fbpx

IMORAL: Prefeita Marineide quer dá calote em valores retroativos dos professores

A prefeita de Carnaubais, Marineide Diniz, conhecida como prefeita do “Milhão”, gosta de realizar muitos contratos milionários com fornecedores, mas agora para cumprir acordos assumidos com servidores é difícil, e quem está sofrendo na pele são os professores, pois a prefeita não quer cumprir os acordos que tem com eles.

Em nota, o sindicato dos servidores públicos municipais de Carnaubais emitiu uma nota:

A Prefeitura de Municipal de Carnaubais se comprometeu com os professores em pagar o retroativo referente a janeiro e fevereiro de 2022, nos meses de outubro e novembro e isso não aconteceu.

Por esse motivo o SINDISEC vem repudiar o descumprimento por parte da prefeita do acordo firmado e assinado entre a Vossa Excelência e esse Sindicato.

Devo salientar que foi Vossa Excelência que propôs o pagamento retroativo em duas parcelas.

É injusto e desrespeitoso para com os professores, que aguardaram ansiosos por esse retroativo, fizeram planos confiando que receberiam nos meses que vossa excelência determinou.

O sindicato aguarda o mais rápido possível uma solução para esse dilema e que Vossa Excelência cumpra o combinado.

TINTA PRA TODO LADO: Prefeitura de Carnaubais tem licitação em andamento para gastar mais de 100 mil reais com tinta para recargas de impressoras

Quando pensamos que os gastos estão desordenados ou até mesmo exorbitantes e muitas vezes desnecessários, aparecem mais gastos, que a prefeita Marineide não faz mínimo esforço de controlar esse tipo de despesa.

Ninguém sabe ao certo a razão da prefeita Marineide fazer esse tipo de licitação para realizar pagamentos que custam em média 116,00 a unidade da tinta, mas é claro que umas são mais caras do que outras, mas quando dividimos o valor total do pedido pela quantidade, a média é essa. O que torna cômico essa história toda, é que a prefeita tem gastado um dinheirão com tecnologia, mas parece que se mantém presa na geração passada, onde quer tudo impresso, apesar das ferramentas tecnológicas como portal da transparência e etc.

A prefeita Marineide está ficando conhecida no município por fazer da prefeitura o seu cabide de emprego e além disso, como prefeita do milhão, onde faz diversos contratos acima de 1 milhão, e o mais preocupante de tudo isso, é que ela perdeu o interesse pelo povo, em fornecer saúde e educação, e tem apostado na política de pão e circo, que são as festas gratuitas na qual o povo se diverte mas basta raciocinar para saber quem paga a conta final, afinal os recursos públicos são do povo.

Real: YouTube vai excluir vídeos que contestem resultado de eleições

Real: YouTube vai excluir vídeos que contestem resultado de eleições

Circula na internet que o YouTube vai apagar vídeos que contestem o resultado das eleições. Essa informação é verdadeira. A medida passou a valer a partir da atualização da Política de Integridade Eleitoral da plataforma.

O YouTube pede aos usuários que não publiquem “conteúdo com alegações falsas de que fraudes, erros ou problemas técnicos generalizados ocorreram em determinadas eleições passadas para determinar os chefes de governo. Ou conteúdo que afirma que os resultados certificados dessas eleições são falsos”.

O Antagonista

Dólar cai 4,5% após a eleição e encerra semana a R$ 5,05

O dólar teve nova queda nesta sexta-feira (4), com os investidores repercutindo a divulgação de dados de emprego nos Estados Unidos, os resultados da Petrobras e o avanço nas negociações para a transição do governo.

A moeda americana recuou 1,29%, vendida a R$ 5,0590. Na mínima do dia, chegou a R$ 5,0233. Veja mais cotações.

Na primeira semana após as eleições presidenciais, o dólar chegou ao menor valor desde 29 de agosto (R$ 5,0329) e acumulou queda de 4,56%.

Na quinta-feira (3), o dólar subiu 0,13% e fechou o dia vendido a R$ 5,1253. Com o resultado de hoje, a moeda acumulou queda de 2,06% no mês e de 9,25% no ano frente ao real.

O que está mexendo com os mercados?

O mercado financeiro reagiu bem aos primeiros fatos políticos após a eleição de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para seu terceiro mandato. As negociações para transição de governo começaram a caminhar, enquanto a possibilidade de contestação de resultados minguou, dando mais segurança aos investidores.

Leia maisDólar cai 4,5% após a eleição e encerra semana a R$ 5,05

Petrobras seguiu política de remuneração, diz diretor sobre dividendos

O diretor Financeiro e de Relacionamento com Investidores da Petrobras, Rodrigo Araujo, disse hoje (4) que a empresa atuou completamente dentro do que prevê a política de remuneração aos acionistas e que a política estabelece o pagamento de dividendos a cada 3 meses.

Segundo ele, a Petrobras não teve acesso à representação do Ministério Público Federal (MPF) junto ao Tribunal de Contas da União (TCU), que pede a suspensão imediata da distribuição de dividendos antecipada pela empresa. Mas adiantou que, “como sempre faz”, a companhia está à disposição do TCU para prestar todas as informações.

O terceiro trimestre marcou o pagamento de tributos da ordem de R$ 73 bilhões, acumulando este ano, até setembro, mais de R$ 222 bilhões. Segundo o diretor, quase 55% da geração de caixa operacional retornam à sociedade em pagamento de tributos e de dividendos.

O diretor financeiro lembrou também que o pagamento de dividendos trimestrais não é uma prática exclusiva da Petrobras, mas de todas as grandes companhias do setor de óleo e gás com políticas de dividendos semelhantes. E disse que essa prática não compromete a solidez da empresa.

Leia maisPetrobras seguiu política de remuneração, diz diretor sobre dividendos

Congresso tem 25 vetos presidenciais pendentes de deliberação

O Congresso Nacional ainda tem 25 vetos do presidente da República, Jair Bolsonaro, pendentes de deliberação. Todos estão trancando a pauta de votações, ou seja, têm que ser votados antes de outras matérias. Veja a lista completa. Ainda não há previsão de quando será a próxima reunião do Congresso.

O veto mais antigo é o VET 46/2021, originado da sanção do PL 2.108/2021, que se converteu na Lei 14.197, de 2021. Bolsonaro vetou o trecho que previa até cinco anos de reclusão para quem cometesse o crime de “comunicação enganosa em massa” — definido como a promoção ou o financiamento de campanha ou iniciativa para disseminar fatos inverídicos e que fossem capazes de comprometer o processo eleitoral.

Além disso, Bolsonaro vetou o trecho que aumentava a pena para militares envolvidos em crimes contra o Estado democrático de direito. De acordo com o projeto, eles estariam sujeitos à perda do posto, da patente ou da graduação.

O veto mais recente é o VET 52/2022, que cancelou dois dispositivos da Lei 14.457, de 2022, que teve origem na MP 1.116/2022, que criou o Programa Emprega + Mulheres.

Leia maisCongresso tem 25 vetos presidenciais pendentes de deliberação

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: