fbpx

VIDEO Pedreiro confessa à Polícia Civil que matou Iasmin com cabo de aço

Durante uma coletiva de imprensa, realizada na manhã desta sexta-feira (27) no prédio da Academia de Polícia, a delegada titular da Delegacia Especial de Defesa da Criança e do Adolescente (DCA), Dulcineia Costa, revelou trechos do interrogatório do pedreiro Marcondes Gomes da Silva, 45 anos, realizado na noite desta quinta-feira (26). O homem confirmou à Polícia Civil que matou Iasmin Lorena, 12 anos, sozinho, logo após a vítima ter saído de casa.

A entrevista coletiva também contou com a presença da secretaria de Segurança Pública, delegada Sheila Freitas; da Delegada-geral de Polícia Civil, Adriana Shirley e do diretor do Instituto Técnico-Científico de Perícia (ITEP), Marcos Guimarães. Durante a coletiva, houve a exibição de uma entrevista com o suspeito, no qual ele afirma que matou Iasmin, após a negativa da adolescente em iniciar um “namoro” com ele.

“Foi tudo muito rápido, ela entrou na casa em construção e ficamos conversando sobre medicina, que era o sonho dela. Depois, ficamos juntos uns 15 minutos e ela não quis aceitar meu pedido de namoro. Decidi pegar um cabo de freio de bicicleta, que estava no chão, e enforquei Iasmin. Depois cavei um buraco no chão, coloquei areia, pedaços de tábua..Pensei que ninguém nunca ia descobrir”, detalhou Marcondes Gomes.

A secretaria Sheila Freitas deixou claro que durante todo o período em que a adolescente estava desaparecida, a Polícia Civil não mediu esforços para verificar as várias linhas de investigações que pudessem chegar a um resultado exitoso, o qual está sendo revelado para a sociedade. A Delegada-geral Adriana Shirley esclareceu que o inquérito policial, apesar de já estar bastante adiantado, ainda não foi concluído e que por esse motivo, existem fatos que não podem ser divulgados nesse momento.

De acordo com a delegada Dulcineia Costa, durante todo o processo de investigação, Marcondes Gomes tentou induzir a Polícia a erro. “Ele até chegou a ligar para o Disque-Denúncia algumas vezes, dando pistas falsas. Além disso, jogou as sandálias da adolescente em outros lugares, para desviar o foco. Durante todo o tempo do interrogatório, ele se mostrou muito frio e nós investigaremos outros casos de abuso contra crianças e adolescentes que ele possa ter praticado. Até o momento não temos condições de afirmar se houve relação sexual, porque dependemos de resultados periciais”, revelou a delegada.

“Diante da repercussão do fato, nós estamos dando prioridade para que os exames de DNA sejam adiantados. Um perito já coletou partes ósseas da vítima e todo o material já foi enviado para um laboratório no Ceará, com o intuito de comparar com amostras de saliva retiradas da mãe”, contou o diretor do ITEP, Marcos Guimarães. Durante a coletiva, a delegada Dulcineia Costa agradeceu ao trabalho feito por policiais civis, militares e bombeiros para o sucesso das investigações.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: