fbpx

Banqueiro diz à PF que embolsou dinheiro destinado a Romero Jucá

BRASILIA, DF, BRASIL, 23-05-2016, 12h00: O ministro do Desenvolvimento Romero Jucá durante coletiva de imprensa para falar sobre as denúncias de que teria agido para travar investigações da Lava Jato, na sede do ministério. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress, PODER)

O banqueiro José Augusto Ferreira dos Santos, ex-controlador do Banco BVA, contou em depoimento à Polícia Federal que se apossou de R$ 2,5 milhões enviados pela Andrade Gutierrez ao senador Romero Jucá (MDB-RR) como suposta propina. O parlamentar é líder do governo Temer na Casa e preside a sigla.

Investigadores suspeitam que o banqueiro queira eximir o senador do recebimento de vantagem indevida. Santos, que não é delator, depôs em dezembro no inquérito que tramita no STF para investigar o senador, depois que dois delatores da Andrade disseram que ele foi o intermediário de propina paga a Jucá em torno de obras da hidrelétricas do rio Madeira, em Rondônia.

O banqueiro confirmou que a Andrade o procurou porque queria fazer pagamentos à campanha eleitoral de Jucá em 2010 sem que o nome da empreiteira aparecesse. Segundo sua expressão, a empreiteira precisava “valer-se de terceiros”. 

O banqueiro disse que indicou duas empresas para receber os valores, a Cia Ibatiba de Consultores, controlada por ele, e a Probank Consultores, controlada por um sócio. Ele reconheceu que os contratos “de consultoria” assinados entre as duas empresas e a Andrade eram fictícios, “serviriam apenas para justificar o fluxo financeiro necessário às doações, ou seja, não teriam a efetiva prestação de serviços”.

Os registros contábeis da Andrade, periciados pelo Instituto Nacional de Criminalística da PF, indicaram um pagamento de R$ 1,1 milhão para a Probank, em março de 2010, e dois pagamentos no valor total de R$ 1,4 milhão para a Ibatiba, em agosto e setembro do mesmo ano, época da campanha eleitoral.

Contudo, o banqueiro afirmou que o dinheiro, diferentemente do combinado por ele com a Andrade, não foi remetido para Jucá, e sim usado de três formas: “distribuição entre os sócios das empresas, sobretudo ao próprio declarante [Santos]”, “investimentos diversos”, os quais ele não detalhou, e compra de debêntures da holding BVA Empreendimentos, pertencente ao próprio Santos.

A PF então indagou se alguém o procurou para saber o destino do dinheiro. Santos respondeu que não. “Os valores permaneceram na esfera de disponibilidade das empresas vinculadas ao declarante [Santos], sem qualquer reclamação por parte da Andrade Gutierrez ou de Romero Jucá”, disse o banqueiro.

DELATORES

A versão apresentada por Santos confirma diversos pontos do acordo de delação fechado por dois executivos da Andrade, o ex-diretor de energia Flávio David Barra e o ex-presidente na América Latina Rogério Nora de Sá.

Seis meses antes do depoimento do banqueiro, Barra já havia dito à PF que o pagamento ocorreu por meio da Probank e da Ibatiba e que o acerto foi feito com Santos.

Os delatores disseram à PF que a Andrade tinha uma parceria com a empreiteira Odebrecht para construção de usinas hidrelétricas em Rondônia e por volta de 2009 foram informados pelos parceiros de que havia “compromissos políticos” em torno do projeto. Deveriam ser pagos R$ 120 milhões a políticos e partidos diversos, como PMDB, PT e PSDB.

A parte destinada a Jucá seria de R$ 4 milhões, segundo Barra. Ex-executivos da Andrade que “tinham contato direto” com o senador, segundo o delator, foram orientados por Jucá a procurar o dono do BVA para tratar do pagamento.

Barra disse que a princípio o banqueiro sugeriu uma operação financeira que previa um investimento no BVA, “do qual poderia ser retirado um percentual que seria repassado para o senador”, como “rentabilidade”, uma ação “de forma dissimulada, com baixo risco de identificação da transação”. Barra, contudo, disse que não aceitou esse caminho.

Num segundo encontro, segundo o delator, foi acertado o pagamento, por meio de “contratos simulados” às duas empresas indicadas por Santos. Barra não soube dizer à PF como Santos direcionou o dinheiro para a campanha de Jucá, mas nunca recebeu reclamações do senador sobre os valores.

A Justiça decretou a falência do BVA em 2014.

OUTRO LADO

O senador Romero Jucá afirmou à Polícia Federal que “nunca solicitou ou orientou” o ex-controlador do Banco BVA, José Augusto Ferreira dos Santos, a fazer contratos com a Andrade Gutierrez nem foi beneficiado por recursos ilícitos.

Jucá disse ainda que “não conhece, nunca ouviu falar ou tem qualquer relação com as empresas Ibatiba ou Probank” e que “nunca autorizou ou orientou” o banqueiro a abrir ou gerenciar aplicações em seu nome ou em seu benefício. Procurada pela Folha, a assessoria de Jucá disse que ele não se manifestará.

À PF ele confirmou que conhece Santos, “banqueiro que transitou bastante em Brasília” e com ele tratava de temas da economia nacional. Certa vez Santos sugeriu a Jucá “a criação de um fundo de investimento a ser constituído com precatórios”. Jucá disse que já recebeu Santos em seu gabinete para tratar desses assuntos, “em mais de uma ocasião, não se recordando de datas”.

Procurado pela Folha, o banqueiro não foi localizado. Uma pessoa que atendeu o telefone em sua casa disse que ele estava em viagem, sem prazo de retorno.

Em seu depoimento, o banqueiro disse que conhecia Jucá e “outros parlamentares”, que participou de reuniões “institucionais” no gabinete dele na condição de representante de uma associação de bancos do Rio.

As informações são da Folha de São Paulo

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: