fbpx

Fachin relata ameaças e se diz preocupado com segurança da família

O ministro Edson Fachin, em sessão plenária do STF

O relator da Operação Lava Jato no STF (Supremo Tribunal Federal), Edson Fachin, afirmou ter havido ameaças a membros de sua família e se disse preocupado com a segurança.

Em entrevista à Globonews divulgada nesta terça (27), o ministro do Supremo disse que tem tratado do assunto com a presidente da corte, ministra Cármen Lúcia, e com uma delegada da Polícia Federal que atua no tribunal, e contou que pediu providências.

“Uma das preocupações que tenho não é só com julgamentos, mas também com a segurança de membros de minha família. Tenho tratado desse tema e de ameaças que têm sido dirigidas a membros de minha família.”

Ele disse que “nem todos os instrumentos ainda foram agilizados”. “Eu efetivamente ando preocupado com isso e esperando que não troquemos a fechadura de uma porta já arrombada também nesse tema.” As informações são da Folha de São Paulo.

Fachin, 60, construiu sua carreira no Paraná e é membro do Supremo desde 2015. Ele assumiu a relatoria dos casos da Lava Jato após a morte de Teori Zavascki em um acidente aéreo no início de 2017.

Não é a primeira situação do tipo envolvendo a Lava Jato neste ano. Em janeiro, o presidente do Tribunal Regional Federal da 4ª Região Carlos Eduardo Thompson Flores disse que juízes tiraram suas famílias do Rio Grande do Sul por causa de ameaças.

A corte regional, com sede em Porto Alegre, é a responsável por casos da operação na segunda instância.

A Polícia Federal informou que o diretor-geral, Rogério Galloro, conversou no início da noite desta terça-feira (27) com o ministro Edson Fachin e colocou o órgão à disposição para dar início a uma investigação sobre as ameaças e discutir detalhes da segurança do ministro.

Segundo a PF, contudo, o ministro afirmou que ainda não era necessária a abertura de inquérito policial porque o setor de segurança do próprio Supremo estava cuidando do assunto.

Conforme a PF, o ministro também informou que o Supremo já estava adotando as medidas necessárias para incremento de sua segurança e de seus familiares.

Por meio de sua assessoria, a ministra Cármen Lúcia afirmou que:

“Em relação às demandas do ministro Fachin relativas ao aumento de sua segurança pessoal e de sua família, antes de vir a público a notícia divulgada hoje,  a Presidência do STF já tinha adotado as seguintes providências: 1) deslocou para Curitiba duas delegadas da Polícia Federal, especializadas em segurança para todos os casos de magistrados ameaçados no País, para verificação de quais as melhores e mais eficazes providências deveriam ser tomadas, o que foi realizado;

2) autorizou o aumento do número de agentes para escolta permanente do ministro Fachin por servidor do setor de segurança do Supremo, além dos que já o acompanhavam em seus deslocamentos;

3) autorizou que o uso de segurança do ministro, em Curitiba, possa deslocar-se também para acompanhamento de familiares por ele indicados;

4) determinou à Diretoria Geral do STF examinar e dotar providências para aumento de número de seguranças para a família do ministro Fachin em Curitiba, conforme por ele solicitado; 5) encaminhou ofício indagando a todos os ministros do STF sobre a necessidade de alteração e aumento do número de agentes de segurança para, se for o caso, a tomada das providências cabíveis”.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: