e terminais de importação de gás natural líquido.

Na tentativa de anteciparem possíveis problemas que surjam com os desinvestimentos, representantes dos governos e deputados de seis Estados têm se reunido virtualmente com a Frente Parlamentar Mista em Defesa da Petrobrás, do Congresso, que lançou há pouco mais de um mês a campanha ‘Petrobrás, fica!’. “É um clamor para que a empresa explique por que está deixando o resto do Brasil e se concentrando no Rio e em São Paulo. O que ela vai fazer com os incentivos fiscais e passivos de anos?”, questionou o presidente da frente parlamentar, Jean Paul Prates (PT-RN).

Leia maisPetrobrás vai se concentrar em SP e no Rio; Estados lançam a campanha ‘fica’

CHAPA HOMOLOGADA: Marineide Diniz e Júnior Benevides vão disputar a prefeitura de Carnaubais

No ultimo sábado, o partido Democratas de Carnaubais oficializou a candidatura de Marineide Diniz como prefeita e vice da chapa, o ex-prefeito Júnior Benevides.

O encontro contou com a presença de diversas lideranças locais e estaduais, como o deputado estadual Coronel Azevedo, que deu apoio irrestrito a candidatura da chapa.

Diante de tanto escândalo que vive hoje a cidade de Carnaubais, envolvendo o atual prefeito Thiago Meira, a população sonha com dias melhores. A pré candidata Marineide Diniz destacou: “Estou preparada para ao lado de Júnior Benevides, devolver a prefeitura ao povo e virar uma página na história de Carnaubais. Estamos juntos nessa grande caminhada rumo a vitória”.

Bolsonaro veta perdão a dívidas de igrejas, mas sugere que Congresso derrube sua própria decisão

O presidente Jair Bolsonaro Foto: Marcos Correa / Divulgação

Atendendo à equipe econômica, o presidente Jair Bolsonaro vetou trecho da lei aprovada pelo Congresso que concedia perdão a dívidas previdenciárias e tributárias de igrejas e templos. A medida foi assinada na última sexta-feira e será publicada no Diário Oficial da União nesta segunda-feira. Após a Secretaria-Geral da Presidência comunicar o veto, Bolsonaro foi às redes sociais e defendeu que o Congresso derrube sua própria decisão. Além disso, afirmou que vai enviar uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) para “uma possível solução para estabelecer o alcance adequado para a a imunidade das igrejas nas questões tributárias”.

Em nota divulgada à imprensa, a Secretaria-Geral informou que o presidente decidiu vetar a proposta porque ela apresentava “obstáculo jurídico incontornável”, que poderia implicar em crime de responsabilidade. Nas redes, Bolsonaro afirmou que a medida foi necessária “para que eu evite um quase certo processo de impeachment”. No mesmo texto, o presidente defendeu que os parlamentares derrubem sua decisão:

“Confesso, caso fosse Deputado ou Senador, por ocasião da análise do veto que deve ocorrer até outubro, votaria pela derrubada do mesmo”, escreveu.

As dívidas das igrejas totalizam R$ 889 milhões em débitos inscritos na Dívida Ativa da União. A proposta retirava templos da lista de pessoas jurídicas sobre as quais incide a Contribuição Social sobre Lucro Líquido (CSLL). Apesar de vetar esse ponto, o presidente sancionou, por outro lado, artigo que afirma que não se considera como remuneração, para efeitos previdenciários, o valor pago por entidades religiosas a pastores e ministros. O que dá brecha para que, no futuro, não seja aplicada tributação sobre essas atividades.

Leia maisBolsonaro veta perdão a dívidas de igrejas, mas sugere que Congresso derrube sua própria decisão

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: