Covid-19: Brasil registra 941 mortes desde início de pandemia

O número de mortes decorrentes do novo coronavírus (covid-19) totalizou 941, segundo atualização divulgada pelo Ministério da Saúde hoje (9). O resultado marca um aumento de 17% em relação a ontem, quando foram registrados 800 óbitos.

São Paulo concentra o maior número, com mais da metade do número de mortes (495). O estado é seguido por Rio de Janeiro (122), Pernambuco (56), Ceará (55) e Amazonas (40).

Além disso, foram registradas mortes no Paraná (22), Bahia (19), Santa Catarina (17), Minas Gerais (15), Distrito Federal (13), Maranhão (12), Rio Grande do Sul (12), Rio Grande do Norte (11), Goiás (7), Pará (7), Paraíba (7), Espírito Santo (6), Piauí (6), Sergipe (4), Alagoas (3), Mato Grosso do Sul (2), Amapá (2), Acre (2), Mato Grosso (2), Rondônia (2) e Roraima (1).

Já o total de casos confirmados subiu para 17.857. O número representa um crescimento de 12% em relação a ontem, quando o balanço do Ministério da Saúde marcou 15.927.

O número de casos novos em um dia foi de 2.210, novo recorde. O maior resultado até então havia sido o total acrescido ontem, de 1.661 casos. O Brasil levou 17 dias para sair de 1 a 100 casos e 14 dias para ter mais 10 mil confirmados.
Perfil

No total foram 141 novas mortes entre ontem e hoje, um novo recorde. Ontem foram 133 novos óbitos, na terça haviam sido 114 e na segunda-feira, 67. No tocante ao perfil, 41% das vítimas fatais eram mulheres e 59% eram homens.

Leia maisCovid-19: Brasil registra 941 mortes desde início de pandemia

A VERDADE DOS FATOS sobre o Partido Progressista em Assú que mostra força com articulação de Paulinho de Marlene


O Partido Progressista em Assú, apesar de ajudar o munícipio através dos recursos destinados pelo deputado federal Beto Rosado, nunca teve da atual gestão o reconhecimento pelas contribuições que o parlamentar e seu partido, deram no desenvolvimento da cidade, quando conseguiu pavimentações e garantiu aquisições para saúde, dentre outras áreas.

A insatisfação do deputado Beto e seu pai Betinho, começaram quando alguns vereadores – Elisangela/Fabiele, que o apoiaram na eleição passada, se filiaram ao PL do prefeito e seu irmão, deputado George Soares, e para completar, o presidente municipal da legenda, o ex prefeito José Maria, filia sua filha que é pré candidata a uma vaga na Câmara, também no PL, ao invés de tentar fortalecer o partido que preside, mostrando incoerência e subserviência ao Soares.

Circula nos bastidores, que Beto ainda esperou uma atitude de boa fé dos vereadores e seus aliados, como ninguém teve um gesto de reconhecimento pelo seu trabalho por Assú, permitiu que o ex vereador Pedro e o vereador Paulinho de Marlene, articulassem filiações, impedindo assim que o partido ficasse fragilizado e sem nenhuma representatividade, e com isso, hoje o partido tem boas perspectivas nas eleições desse ano, podendo eleger de 02 a 03 vereadores.

O parlamentar queria apenas que o PP participasse das discussões políticas na majoritária, e deveria ter sido consultado pela atual gestão, já que seu mandato tem destinado recursos para Assú, e a considera uma cidade muito importante no cenário político do estado.

Toda essa insatisfação, só mostra o modo prepotente que a atual gestão e o grupo liderado por Ronaldo e George Soares conduzem a política, sem respeitar as pessoas que ajudam a cidade, causando esse distanciamento, e agora, o Partido Progressista passa a fazer história, assumindo o protagonismo na política assuense nas eleições desse ano.

Em embate com Bolsonaro, Mandetta dispara em popularidade digital e supera Lula e Huck

Alheio às polêmicas do presidente Jair Bolsonaro até o início deste ano, o ministro Luiz Henrique Mandetta (Saúde) tem aumentado sua popularidade na internet durante a pandemia da Covid-19.

A expansão, em parte previsível diante da crise sanitária, é impulsionada também pelos embates que o chefe da pasta protagoniza com o presidente da República.

Antes uma figura morna, Mandetta ultrapassou figuras que buscam manter visibilidade política, como o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), o ex-presidente Lula (PT) e o apresentador Luciano Huck, possível presidenciável em 2022.

A análise é da consultoria Quaest, que acompanhou o movimento nas redes de 26 de fevereiro a 4 de abril.

A empresa elaborou um índice comparativo de 0 a 100 a partir de variáveis como número de seguidores, volume de comentários, reações positivas e engajamento nas redes sociais. Buscas na enciclopédia online Wikipedia e no Google também foram consideradas.

Desde o início do monitoramento, o índice de Mandetta aumentou 189%, o maior crescimento, enquanto Lula teve queda de 30%, Huck, de 46%, e Bolsonaro se manteve estável, no topo.

Leia maisEm embate com Bolsonaro, Mandetta dispara em popularidade digital e supera Lula e Huck

Relatório entregue a Comissão do Coronavírus aponta ociosidade na rede privada de saúde do RN

A Comissão de Enfrentamento ao Coronavírus da Assembleia Legislativa voltou a se reunir na tarde desta quarta-feira (08), por videoconferência. Dessa vez, o colegiado debateu as ações que estão sendo implementadas no combate a COVID-19 com o presidente do Sindicato dos Médicos do Rio Grande do Norte, (Sinmed/RN), Geraldo Ferreira, e o presidente da Unimed-Natal, Fernando Pinto.

Sobre a possibilidade do sistema de saúde entrar em colapso, Geraldo Ferreira, presidente do Sinmed-RN, disse que isso já existia e que atualmente a situação “está até melhor que antes da pandemia”. Isso “em razão da suspensão de cirurgias eletivas e diminuição de acidentes provocada pela quarentena”. Segundo Geraldo, “o sistema sempre viveu colapsado. Os hospitais privados inclusive, que hoje estão vazios esperando pacientes. A informação que temos é de pedido de socorro para o Governo do Estado utilizar esses leitos porque eles estão em via de demitirem seus funcionários, porque estão vazios”, explicou.

O presidente do Sinmed-RN, questionou os números que apontam a quantidade de vítimas no Estado até meados de maio, caso o percentual de isolamento continue na estimativa atual – cerca de 42% da população. “Não se levou em conta que ao se ter metade da população contaminada, há uma imunidade natural da população. Esses estudos precisam ser rebatidos diante de uma realidade. A medida que infectados crescem, a transmissão fica menor porque as pessoas vão ficando imune. Esse crescimento não é geométrico permanentemente. Ela cai após 50% da população ser atingida, porque há imunidade coletiva, de rebanho. Quem está imunizado protege os demais”, explicou.

Geraldo Ferreira criticou ainda o investimento de R$ 37 milhões em um hospital de campanha no RN. O médico defende que os recursos sejam direcionados para a própria rede pública, como forma de garantir a implantação de leitos de UTIs que já existem mas não estão funcionando, seja por falta de equipamentos ou de profissionais.

Leia maisRelatório entregue a Comissão do Coronavírus aponta ociosidade na rede privada de saúde do RN

Laboratório brasileiro desenvolve teste nacional para covid-19

O Centro de Biotecnologia da Amazônia (CBA) anunciou hoje (08), por meio de nota, que está trabalhando em uma versão nacional dos kits de diagnóstico rápido de covid-19. O novo teste será produzido com insumos nacionais e terá um índice de detecção superior ao dos kits importados.

“A cada novo país o vírus sofre mutações e vai se adaptando. Os kits diagnósticos produzidos com anticorpos e antígenos importados podem ter baixa sensibilidade de detecção no Brasil, uma vez que não são adaptados à nossa realidade viral, por isso a necessidade de produção de um kit com insumos nacionais para atender à específica e crescente demanda brasileira”, afirmou Fábio Calderaro, gestor do CBA.

Segundo Calderaro, a técnica de produção com materiais e antígenos nacionais poderá ser distribuída para diferentes centros de produção, o que seria suficiente para suprir a demanda nacional mínima determinada pelo ministério da Saúde, que é de 30 mil testes por dia. A medida, no entanto, necessita do aval da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), e, de acordo com o gestor, a meta só poderá ser atingida daqui a 4 meses, após a autorização do órgão.

Calderaro afirmou ainda que o novo kit de detecção – desenvolvido com antígenos de brasileiros que foram infectados pela doença – é mais eficaz e mais sensível ao vírus. “A cada novo país o vírus sofre mutações e vai se adaptando. Os kits de diagnósticos produzidos com anticorpos e antígenos importados podem ter baixa sensibilidade de detecção no Brasil, uma vez que não são adaptados à nossa realidade viral”.

Leia maisLaboratório brasileiro desenvolve teste nacional para covid-19

Mossoró não tem casos confirmados nas últimas 24 horas; mortes e suspeitos aumentam

Mossoró não teve nenhum caso confirmado do novo coronavírus nas últimas 24 horas. A informação consta no boletim epidemiológico nº 25 divulgado no início da tarde desta quarta-feira, 8, pela Secretaria de Estado da Saúde Pública do Rio Grande (Sesap/RN).

De acordo com o mais recente levantamento, o número de casos suspeitos na cidade aumentou em relação ao último boletim divulgado na terça-feira, 7. Os casos em investigação saltaram de 140 para 166. O número de casos descartados também subiu. Saiu de 41 para 43.

Cidade registra dois óbitos nesta quarta

A Secretaria de Saúde de Mossoró registrou duas mortes em decorrência da Covid-19 na madrugada desta quarta-feira, 8. As vítimas eram dois homens mossoroenses, um de 58 e outro de 62 anos, que estavam internados em um hospital privado da cidade, com diagnóstico positivo para Covid-19.

De acordo com registros obtidos pela Secretaria de Saúde, o homem de 58 anos identificado como Elias Fernandes Jales Neto, de 58 anos, “conhecido como Neto da Panelada”, chegou ao hospital privado no dia 31 de março, passou nove dias internado e veio a óbito às 2h de hoje.

O de 62, que ainda não teve o nome revelado, também deu entrada em um hospital privado no dia 30 de março, passou 10 dias internados e veio a óbito às 4h10 desta quarta.

Número de mortes sobe para cinco

Com as duas mortes registradas na madrugada desta quarta-feira, 8, Mossoró soma cinco óbitos por coronavírus. Os dois homens que morreram hoje estavam internados em um hospital privado no município.

Leia maisMossoró não tem casos confirmados nas últimas 24 horas; mortes e suspeitos aumentam

Assembleia Legislativa vai apreciar decretos de calamidade em mais cinco municípios

Depois de declarar calamidade pública em 29 municípios do Rio Grande do Norte, a Assembleia Legislativa vai realizar nova sessão remota na próxima terça-feira (14) para apreciar novos ofícios de decretação de calamidade pública, por causa da crise provocada pelo Coronavírus (COVID-19), em mais cinco municípios do Estado.

Pedro Velho, Taboleiro Grande, Areia Branca, Lagoa Salgada e Santo Antônio são os municípios que encaminharam os processos já depois da apreciação dos decretos de 29 municípios que foram aprovados, por unanimidade no Plenário da Casa, na sessão remota realizada na terça-feira (7).

Os decretos tomam por base as Leis Orgânicas dos Municípios e em consideração ao Estado de Emergência em Saúde Pública (ESPIN), decretado pelo Ministério da Saúde, em virtude da disseminação global da infecção humana pelo Coronavírus e a declaração da condição de transmissão pandêmica anunciada pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Os documentos também levam em consideração que a crise provocada pela na Saúde Pública, impõe o estabelecimento das medidas de enfrentamento da Pandemia. Os Projetos de Decretos Legislativos são apreciados e consequentemente aprovados ou rejeitados. Após essa etapa, a Assembleia elabora o decreto e publica no Diário Oficial Eletrônico.

Para tramitação dos expedientes a Assembleia Legislativa disponibilizou o e-mail secleg@al.rn.leg.br, através do qual a documentação pode ser remetida pelos municípios.

Prefeito de Jucurutu não cumpre meta de vacina em 2019 e pode deixar população mais vulnerável em meio a pandemia do corona vírus

O prefeito de Jucurutu Valdir Medeiros, eleito no pleito de 2016 até 2020, vem igual a carro desgovernado, por onde passa deixa um caos.

No mínimo, o prefeito de um munícipio deve colocar uma equipe excelente para dirigir a saúde do município e que isso seja refletido para a população como uma maneira de esclarecimento sobre os aspectos gerais de saúde, como por exemplo, a importância de cobertura vacinal, suplementação para gestantes e crianças.

O que vemos é o prefeito Valdir não dando a devido importância para a população que precisa da cobertura vacinal para proteger de doenças, e a população mais carente, precisando de suplementos e vitaminas. No ano de 2019, a secretaria municipal de Jucurutu não bateu a meta de vacina que é ofertada pelo governo federal, atingindo só apenas 70,2 % da população de Jucurutu.

O que torna isso uma irresponsabilidade, pois, o município já não tem um suporte bom na saúde, e a falta de cobertura vacinal pode deixar em colapso o sistema de saúde que não tem suporte suficiente.

error: Content is protected !!