fbpx

Alto número de eleitores sem candidato elevam chance de reviravoltas, dizem institutos de pesquisa

Tendência mais próxima ao verificado nas urnas foi registrada apenas no fim de junho, quando os institutos de pesquisa apontaram Kátia na quarta colocação, posição que de fato alcançou, com 15,6% dos votos.

Em Tocantins, um terço dos eleitores se absteve e 26% votaram branco ou nulo no segundo turno. A ausência nas urnas disparou alerta para as eleições de outubro, mas pode ser explicada também pela votação fora de época e prazo mais curto de campanha. 

Trata-se também de um estado com recadastramento total. Segundo o Tribunal Superior Eleitoral, dos 147 milhões de eleitores brasileiros, 87 milhões (59%) tinham feito o recadastramento até quinta (2). 

A biometria será obrigatória em cerca de 2.800 cidades nas eleições deste ano.

Segundo Paulino, a questão do recadastramento já é abordada pelo Datafolha nas pesquisas. O objetivo é saber a real proporção dos que fizeram o registro biométrico e mapear seu perfil socioeconômico.

O recadastramento não representa, entretanto, uma dificuldade a mais para os institutos. Pelo contrário, pode facilitar as pesquisas ao atualizar o banco de dados dos eleitores.

No geral, os desafios dos institutos neste ano são maiores. Para Paulino, as trocas de posições dos candidatos nas pesquisas devem acontecer de forma rápida, especialmente a partir do horário eleitoral.

Tais oscilações devem se intensificar pela quantidade de informações entregues ao eleitor, que recebe fatos verídicos, mas também fake news.

“Hoje o eleitor toma uma decisão consolidada de voto mais tarde porque ele tem acesso a mais informações”, diz a CEO do Ibope Inteligência, Márcia Cavallari Nunes.

Nesse sentido, as técnicas adotadas pelas instituições de pesquisa são determinantes para uma fotografia próxima à realidade. Há proliferação de entrevistas por telefone, que são mais baratas.

Para a Abep (Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa), no entanto, entrevistas que não sejam face a face não são recomendadas, pois “nem sempre retratam com fidelidade a percepção real da maioria dos eleitores”, com amostras não necessariamente balanceadas.

O Datafolha é um dos institutos que utiliza o método presencial, além de apresentar ao entrevistado instrumentos que garantem a imparcialidade, como cartões circulares com os nomes dos candidatos —evitando hierarquia.

FUNCIONÁRIOS DO DATAFOLHA SOFREM AMEAÇA APÓS PESQUISA

Funcionários do Datafolha foram alvo de ofensas e ameaças após a publicação da pesquisa em junho que mostrou Jair Bolsonaro (PSL) na liderança no primeiro turno em cenários sem Lula.

Segundo Paulino, houve aparente ação orquestrada de eleitores que ligaram para o instituto. Todos se identificaram como partidários de Bolsonaro.

“Foi a primeira vez que vi tantas ameaças com ligação direta”, afirmou. O Datafolha passou a gravar as ligações.

Nas simulações para o segundo turno, Bolsonaro aparece atrás de Lula e Marina Silva.

Em vídeo, o deputado acusou o Datafolha de “passar vergonha” por causa da pesquisa. Ele citou pesquisa do DataPoder360 que, no segundo turno, o colocava “ganhando dos demais pré-candidatos”.

Segundo Paulino, a metodologia do Datafolha é diferente da do DataPoder360, que faz entrevistas por telefone.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: