Cármen Lúcia diz que combate à violência exige capacidade de amar

Carmen Lúcia

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, afirmou que “há uma imperiosa necessidade de se superar o quadro de violência” vivido atualmente pela sociedade brasileira. A ministra falou da missão do Judiciário para a superação da violência na manhã desta quarta-feira (14) durante o lançamento da Campanha da Fraternidade 2018 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), cujo tema é “Fraternidade e Superação da Violência”.

Para a ministra, a situação exige “solidariedade, fraternidade e a capacidade de amar e perdoar”. Cármen disse que a missão do Poder Judiciário é a aplicação do direito para buscar a solução de conflitos “de todas as formas contra todas as pessoas”, acentuando que umas sofrem mais que outras.

Cármen Lúcia se pronunciou após o secretário executivo da Comissão Brasileira de Justiça de Paz da CNBB, Carlos Moura, destacar que a comunidade negra é a maior vítima de violência do Brasil. “Há necessidade de encararmos, todos nós, emanados na perspectiva de superação do preconceito, da discriminação, que vitimiza essa comunidade”, disse. As informações são da Agência Estado.

A presidente do STF ainda afirmou que o Poder Judiciário tem “atuado de forma digna e de forma correta” para tentar superar esses problemas de forma democrática.

No lançamento da campanha também falaram o presidente da CNBB, cardeal Sergio da Rocha, o secretário-geral da conferência dos bispos, dom Leonardo Steiner, e o deputado federal Alessandro Molon (Rede-RJ), coordenador da Frente de Prevenção à Violência e Redução dos Homicídios na Câmara dos Deputados.

Durante os discursos, foram citados os números de violência do Brasil e os recentes episódios que marcaram o carnaval, vivenciados principalmente no Rio de Janeiro.

Desconfiança

Em sua fala, Cármen também destacou que a desconfiança que marca o quadro de violência pode tomar conta de “forma perigosa uma sociedade com marcos civilizatórios de pacificação”. “Essa pacificação que o Poder Judiciário procura permanentemente”, afirmou.

Cármen também destacou a necessidade da sociedade “voltar a amar” e crer no outro como aliado, e não como inimigo. “Eu fico me perguntando em que sociedade sonhamos quando a desconfiança e a violência contra o outro é o que se prega, e o que pelo menos se põe como a semente que pode florescer fazendo do outro não seu irmão, mas alguém que é preciso combater”, refletiu a ministra.

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: