Caso Kerinho: MP Eleitoral defende indeferimento do registro de candidatura

O Ministério Público Eleitoral apresentou um parecer favorável ao indeferimento do registro de candidatura de Kericlis Alves Ribeiro, que concorreu ao cargo de deputado federal em 2018, no Rio Grande do Norte. Kerinho, como é mais conhecido, disputou as eleições com seu registro “sub judice” e a posterior validação de seus votos permitiu um novo cálculo do coeficiente eleitoral, garantindo ao deputado federal Beto Rosado assumir a vaga que estava com Fernando Mineiro na Câmara Federal. A depender da decisão da Justiça Eleitoral, este último pode reaver o cargo.

Inicialmente, Kerinho teve seu registro de candidatura indeferido por um suposto atraso na entrega de documentos, porém o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) modificou a decisão das instâncias inferiores e acolheu um relatório apontando que o erro havia sido no sistema da própria Justiça Eleitoral. No entanto, tais documentos não incluíam a comprovação de pagamento ou parcelamento de uma multa eleitoral, cujo prazo de apresentação se esgotou em agosto de 2018 sem ter sido cumprido.

O parecer do procurador Regional Eleitoral, Ronaldo Sérgio Chaves Fernandes, aponta que, além dessa multa, novas informações surgiram dando conta de que Kerinho, já durante a campanha, ainda mantinha um cargo comissionado na Prefeitura de Monte Alegre, o que não é permitido pela legislação eleitoral. A Lei das Eleições obriga os candidatos a se desincompatibilizarem de cargos públicos três meses antes do pleito.

Questionada a respeito, a Prefeitura de Monte Alegre confirmou (com envio inclusive dos contracheques) que Kericlis Ribeiro “ocupou o cargo em comissão de Coordenador de Apoio aos Conselhos, junto à Secretaria de Trabalho, Habitação e Assistência Social” de fevereiro de 2017 até 30 de dezembro de 2018, portanto durante toda a campanha eleitoral.

“(…) não houve a devida desincompatibilização em relação ao referido cargo de confiança, incidindo assim essa causa de inelegibilidade, o que também constitui óbice ao deferimento do registro de candidatura”, conclui Ronaldo Chaves.

Leia maisCaso Kerinho: MP Eleitoral defende indeferimento do registro de candidatura

ACORDADO: Samuel “Rico” será agraciado com “cala boca” no gabinete de George Soares

O ano de 2021 já começou com muita confusão para o “toma lá dá cá” de cargos prometidos pelos Soares. E com medo de que algum aliado dê com a língua nos dentes, a oligarquia Soares já tratou de resolver a insatisfação de Samuel “Rico”, ex secretário e homem forte da gestão de Ronaldo Soares e de Gustavo Soares, pois ele teve que ficar de fora da gestão de Gustavo e Fabielle, mas isso não significa que ele ficará sem salário.

A decisão foi que já que ele não cabe mais na gestão atual, será nomeado com uma gratificação até gorda no gabinete do deputado George Soares, e com isso, acabam as ameaças e insinuações de que ele se torne um possível adversário, e coloque em risco a eleição tão sofrida da dupla dinâmica Gustavo e Fabielle.

A nomeação pode até sair do papel, mas como o MP está de olho em pessoas que não cumprem expediente, talvez não dure muito, pois o salário não dará para bancar as despesas do ex secretário na capital não, e ai caso isso aconteça, será mais um pepino para a oligarquia resolver.

Gustavo Soares e Fabielle cumprem acordos com familiares de investigados e cassação pode estar mais perto

Mesmo com as alegações de que não tem relação com os alvos investigados pelo MPE e TRE/RN, o prefeito Gustavo Soares e a vice Fabielle deram um tapa na cara da justiça eleitoral e escancaram todas as suas relações com os investigados, pois nomearam seus familiares diretos na administração em cargos do mais alto escalão.

Com as nomeações, Gustavo e Fabielle acabam de assumir a culpa no cartório com a finalidade supostamente de calar os alvos das investigações e evitar que eles abram a boca sobre a sujeira dos bastidores da campanha da dupla que alega ter amor por Assú, mas o que eles querem mesmo é poder e status.

Todo mundo sabe que na gestão Soares, quem é beneficiado é porque eles tem algum interesse e nada nunca é sem um objetivo, então eles decidiram confrontar a justiça eleitoral, já que acham que são os donos do mundo e esquecem que até a ex presidente Dilma que era a mais poderosa do Brasil caiu do cavalo ao perder o cargo, imagine o que pode acontecer com Gustavo e Fabielle em Assú.

Insumos para produção da vacina de Oxford não têm data para chegar ao Brasil

Fiocruz produzirá vacina em parceria com a Universidade de Oxford

Ainda não há uma data definida para a chegada do chamado Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford em parceria com a AstraZeneca. A previsão da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) era de que o IFA estivesse em solo brasileiro até o último dia 12, mas a fundação ainda aguarda informações da AstraZeneca e das autoridades regulatórias da China, que têm protocolos específicos para exportação da carga, para confirmar a data de chegada dos primeiros insumos (IFA) para a vacina.

A partir da chegada do IFA, a fundação espera entregar 100,4 milhões de doses da vacina de Oxford/AstraZeneca ao Ministério da Saúde até julho de 2021. Inicialmente, a fundação havia divulgado que esperava receber o IFA em dezembro de 2020, mas a demora no repasse das informações da AstraZeneca e das autoridades chinesas atrasou o recebimento.

Questionado sobre a lentidão, o laboratório AstraZeneca ainda não respondeu.

Também não há uma data para a chegada dos 2 milhões de doses da vacina contra Covid-19 que serão importadas já prontas da Índia. A Fiocruz informou através de nota que segue no esforço de antecipação das doses. De acordo com a instituição, a busca por vacinas prontas da vacina Covid-19 foi uma estratégia da Fiocruz de antecipar o início da vacinação pelo Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19.

Leia maisInsumos para produção da vacina de Oxford não têm data para chegar ao Brasil

Prestação de contas final das Eleições 2020: saiba como fazer

A prestação de contas eleitoral é um dever de todos os candidatos e dos diretórios partidários que administram os recursos financeiros durante as eleições. Essa é uma medida que garante a transparência e a legitimidade da atuação dos candidatos e dos partidos no processo eleitoral.

Para elaborar as prestações de contas parciais e finais, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) disponibiliza o Sistema de Prestação de Contas Eleitorais (SPCE). A utilização da ferramenta está de acordo com a Resolução do TSE nº 23.607/2019, que dispõe sobre a arrecadação e os gastos de recursos por partidos políticos e candidatos e sobre a prestação de contas nas Eleições de 2020.

Nesse campo, o usuário terá acesso ao SPCE-Cadastro, desenvolvido pela Justiça Eleitoral para auxiliar candidatos e agremiações partidárias na elaboração da prestação de contas de campanhas eleitorais. O sistema pode ser instalado no computador do usuário para preenchimento das informações. Os dados inseridos no SPCE-Cadastro relativos à movimentação de campanha são encaminhados à Justiça Eleitoral pela internet por meio do próprio sistema.

Como fazer a prestação de contas final

Ela deve ser feita até o 30º dia posterior às eleições para todos os candidatos que não concorreram no segundo turno e para os partidos políticos, incluídas as contas dos respectivos comitês financeiros. Havendo segundo turno, as contas referentes aos dois turnos deverão ser prestadas até o 30º dia posterior a sua realização.

Leia maisPrestação de contas final das Eleições 2020: saiba como fazer

Suspeito de participar do assassinato de sargento do Bope é morto em confronto com a polícia na Grande Natal

Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar RN (BOPE) — Foto: Sérgio Henrique Santos/Inter TV Cabugi

Um suspeito de participar da tentativa de assalto que terminou com a morte do sargento do Batalhão de Operações Especiais (Bope), Francisco Edmilson da Silva, foi morto em confronto com a Polícia Militar na tarde desta terça-feira (12) no município de Extremoz, na Grande Natal.

De acordo com o chefe de investigações da Delegacia de Polícia Civil de Extremoz, Alexandre Veiga, havia um mandado de prisão contra o suspeito pela participação no crime que seria cumprido nesta terça-feira. Ernane Maia Cruz Filho, de 36 anos, é suspeito de dirigir o carro durante a fuga no dia do crime.

“Ele teria dado a fuga para os autores desse crime. A participação dele era dar fuga, ser o ‘cavalo'”, explicou.

Ernane Maia da Cruz Filho tinha 36 anos de idade — Foto: Sérgio Henrique Santos/Inter TV

Ernane Maia da Cruz Filho tinha 36 anos de idade — Foto: Sérgio Henrique Santos/Inter TV

Com o mandado de prisão, os policiais se dirigiram a Extremoz, já que tinham a informação de que o suspeito estava escondido em uma casa no bairro São Miguel Arcanjo. Ao perceber a ação dos policiais do Bope, no entanto, Ernane Maia Cruz Filho atirou contra eles e acabou sendo atingido enquanto tentava fugir.

“O suspeito está envolvido na morte do sargento F. Silva e vieram fazer o cumprimento de um mandado de prisão. Mas ele iniciou fogo confrontando a policia”, explicou o chefe de investigação.

Leia maisSuspeito de participar do assassinato de sargento do Bope é morto em confronto com a polícia na Grande Natal

AGRADO: Roberto Alves que é irmão de alvo em investigação eleitoral é nomeado na prefeitura do Assú

Depois que ocorreu uma mega operação na cidade de Assú, com a participação do Ministério Público, polícia federal e polícia militar, em que estavam envolvidos o prefeito Gustavo Soares, a vice Fabiele Bezerra, e demais pessoas, incluindo Rennan Alves, os Soares ficaram assustados e resolveram começar a dá “agrado”, e que supostamente aparenta que é tipo um “cala boca”.

Um dos primeiros agrados do prefeito Gustavo Soares, ocorreu para a protegida de Fabiele Bezerra, a suplente Bia Dantas, que possivelmente recebeu um “cala boca” para que seu pai, Rosalvo Dantas, um dos envolvidos na operação pudesse ficar quietinho e sossegado.

Então o tempo passou e dessa vez quem recebeu a benção da nomeação para o cargo de Secretário Adjunto de Administração e Planejamento na prefeitura de Assú foi Roberto Alves, que é irmão de Rennan Alves, um dos envolvidos em outra investigação da justiça eleitoral.

A conduta do prefeito Gustavo Soares em nomear um dos irmãos dos envolvidos na operação da justiça eleitoral, deve ser no mínimo duvidosa, e está levantando suspeitas que podem e devem ser investigadas pelo MP, já que o vínculo continua a ser mantido, se não com os alvos, mas com pessoas próximas que aparentam atuar mais como “laranjas”.

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: