Ex-presidente do INSS ligado a Garibaldi é alvo de busca e apreensão

Resultado de imagem para fotos de garibaldi alves e lindolfo sales

Por ordem do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), foram cumpridos mandados de busca e apreensão contra suspeitos de operar recebimento de propina em contratos da Transpetro, subsidiária da Petrobrás.

O ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, revelou à PGR ter repassado, em 11 anos, R$ 100 milhões em propina aos peemedebistas. O dinheiro, supostamente oriundo de contratos da estatal, teria sido pago em espécie e por meio de doações oficiais.

Machado contou que Garibaldi, em eleições, sempre o procurava solicitando recursos. O último encontro, de acordo com ele, se deu em 2014, quando o senador era ministro da Previdência. Machado disse ter viabilizado R$ 700 mil para o congressista por meio de contribuições de empreiteiras que tinham contratos com a Transpetro.

Leia maisEx-presidente do INSS ligado a Garibaldi é alvo de busca e apreensão

Sindicatos devem arcar com prejuízo, diz Doria

ctv-v8j-doria-bilo

Durante greve na última sexta-feira, atos de vandalismo ocorreram em São Paulo; sindicatos não concordam com decisão de cobrar prejuízo

Matheus Mans e Luciana Dyniewick , O Estado de S.Paulo

O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou ontem que os sindicatos que participaram da organização da greve geral na cidade, na última sexta-feira, terão de pagar pelos prejuízos causados no mobiliário urbano. “Vamos cobrar todos os sindicatos”, disse o prefeito durante evento do programa Cidade Linda. “Eles irão dividir a conta do prejuízo que deram à cidade.”

Ao Estado, a assessoria da Prefeitura de São Paulo afirmou que informações sobre o tamanho dos danos estão sendo levantadas e que apura ainda quais são os movimentos envolvidos na quebra de semáforos, pontos de ônibus e outros objetos em vias públicas da cidade para que seja feita a cobrança. “Os subprefeitos da cidade já estão avisados que precisam calcular os prejuízos em seus bairros”, afirmou o político.

Leia maisSindicatos devem arcar com prejuízo, diz Doria

Problema do Funrural é complexo e não pode ser resolvido por MP, diz Maggi

Resultado de imagem para maggi agricultura

O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, avaliou neste sábado, 29, que uma saída resolver o problema Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural (Funrural) pode não passar pela edição de uma Medida Provisória (MP), diante da complexidade do assunto.

Ele lembrou que a decisão de março do Supremo Tribunal Federal (STF) tem dois impactos aos produtores: o retorno da cobrança do tributo sobre a receita bruta de agricultores e pecuaristas – uma alíquota de 2,3% para pessoa física e 2,6% para jurídica – e ainda a geração de um passivo estimado em R$ 10 bilhões do tributo não recolhido nos últimos cinco anos.

“Conversei com o presidente (Michel Temer) esta semana e a tendência era essa (a edição de uma MP). Mas me parece que o problema não é tão simples e fazer MP para resolver esse assunto deixariam umas pendências”, disse o ministro em entrevista após a abertura da ExpoZebu, em Uberaba (MG).

Leia maisProblema do Funrural é complexo e não pode ser resolvido por MP, diz Maggi

Votação de proposta indica apoio ‘oculto’ à Previdência

Câmara dos Deputados

O placar da reforma trabalhista mostra que o governo tem hoje uma margem de, pelo menos, 191 deputados para negociar o voto a favor da reforma da Previdência, aponta levantamento do Broadcast Político em parceria com o Estadão Dados.

Esses parlamentares estão entre os 296 que votaram a favor das mudanças na CLT e os 39 que se ausentaram da votação, mas se declaram indecisos ou não querem responder ao Placar da Previdência do Estado sobre a reforma previdenciária.

A maioria desses “potenciais votos” está em partidos do chamado núcleo duro do governo, à frente de importantes ministérios. O PMDB, do presidente Michel Temer, tem 33 deputados nesse perfil. Já o PSDB, um dos principais aliados do governo, tem 24 desses votos. As informações são de O Estado de São Paulo.

Leia maisVotação de proposta indica apoio ‘oculto’ à Previdência

Ação da PF mira advogado de Renan e aliados de Jucá, Sarney e Garibaldi

Foram expedidos 10 mandados para serem cumpridos em Alagoas, Rio Grande do Norte, Sergipe, São Paulo e no Distrito Federal., todos de busca e apreensão. Não houve prisões.

Por Bela Megale – Folha de São Paulo

A Polícia Federal deflagrou nesta sexta-feira (28) a Satélites 2, segunda fase da operação que mira pessoas relacionadas a políticos que estão sob investigação no âmbito da Lava Jato.

Entre os alvos está o advogado do senador Renan Calheiros (PMDB-AL) Bruno Mendes, que já foi assessor parlamentar do alagoano

Também foram alvos uma ex-assessora do gabinete do senador Romero Jucá (PMDB-RR), um assessor do ex-presidente da República José Sarney (PMDB) e um antigo chefe de gabinete do senador Garibaldi Alves (PMDB-RN).

Outras pessoas ligadas ao PMDB nesses Estados também foram alvo da operação.

Leia maisAção da PF mira advogado de Renan e aliados de Jucá, Sarney e Garibaldi

Delator-chave é excluído de petição contra Alckmin

O governador Geraldo Alckmin participa do sorteio de casas populares, pelo programa CDHU em Patrocínio Paulista (SP), na manhã desta sexta-feira (21).

THAIS BILENKY – Folha de são Paulo

Peça-chave no suposto esquema de caixa dois da campanha de Geraldo Alckmin (PSDB) em 2014, o delator Luiz Bueno não foi incluído na petição contra o governador de São Paulo.

Então chefe da Odebrecht em São Paulo, Bueno teria sido o responsável por negociar o valor e organizar os repasses a um interlocutor de Alckmin em 2014, segundo relatos que integram a peça da PGR (Procuradoria-Geral da República).

O ex-executivo da empreiteira foi apontado por dois outros delatores como o articulador da operação com Marcos Monteiro, hoje secretário do governo. A delação de Bueno está em sigilo.

Arnaldo Cumplido, então diretor de contrato da Odebrecht com a Linha 6 do Metrô de SP, afirmou aos procuradores que Bueno “mandava cada programação com codinome e o valor”.

Leia maisDelator-chave é excluído de petição contra Alckmin

‘Talvez não seja hora de votar abuso e fim do foro’, diz Maia

Presidente da Câmara considera que ambiente está ‘radicalizado’

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, disse ao GLOBO que ainda não analisou o mérito da lei de abuso de autoridade, mas avaliou que, como o ambiente está “radicalizado”, talvez não seja a melhor hora para votar nem esse projeto, nem o do fim do foro privilegiado, aprovados no Senado na última quarta-feira. Maia vai discutir o trâmite do projeto de abuso na semana que vem com os líderes.

— É preciso parcimônia, o ambiente está muito radicalizado. Muitos dizem que não é o momento de tratar de abuso de autoridade. Talvez também não seja o melhor momento de tratar do foro. Mas o abuso eu quero ouvir os líderes na semana que vem para saber se eles acham que já está maduro para levar para o plenário ou se é melhor discutir primeiro na comissão — afirmou. As informações são de O Globo.

Leia mais‘Talvez não seja hora de votar abuso e fim do foro’, diz Maia

Temer diz não ter preocupação com lava jato

temer

No início do mês, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin, relator da Lava Jato na Corte, autorizou o pedido de investigação de oito ministros do governo

O presidente Michel Temer afirmou ter preocupação “zero” com a Operação Lava Jato. “Zero, eu não tenho preocupação nenhuma. Eu sempre digo ‘Vamos deixar a Lava Jato trabalhar em paz, vamos deixar o Ministério Público [MP]cumprir seu papel, o Judiciário cumprir seu papel e vamos continuar trabalhando[/MP]”, afirmou o presidente em entrevista exibida na noite de ontem no Programa do Ratinho, do SBT.

No início do mês, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin, relator da Lava Jato na Corte, autorizou o pedido de investigação de oito ministros do governo. Por enquanto nenhum deles deixou seus cargos, já que Temer adotou como critério, primeiramente, o afastamento provisório em caso de denúncia e o definitivo se o ministro virar réu. As informações são da Agência Estado.

Leia maisTemer diz não ter preocupação com lava jato

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: