Saque emergencial do FGTS: Caixa abre 16 agências do RN neste sábado (17)

Agência da Caixa em São Gonçalo do Amarante abre neste sábado (17) — Foto: Quézia Oliveira/Inter TV Cabugi

A Caixa abre neste sábado (17) 16 agências do Rio Grande do Norte para atendimento aos beneficiários do Saque Emergencial do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). O funcionamento será das 8h às 12h.

Os trabalhadores nascidos em julho e agosto poderão retirar em espécie os valores referentes ao Saque Emergencial do FGTS. Também será possível transferir os valores, via aplicativo Caixa Tem, para outra conta, da Caixa ou de outras instituições financeiras.

A Caixa informa que todas as pessoas que procurarem atendimento durante o funcionamento das agências serão atendidas, e que não é preciso chegar antes do horário de abertura.

Veja quais agências vão funcionar neste sábado (17):

  • Assu
  • Caicó
  • Ceará-Mirim
  • Goianinha
  • João Câmara
  • Macaíba
  • Mossoró (Centro)
  • Mossoró (Ilha de Santa Luzia)
  • Natal (Cidade Alta)
  • Natal (Potengi – Avenida João Medeiros Filho)
  • Natal (Potengi – Avenida das Fronteiras)
  • Parnamirim (Centro)
  • Pau dos Ferros
  • Santa Cruz
  • São Gonçalo do Amarante (Av. Tomaz Landim)
  • São José de Mipibu
G1RN

Eleições 2020: MPRN consegue impugnação de candidaturas de condenados na Operação Sal Grosso

Os três envolvidos tiveram seus registros de candidatura cancelados devido às condenações criminais e de improbidade
O Ministério Público Eleitoral (MPE), por meio da 14ª Promotoria de Justiça de Mossoró com atribuições perante a 34ª Zona Eleitoral do Esstado, conseguiu na Justiça Eleitoral o indeferimento do registro de candidatura de três condenados pelos crimes descortinados na Operação Sal Grosso. Daniel Gomes da Silva, Manoel Bezerra de Maria e Maria Izabel de Araújo Montenegro (atual Presidente da Câmara de Vereadores de Mossoró) foram declarados inelegíveis com base na Lei da Ficha Limpa, haja vista que foram condenados em decisões proferidas pela Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Norte (TJRN), pela prática de crimes como corrupção passiva e improbidade administrativa.
Os crimes a que se referem as decisões do TJRN foram descortinados pela Operação Sal Grosso, deflagrada em 2007, e que teve como finalidade investigar a apropriação ilegal de verba pública para o pagamento de despesas dos membros da Câmara Municipal de Mossoró.
Esses recursos desviados pelos condenados faziam parte da chamada verba de manutenção de gabinete, uma espécie de suprimento de fundos que tem por objetivo recompor as despesas excepcionais assumidas pelo vereador e utilizadas no exercício de suas atividades parlamentares. As verbas eram concedidas em regime de adiantamento, sempre precedida de empenho, para realização de despesas que não possam se subordinar ao processo normal de aplicação, e que no âmbito da Câmara Municipal de Mossoró é disciplinada por uma resolução interna.

Leia maisEleições 2020: MPRN consegue impugnação de candidaturas de condenados na Operação Sal Grosso

PREPOTÊNCIA OU INCOMPETÊNCIA? Prefeitura de São Rafael não se adequa a transparência exigida pelo Ministério Público

A prefeitura de São Rafael, comandada pelo prefeito Reno Marinho, parece estar remando contra a maré, pois onde deveria haver transparência com os recursos do povo, faz o contrário, gerando dúvidas e incertezas sobre a transparência no município.

Os dados foram extraídos ontem do portal Confúcio, idealizado pelo Ministério Público e o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO), que segundo o portal, entende que o ente Público fiscalizado, ou seja, o município de São Rafael não se adequa à Lei de Acesso, ao não apresenta-la no respectivo Portal da Transparência (acesse aqui o documento).

Além disso, o prefeito Reno Marinho recebeu a quantia de R$ 1.425.180,00, mas só gastou R$ 471.653,00, que totaliza cerca de 33.09% referentes aos gastos da Covid-19, segundo os dados extraídos ontem do portal (documento aqui).

Parece que  o prefeito Reno Marinho, não está muito preocupado com os órgãos fiscalizadores, e isso pode ser considerado em muitos casos como prepotência do prefeito ou apenas incompetência de sua gestão. Uma coisa é fato, o Brasil está cheio de escândalos e investigações, oriundos da falta de transparência e clareza nos dados dos portais, porque é uma obrigação do gestor explicar o que gasta e o que não gasta, e o mais importante, deixar os dados disponíveis para que todos saibam onde está indo o dinheiro que a Prefeitura recebe.

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: