fbpx

‘Não há razões para eu estar em apuro’, diz FH sobre Lava-Jato

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) divulgou neste domingo nota em que nega irregularidades nas campanhas presidenciais de que participou em 1994 e 1998. Na nota, Fernando Henrique afirma que “falta objeto a ser apurado, além do que, se acusação houvesse, o eventual delito (falsidade ideológica) já estaria prescrito há muitos anos”. O ex-presidente diz ainda que não há motivos de ele estar em apuro.

“Ora, nas declarações do senhor Emílio Odebrecht no inquérito da Lava-Jato ele disse expressamente que não pratiquei “ilicitudes” e que nunca falou comigo sobre valores para a referida campanha. Tanto assim que um procurador que o escutava redarguiu: então esta parte do “anexo” não nos interessa. Não tenho portanto nada a negar. À afirmação de que como em todas as outras campanhas deveria ter havido uso de recursos não declarados seguiu-se a declaração, pelo mesmo depoente, de que não se lembrava a quem teria dado os recursos. Logo, não há razões para eu estar em apuro”.

Neste domingo, o GLOBO publicou matéria em que informa que 14 ex-presidentes latino-americanos são investigados na Lava- Jato. Além de Fernando Henrique, outros quatro ex-presidente vivos são citados em depoimentos de ex-executivos da Odebrecht em delação premiada: Dilma Rousseff (PT), Luiz Inácio Lulca da Silva (PT), Fernando Collor (PTB) e José SArney (PMDB).

Os delatores da Odebrecht afirmam que fizeram pagamentos ilícitos para as campanhas de Fernando Henrique em 1994 e 1998.

Lava-Jato faz chegar a 14 o número de ex-presidentes latino-americanos investigados

Entre eles, foram citados os cinco ex-presidentes brasileiros vivos

POR MARTIN LEON ESPINOZA, DO EL COMERCIO/GDA*

Há um antes e um depois da Lava-Jato na América Latina. A gigantesca investigação de corrupção tem como ponto de partida o Brasil, mas rapidamente se espalhou para outras nações na região, sobretudo a partir do fim de 2016, quando a construtora Odebrecht reconheceu às autoridades americanas que pagou suborno nos países onde operava. Quando a empreiteira fez a confissão, o Departamento de Justiça dos EUA se reuniu e qualificou o caso como o maior suborno de empresa estrangeira na história.

A relevância da investigação da Odebrecht é tamanha que promotores e procuradores-gerais de 10 países da América Latina e de Portugal concordaram em realizar ação coordenada. As apurações comprometem ex-funcionários da empreiteira em vários países. Mas também atingem pessoas que faziam parte do círculo mais exclusivo do poder: os ex-presidentes. Existem vários envolvidos na Lava-Jato. Mas há também uma série de ex-presidentes questionados ou investigados em outros escândalos. Todos agora fazem parte do clube dos ex-presidentes com problemas.

Leia maisLava-Jato faz chegar a 14 o número de ex-presidentes latino-americanos investigados

Doria diz que ainda é muito cedo para analisar pesquisa de 2018

Doria

O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou que ainda é cedo para fazer comentários sobre resultados de pesquisas eleitorais para a disputa à Presidência em 2018, em referência à sondagem da Datafolha divulgada neste domingo (30).

Na pesquisa, o prefeito paulistano aparece como tucano mais competitivo entre seus parceiros de partido: o governador paulista Geraldo Alckmin e os senadores Aécio Neves (MG) e José Serra (SP). O ex-presidente Lula ficou na liderança em todos os cenários criados pelo instituto, mas o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) cresceu na pesquisa, ficando empatado com Marina Silva (Rede-AC).

“É um cenário ainda muito antecipado, pesquisa a essa hora reflete muito pouco para uma eleição que é em outubro do ano que vem. Temos que esperar o início de 2018 para as pesquisas começarem a indicar melhor as tendências e cenários da eleição”, disse neste domingo, após participar da cerimônia oficial de inauguração da Japan House, na Avenida Paulista.

Leia maisDoria diz que ainda é muito cedo para analisar pesquisa de 2018

Nova delação da Andrade compromete Aécio, Serra e campanha de Dilma

Estranhamente, no entanto, os procuradores não se interessaram em vasculhar a compra de 30% da GameCorp pela Oi (na época co-controlada pela Andrade) em 2005, por R$ 5,2 milhões. Desde então, a Oi injetou R$ 82 milhões na empresa, que tem um filho de Lula como sócio.

Por Lauro Jardim –   O Globo

Procuradores da Lava-Jato e os advogados da Andrade Gutierrez fecharam o cardápio do recall das delações. Ao contrário dos primeiros depoimentos, dessa vez os tucanos terão com o que se preocupar — e muito.

Será detalhada a participação do então governador Aécio Neves no processo de entrada da Cemig no consórcio que venceu a licitação da hidrelétrica de Santo Antônio. Assim como pagamentos de propina na construção da Cidade Administrativa de Minas Gerais.

Leia maisNova delação da Andrade compromete Aécio, Serra e campanha de Dilma

Em acordo, CUT muda local de show do 1° de maio, mas obtém autorização para marchar na Paulista

A CUT (Central Única dos Trabalhadores) e a Prefeitura de São Paulo chegaram a um acordo na Justiça, após liminar proibir a entidade de realizar shows do Dia do Trabalho na avenida Paulista.

Segundo documento ao qual o Painel teve acesso, a central se comprometeu a realizar as comemorações na Praça da República, mas obteve garantia de que poderá, em seguida, marchar para a Paulista para promover ato político, sem atrações musicais, segundo informações divulgadas pela coluna Painel da Folha de São Paulo.

O acordo, assinado pelo juiz Alexandre David Malfatti, pelo secretário de Justiça do município, Anderson Pomini, pelo presidente da CUT-SP, Douglas Izzo, entre outros, diz ainda que a central só poderá levar à Paulista um carro de som, para vocalizar os discursos, sem apresentação musical.

O acerto põe fim a um impasse entre a CUT e a Prefeitura, que obteve neste sábado decisão favorável a pedido para impedir que a entidade fizesse as festas do 1 de maio na Paulista.

Morre o cantor e compositor Belchior aos 70 anos

"Belchior (1946-2017)"

O cantor e compositor cearense Belchior morreu na noite deste sábado (29) em Santa Cruz do Rio Grande do Sul, aos 70 anos.

Familiares do artista comunicaram o governo do Ceará, que, em nota, decretou luto oficial de três dias no Estado.

Em agosto de 2009, parentes e amigos do músico relataram ao “Fantástico” não ter notícias sobre o Belchior há cerca de dois anos. O sumiço pegou muitos de surpresa e repercutiu internacionalmente, tendo destaque em jornais como o britânico “The Guardian”.

Leia maisMorre o cantor e compositor Belchior aos 70 anos

PROS vendeu tempo de TV à campanha Dilma-Temer, diz ex-dirigente

Presidente do partido teria cobrado R$ 7 milhões para apoiar chapa PT-PMDB

Dois ex-dirigentes do Partido Republicano da Ordem Social (PROS) admitiram, em entrevistas ao “Jornal Nacional”, da TV Globo, e à revista “Veja”, que o partido vendeu seu tempo de televisão nas eleições de 2014 à campanha de Dimla Rousseff (PT) e Michel Temer (PMDB). Estas declarações corroboram o depoimento do ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht, Alexandrino Alencar. Em delação premiada, ele afirmou que cinco partidos receberam R$ 7 milhões, cada, para se coligar à chapa encabeçada por Dilma. Além do PROS, seriam o PCdoB, o PRB, o PDT e o PP.

Agora, pela primeira vez ex-dirigentes de um desses partidos confirmam as informações. O ex-tesoureiro e fundador do PROS, Niomar Calazans, e o ex-presidente de honra da legenda, Henrique José Pinto admitiram as negociações, que teriam envolvido também pelo menos cinco candidatos a governador naquele ano: Paulo Sakf (PMDB-SP), Anthony Garotinho (PR-RJ), Marconi Perillo (PSDB-GO) e Delcídio Amaral (PT-MS), além de José Melo (PROS-AM).

Leia maisPROS vendeu tempo de TV à campanha Dilma-Temer, diz ex-dirigente

Centrais sindicais mantêm comemoração no 1º de maio

CUT vai recorrer a decisão judicial que proíbe evento e pretende estar na Av. Paulista; Força Sindical e CSB estarão na zona norte de São Paulo

No embalo da greve geral contra reformas do governo federal na sexta-feira, 28, centrais sindicais reforçam as comemorações para segunda-feira, 1º de maio, Dia do Trabalhador. Em São Paulo, principais concentrações serão na região da Av. Paulista e na zona norte, no Sambódromo do Anhembi e redondezas. Estão previstos atos políticos, shows de rappers, bandas sertanejas e sorteios de carros.

CUT. A Central Única dos Trabalhadores (CUT) planejava realizar um ato político e shows na Av. Paulista na segunda-feira, 1º de maio, para marcar o Dia do Trabalhador. No entanto, uma decisão da justiça encaminhada neste sábado, 29,  determinou que o evento não poderá ocorrer nos modos que a Central vinha divulgando porque “a realização em via pública de uma festa/celebração da magnitude que é a do ‘Dia do Trabalho’ (que, como se verifica do anúncio no sítio do réu, contará, como de costume, com shows de música) não prescinde da prévia autorização do Poder Público competente”.

A CUT diz que já havia se organizado para que o evento seguisse os procedimentos de segurança e que Polícia Militar e CET estavam cientes da realização.  

Leia maisCentrais sindicais mantêm comemoração no 1º de maio

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: