Arthur Virgílio é denunciado sob acusação de omitir imóveis da Justiça Eleitoral

O prefeito de Manaus, Arthur Virgilio (PSDB)

Pré-candidato tucano à Presidência, o prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto, foi denunciado nesta quinta-feira (7) pelo Ministério Público Federal por ter ocultado da Justiça Eleitoral dois apartamentos de luxo, avaliados em R$ 1,6 milhão.

De acordo com o MPF, Virgílio Neto declarou apenas R$ 160.784,29 em 2016, quando foi reeleito prefeito. Seu patrimônio listado foram um imóvel de R$ 36 mil e aplicações bancárias.

A denúncia à Justiça Eleitoral afirma que documentos comprovam que os imóveis são do prefeito. O MPF sustenta que a omissão foi deliberada, já que ele publicamente negou ser o proprietário durante a campanha em 2016, quando a existência dos apartamentos foi revelada pelo jornal “A Crítica”.

Durante a campanha, Virgílio Neto alegou que os imóveis, localizados na Ponta Negra, área nobre da cidade, haviam ficado com a ex-mulher, de quem se separou recentemente. As informações são de  FABIANO MAISONNAVE, Folha de São Paulo.

Para o MPF, a omissão teve fins eleitorais, pois ele usou valor baixo do patrimônio declarado para criar a imagem de “uma pessoa que não veio à política para buscar enriquecimento”. A pena prevista por omitir bens à Justiça Eleitoral é de prisão por até cinco anos e multa.

Em nota, a assessoria de Virgílio informou que a declaração de bens foi corrigida no Tribunal Regional Eleitoral em outubro de 2016, “tão logo o equívoco foi identificado”.

O prefeito anunciou recentemente a intenção de disputar a Presidência pelo PSDB. Ele defende a realização de prévias e de debates públicos com o governador paulista, Geraldo Alckmin.

No ano passado, Virgílio apareceu na delação premiada da Odebrecht com o apelido de “kimono” –ele praticou jiu-jítsu na juventude. Ele teria recebido R$ 300 mil. O tucano nega.

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: