‘Seguirei no exercício do mandato que me foi conferido’, diz Aécio

aecio

O senador Aécio Neves (PSDB-MG) disse que recebe “com absoluta serenidade” a decisão do ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), de restabelecer o seu mandato parlamentar. Em nota, Aécio afirmou que aceitou a decisão anterior do ministro Edson Fachin que autorizou o seu afastamento da mesma forma “resignada e respeitosa”.

“Sempre acreditei na Justiça do meu país e seguirei no exercício do mandato que me foi conferido por mais de 7 milhões de mineiros, com a seriedade e a determinação que jamais me faltaram em 32 anos de vida pública”, declarou.

Denunciado por corrupção passiva e obstrução de Justiça, Aécio foi afastado do mandato em 18 de maio. Com a decisão de Marco Aurélio, ele poderá participar das votações da Casa a partir da próxima semana.

Secretário Ivan Júnior se reúne com Dnocs sobre repasses de Oiticica e da adutora de Currais Novos

O Secretário de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos, Ivan Júnior, participou, nesta manhã (30), de uma reunião na sede do Departamento Estadual de Obras Contra a Seca (Dnocs), em Fortaleza, para tratar dos repasses financeiros da obra da Barragem de Oiticica.

Participaram da reunião o diretor de infraestrutura hídrica do Departamento, Roberto Otto e o diretor administrativo, Gustavo Henrique Paiva. Como resultado desse encontro, o Dnocs já enviou um despacho ao Ministério da Integração com dados do repasse. “A verba deve chegar na próxima terça-feira (04), aos cofres do Tesouro Estadual” disse Ivan.

Ainda na sede do órgão, o secretário participou de outra reunião para tratar do andamento da obra da adutora de engate rápido de Currais Novos, obra de responsabilidade do Departamento. Na oportunidade, ele solicitou informações e questionou a finalização desse sistema que também abastecerá a cidade de Acari.

Leia maisSecretário Ivan Júnior se reúne com Dnocs sobre repasses de Oiticica e da adutora de Currais Novos

STJ nega recurso de Lula sobre amizade de desembargador com Moro

A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não conseguiu reverter decisão que negou a admissão de recurso sobre um pedido de esclarecimentos a respeito da suposta ‘amizade íntima’ de um desembargador do Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF4) com o juiz Sérgio Moro.

As informações foram divulgadas no site do STJ.

A Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça seguiu o voto do relator, ministro Felix Fischer, que reafirmou a necessidade de a defesa utilizar meio processual adequado diante da alegada falta de imparcialidade do desembargador.

“O Poder Judiciário não é órgão consultivo”, advertiu o ministro. As informações são de O Estado de São Paulo.

Leia maisSTJ nega recurso de Lula sobre amizade de desembargador com Moro

José Adécio vai ao Alto Oeste prestigiar festejo junino em Rodolfo Fernandes

O deputado José Adécio continua cumprindo uma intensa agenda, prestigiando eventos juninos e lideranças que o apoiam. Na quarta-feira passada, foi a vez do município de Rodolfo Fernandes, no Alto Oeste potiguar.

José Adécio atendeu ao convite da ex-candidata à prefeita Neide Nazário, professora com diversos serviços prestados à comunidade.

O deputado ainda conversou com a vereadora Erinaide e com os amigos Ruberto Brasil e Cosmo Silva, entre outros. José Adécio encontrou o ex-deputado federal Betinho Rosado, que também prestigiou o evento.

“Fiquei muito feliz em vir a Rodolfo Fernandes, onde tenho amigos como a professora Neide Nazário, uma mulher simples, trabalhadora, muito preocupada com a coletividade. É sempre uma imensa alegria encontrar o povo dessa querida terra”, disse o deputado.

Fonte: Assessoria de Comunicação do deputado José Adécio

Protestos contra reformas e Temer atingem 23 estados e DF

Protesto seguiu da Praça Rio Branco até a avenida Frei Serafim (Foto: Gilcilene Araújo/G1)

Ao menos 23 estados e o Distrito Federal registraram protestos na manhã desta sexta-feira contra as reformas trabalhista e da Previdência e contra o governo do presidente Michel Temer. Sindicatos e movimentos sociais bloquearam rodovias e avenidas importantes. Em 12 regiões metropolitanas, o sistema de transporte público foi afetado por paralisações de motoristas de ônibus ou funcionários de linhas de trem e metrô. Algumas categorias, como bancários, comerciários, metalúrgicos, petroleiros e professores, aderiram à greve, mesmo que parcialmente.

Segundo a Central Única dos Trabalhadores (CUT), Força Sindical, União Geral dos Trabalhadores (UGT) e Frente Brasil Popular, que reúne movimentos sociais, os seguintes estados tiveram protestos nesta sexta-feira, além do Distrito Federal: Alagoas, Amapá, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Roraima, Santa Catarina, Sergipe, São Paulo e Tocantins.

Leia maisProtestos contra reformas e Temer atingem 23 estados e DF

PF combate serviços de segurança irregulares em todo o país

Resultado de imagem para pf fiscalização segurança privada

A Polícia Federal (PF) deflagrou nesta sexta-feira (30) a operação Segurança Legal para fiscalizar serviços de segurança irregulares e as empresas contratantes. “A contratação de serviços clandestinos de segurança privada coloca em risco a integridade física e o patrimônio dos tomadores do serviço, já que esses seguranças não são checados quanto aos seus antecedentes criminais, formação, aptidão física e psicológica”, afirmou a PF em nota.

Além do risco, os equipamentos utilizados nesse tipo de segurança podem ser oriundos de outras atividades ilegais, como armas e munições de origem irregular ou contrabandeadas.

Segundo a PF, no Brasil existem mais de 2.5 mil empresas de segurança privada legalizadas. No entanto, estima-se que o número de companhias clandestinas que atuam no setor seja quase o dobro, causando a chamada concorrência predatória. A estimativa é de que esse serviço clandestino movimente cerca de R$ 60 bilhões por ano, valor que escapa também ao recolhimento de tributos. Em quase todos os casos, há ainda violação flagrante dos direitos trabalhistas por meio de postos informais de trabalho.

Leia maisPF combate serviços de segurança irregulares em todo o país

Marco Aurélio determina volta de Aécio Neves ao Senado

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou nesta sexta-feira a volta do senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG) ao exercício de suas funções parlamentares. Assim, ele poderá exercer novamente o mandato. O afastamento do cargo tinha sido determinado pelo ministro Edson Fachin.

Marco Aurélio é o relator dos processos de Aécio baseados na delação de executivos da JBS. Há dois recursos pendentes de análise na Primeira Turma do STF, composta por cinco ministros, incluindo Marco Aurélio.

Um é o pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR) para prender Aécio. O outro é uma solicitação do próprio senador afastado para que ele possa retomar o exercício do mandato. Fachin foi o primeiro relator do caso. As informações são de O Globo.

Maia diz a aliados que não atuará para blindar Temer

A segunda secretária da Câmara, deputada Mariana Carvalho, na presença do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, faz a leitura da denúncia feita pela PGR contra o presidente Michel Temer

Sucessor imediato de Michel Temer, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), indicou aos principais caciques de seu partido que não atuará para blindar ou salvar o peemedebista no processo de votação das denúncias contra ele.

Em jantar reservado na noite de quarta-feira (28), em Brasília, Maia disse a aliados que não vai atender à principal demanda de Temer, a unificação das denúncias, e usou um estudo preliminar da área técnica da Câmara para justificar que as matérias não podem tramitar de maneira conjunta, como deseja o presidente.

O presidente da Câmara avalia que, hoje, Temer consegue barrar a primeira denúncia contra ele, por corrupção passiva, no plenário da Casa. Ele fez chegar ao Palácio do Planalto, porém, que a provável apresentação de outras duas acusações formais pela PGR (Procuradoria-Geral da República) contra o presidente poderia deteriorar o cenário e aumentar as chances de derrota em votações futuras. As informações são da Folha de São Paulo.

Leia maisMaia diz a aliados que não atuará para blindar Temer

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: