Brasil mantém liderança no ranking de mortes de ambientalistas em 2016, diz ONG

Resultado de imagem para ong Global Witness

O Brasil continua no topo da lista dos países onde ativistas ambientais mais foram mortos em 2016, com 49 casos, segundo o levantamento Defensores da Terra, divulgado hoje (13) pela organização não governamental Global Witness. Em todo o mundo, foram pelo menos 200 ativistas assassinados no período, cerca de quatro pessoas por semana.

É o maior número de mortes de ambientalistas registrado em um ano pela organização. “Com muitos assassinatos não relatados, e nem ao menos investigados, é provável que o número verdadeiro seja muito mais alto”, avalia o relatório.

O levantamento aponta que o fenômeno de violência contra ativistas não está apenas crescendo, mas também se espalhando pelo mundo. No ano passado, a Global Witness documentou assassinatos em 24 países. Em 2015, foram 16 . “A falta de processos também dificulta identificar os responsáveis, mas encontramos evidências fortes de que a polícia e as Forças Armadas [locais] estavam por trás de pelo menos 43 assassinatos [em vários países]”, informa.

A organização avalia que cabe aos Estados, conforme legislação internacional, proteger os defensores de direitos humanos para que possam atuar com segurança, mas lamenta que aqueles que defendem causas fundiárias e ambientais enfrentam riscos específicos e aumentados porque desafiam interesses comerciais. “Para mantê-los seguros, é necessária ação.”

De acordo com a Global Witness, a principal causa de morte dos ativistas em 2016 foi o envolvimento das vítimas em conflitos contra a atividade de mineração, agronegócio e exploração madeireira. O setor de mineração permanece o mais perigoso, com 33 ativistas mortos depois de se oporem a projetos de mineração e petroleiros.

O relatório ainda alerta que assassinato é apenas uma das táticas para silenciar ativistas. Ameaças de morte, prisões, violência sexual e ataques legais também são recorrentes, segundo a organização.

Das vítimas em todo o mundo, 40% são indígenas e 60% são da América Latina. O Brasil é seguido no ranking pela Colômbia, com 37 assassinatos; Filipinas, com 28; Índia, com 16, e Honduras, que lidera o ranking do país mais perigoso para ativistas per capita na última década, com 14 mortes.

Deixe um comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d blogueiros gostam disto: