Vacinação contra covid-19 começa na quarta-feira, anuncia Pazuello

A vacinação contra a covid-19 começa na próxima quarta-feira (20), às 10h, em todo o país, para os grupos prioritários. O anúncio foi feito neste domingo (17), pelo ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, durante coletiva no Rio de Janeiro.

Segundo o ministro, serão inicialmente 3 milhões de pessoas a serem vacinadas, com duas doses cada uma, totalizando 6 milhões de doses da CoronaVac, produzida pela empresa chinesa Sinovac e o Instituto Butantan. O uso emergencial da CoronaVac foi aprovado hoje (17) pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O ministro abriu a coletiva se solidarizando com as famílias das vítimas e agradecendo aos profissionais de saúde na linha de frente da pandemia.

O ministro afirmou que o importante é garantir a todos os estados as doses da vacina, em igualdade de condições, respeitando a questão da gravidade local.

“O Ministério da Saúde tem em mãos, neste instante, as vacinas, tanto do Butantan quanto da AstraZeneca [em parceria com a Fiocruz]. E nós poderíamos, num ato simbólico, ou numa jogada de marketing, iniciar a primeira dose em uma pessoa. Mas em respeito a todos os governadores, prefeitos e todos os brasileiros, o Ministério da Saúde não fará isso”, frisou o ministro.

Pazzuelo destacou que existe um pacto federativo histórico entre a União e os estados, que deverá ser respeitado, com a saúde da população colocada acima de tudo.

“Quebrar essa pactuação é desprezar a igualdade entre os estados e todos os brasileiros. É desprezar a lealdade federativa. Senhores governadores, não permitam movimentos políticos eleitoreiros se aproveitando da vacinação nos seus estados. O único objetivo, neste momento, tem que ser o de salvar mais vidas e não fazer propaganda própria”, destacou o ministro.

Leia maisVacinação contra covid-19 começa na quarta-feira, anuncia Pazuello

AUSÊNCIA: Gustavo e Fabielle veraneiam enquanto pessoas aglomeram sem regras em quiosque em Assú

Enquanto o prefeito Gustavo Soares toma chá de doril e desaparece, a vice prefeita Fabielle repete o mesmo comportamento, seguindo o fluxo veraneia no litoral sul da capital, e só dá expediente dois dias na semana (quarta e quinta). Com o comportamento do prefeito e vice, a população do Assú sofre com a negligência e falta de sensibilidade do poder público com a nova onda do Covid que aterroriza famílias em todo o mundo.

Pela cidade estar abandonada sem prefeito e vice, alguns empresários perderam o bom senso, esqueceram as regras e a aglomeração toma de conta, e isto é visível nesse vídeo em um quiosque na rua da faculdade, mostrando todo o desrespeito do estabelecimento com o sofrimento e colocando a vida das pessoas em risco.

O Blog do VT entende que os estabelecimentos devem continuar abertos, pois sobrevivem disso, mas desde que sigam as regras de prevenção e combate ao COVID. No entanto, quando o estabelecimento tem total despreparo com a vida das pessoas, merece que o poder público tome as atitudes para que a vida das pessoas sejam preservadas. Mas nesse caso, o poder público não atuar  pois parece que os gestores não estão nem aí pra nada.

Mas o que esperar de uma gestão que inicia o ano com ausência é desrespeito mesmo, pois quando a maioria dos prefeitos de todo o país já se organizam com debates e conscientização de como será o plano de vacinação contra a COVID-19, Gustavo e Fabielle parecem que estão em outra dimensão, onde farra e veraneio são suas únicas preocupações, esquecendo da agressividade desse vírus e o pior, de como pode ser trágico a chegada das vacinas sem um plano de atendimento.

Gustavo Soares e Fabielle Bezerra podem levar Prefeitura do Assú a falência com aumento de gastos e ferindo a LC 173/20

A lambança com o dinheiro público na cidade do Assú, promovida pelo prefeito Gustavo Soares e a vice Fabielle Bezerra, estão aumentando e chega a assustar, pois agora, eles querem criar 36 cargos que serão votados na próxima semana pela Câmara Municipal, com isso, aumentam os custos e endividam ainda mais o município.

Os cargos que antes bastavam para a administração municipal agora já não são suficientes, porque depois da eleição em que o prefeito foi reeleito, parece que os compromissos aumentaram, e pra tentar sanar a insatisfação dos aliados, a chapa “pé podre e bota velha”, vai obrigar sua base aliada a votar no projeto que vai aumentar os gastos da Prefeitura do Assú.

O problema disso tudo, é que esse projeto fere a Lei Complementar 173/2020, que proíbe municípios beneficiados com auxílio federal durante a pandemia promovam aumentos ou criem cargos na administração. É imoral que o prefeito e a vice do Assú promovam mais despesas quando o momento deveria ser de contenção.

Anvisa: enfrentamento da covid passa por mudança de comportamento

O diretor-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antonio Barra Torres, disse que é preciso mudar o comportamento social em razão da pandemia do novo coronavírus. “O inimigo é um só. A nossa chance, a nossa melhor chance nesta guerra passa, obrigatoriamente, por uma mudança de comportamento social, sem a qual, mesmo com vacinas, a vitória não será alcançada”, declarou.

A reunião em que a Anvisa vai definir os pedidos de uso emergencial de vacinas no Brasil começou à 10h. Dois pedidos estão sendo analisados. A TV Brasil transmite ao vivo a reunião, que deve durar cerca de cinco horas.

O Instituto Butantan, em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac, e a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), parceira do consórcio Astrazeneca/Oxford, entraram com requerimentos de autorização em caráter emergencial para suas vacinas.

“Quis o acaso, para alguns; o destino, para outros; e a vontade de Deus,na fé inabalável deste diretor, que fossemos nós a exercer ativamente esses ofícios, e tivéssemos, portanto, a missão, a honra e o dever de bem servir ao nosso legítimo e Supremo Senhor. Que Deus nos ilumine e inspire para que, neste domingo, tomemos a melhor decisão”, disse Barra Torres.

Segundo a Anvisa, a reunião conta com a participação de cinco diretores do órgão, e a decisão é feita por maioria simples, ou seja, três votos a favor ou contra definem o resultado. Antes da decisão, três áreas técnicas fazem apresentações: a de medicamentos, que avalia os estudos de eficácia e de segurança; a de certificação de Boas Práticas, que analisa se os locais de fabricação têm condições adequadas; e de monitoramento de eventos adversos, que monitora e investiga depois da vacinação se as pessoas tiverem alguma reação à vacina).

No início da apresentação, Gustavo Mendes Lima Santos, gerente-geral de Medicamentos e Produtos Biológicos da Anvisa, ressaltou o aspecto histórico da decisão. “Este é um momento crítico. Este é um momento histórico. Esse tipo de autorização, a Anvisa nunca concedeu. Nunca vivemos uma situação como essa, de tanta exposição e de tanto senso de urgência e necessidade que enfrentamos neste momento”, falou ele. Segundo Lima Santos, os servidores da Anvisa “estão empenhados com dedicação no senso de urgência que o caso requer”. “Somos humanos, queremos que os produtos que sejam disponibilizados para o enfrentamento da pandemia sejam produtos eficazes, seguros e tenham qualidade”.

Covid-19: RN registra 3.149 mortes e 127.847 casos confirmados da doença

De acordo com os dados divulgados no portal da covid-19, o Rio Grande do Norte registra 3.149 mortes e 127.847 casos conformados da pandemia do novo coronavírus.

Já referente aos Leitos de UTI o Estado chega ao percentual de 62,34% na taxa de ocupação, e registra 67.535 casos suspeitos por covid-19.

Por outro lado, o RN contém 59.105 pessoas recuperadas da doença.

*TN

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: