Bolsonaro quer fazer do Nordeste, uma ‘vitrine’ da administração

Bolsonaro dará atenção especial ao Nordeste Foto: ADRIANO MACHADO / REUTERS

Última trincheira do PT no país, o Nordeste deverá ganhar atenção especial do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL). Ele pretende transformar a única região em que não saiu vencedor nas urnas em uma vitrine de seu governo a partir da retomada de obras paralisadas das administrações petistas, como a transposição do Rio São Francisco e a construção de ferrovias, como a Transnordestina.

— Tenho dito que o Nordeste é o centro das atenções para mudar o Brasil — disse ao GLOBO o futuro ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), o general Augusto Heleno. — Na região, o primeiro grande plano é resolver o problema da falta de água — completou.

Além da transposição do São Francisco, o governo vai apostar no uso da tecnologia de dessalinização de água. No planejamento traçado para a região, uma das metas é importar tecnologia israelense de retirada de sais das águas para estimular a agricultura no semiárido nordestino, uma das promessas mais repetidas durante a campanha de Bolsonaro.

O general admite que priorizar ações no Nordeste trará ganhos políticos ao presidente eleito e será fundamental para quebrar resistências de governadores de partidos de esquerda da região — o PT vai governar Bahia, Ceará, Piauí e Rio Grande do Norte em 2019. Jussara Soares e Dimitrius Dantas – O Globo

— O Nordeste pode (se tornar uma grande vitrine de Bolsonaro), mas acho que essa preocupação é secundária, consequência. Não acredito que as pessoas sejam tão infantis e continuem pensando em voto, em manipulação, em manter gente como coitadinho quando a gente pode fazer as pessoas terem outra perspectiva para o futuro — disse.

Considerado um dos quadros mais relevantes do governo eleito, o general reconhece que as obras da transposição e das ferrovias não vão acontecer de uma hora pra outra. O futuro ministro também não detalha como um governo vai tocar as grandes obras com graves problemas fiscais.

— Uma ferrovia leva tempo para construir, não é como estrada de rodagem, mas é muito mais econômica — explica Heleno.

Outro ponto que demandará atenção do novo governo será a reposição adequada das vagas que eram ocupadas por médicos cubanos na região. Na semana passada, Cuba pediu desligamento do programa Mais Médicos do governo federal. Cidades nordestinas serão afetadas com a saída dos profissionais do país, o que vem gerando apreensão nas administrações municipais.

Coordenador do grupo de planejamento da campanha, o general Heleno afirma que o governo Bolsonaro apostará em ações que “não sejam apenas assistencialistas, temporárias e cativadoras de votos”.

O futuro governo reafirma a manutenção do Bolsa Família, o programa mais popular dos anos do PT no poder. Após a votação do primeiro turno, o então candidato Bolsonaro prometeu, inclusive, criar o 13° salário para os beneficiários do Bolsa Família. Desde a votação do segundo turno, o presidente eleito nunca mais falou do tema ou mesmo de qualquer prazo para cumprir a promessa.

Nacionalmente, Jair Bolsonaro rompeu a sequência de quatro vitórias do PT nas eleições presidenciais, mas testemunhou a força do petismo no Nordeste. Dos 1. 794 municípios da região, o candidato do PT, Fernando Haddad, levou a melhor em 98,6% deles.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: