PSB veta apoio a Alckmim do PSDB

Resultado de imagem para psb veta alckmin

PSB fechou as portas para o presidenciável do PSDB, Geraldo Alckmin, contra a vontade do maior aliado do tucano entre os socialistas, o vice-governador paulista Márcio França. Com o veto do partido a uma aliança com Alckmin e sem o apoio do PSDB à sua pré-candidatura a governador, França namora outros presidenciáveis, entre eles o senador Álvaro Dias, do Podemos. Ele nega que as articulações indiquem uma traição ao “padrinho” tucano, mas admite o desconforto. “Vamos fazer de um jeito que diminua o constrangimento”, disse França à piauí.

O primeiro revés para o vice-governador veio no último fim de semana, quando o congresso nacional do PSB aprovou uma resolução antitucanos: a sigla não apoiará candidato a presidente que defenda as reformas da Previdência e trabalhista ou que pregue as privatizações da Eletrobras e da Petrobras. Apesar de não explicitar o nome do governador paulista, o texto mirou as pretensões de França em levar o PSB a apoiar o PSDB.

A resolução aprovada durante o congresso que ocorreu em Brasília previu três rumos possíveis para a sigla tomar na eleição presidencial: 1) ter candidatura própria, 2) não apoiar ninguém ou 3) aliar-se apenas a candidatos ditos “progressistas”, definidos por não defenderem as reformas do governo Temer e se oporem à privatização de quaisquer empresas estatais federais.

A primeira opção foi redigida para permitir – primordialmente – a candidatura do ex-presidente do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa. A segunda é para a eventualidade de o magistrado não se filiar ao PSB. A terceira, para garantir que o partido não acabe na coligação do tucano – sem descartar a possibilidade de vir a apoiar a candidatura de Ciro Gomes (PDT). LEIA MATÉRIA COMPLETA AQUI NA REVISTA PIAUI 

Kelps diz que Fátima Bezerra está desconectada com os problemas do RN

O deputado estadual Kelps Lima, do solidariedade, acompanhado do vereador do SD em Assú João Paulo, um dos réus no esquema criminoso e fraudulento, denominado de quadrilha dos gafanhotos que desviou mais de R$ 1 milhão dos cofres da Prefeitura na gestão do ex-prefeito Ronaldo Soares, com o pagamento de uma folha de funcionários fantasmas – esteve ontem participando do programa Panorama do Vale.

Na entrevista ao repórter da Rádio Princesa do Vale Jarbas Rocha, o deputado Kelps Lima, apontado como pré-candidato a governador nas eleições de outubro, meteu a ripa no atual governador Robinson Faria e aproveitou para sentar a pua na senador do PT e pré-candidata a governadora Fátima Bezerra. Apesar de afagar Fátima Bezerra, Kelps afirmou que, a senadora PT está desconectada com os problemas do Rio Grande do Norte.

Escute abaixo trecho da fala do deputado do Solidariedade:

 

 

Governo Temer cogita mudar nome do Bolsa Família

O governo pretende mexer no programa Bolsa Família para introduzir o conceito de dignidade, segundo uma fonte a par do assunto. Também se cogitou trocar o nome por “Bolsa Dignidade“, mas existem dúvidas se isso é possível e avalia-se o risco de eventual repercussão negativa da medida em ano eleitoral. Também está em discussão a possibilidade de pagar um adicional de R$ 20 para os beneficiários que realizarem trabalho voluntário.

Outra proposta em análise é reajustar o Bolsa Família para repor a inflação (que fechou 2017 em 2,95%) e mais parte do aumento do botijão de gás como uma forma de compensar o impacto da alta do produto no orçamento das famílias mais pobres. O último aumento do Bolsa ocorreu em meados de 2016, de 12,5%.

O presidente Michel Temer pediu ao ministro do Desenvolvimento Social, Osmar Terra, para apresentar uma proposta ainda em março, a fim de o aumento possa ser pago dentro de um mês. O ministro quer anunciar a medida antes de deixar o cargo para disputar uma cadeira na Câmara dos Deputados.

PF acha mais 10 quilos de maconha no carro do filho de desembargadora

Breno

A Polícia Federal em Mato Grosso do Sul encontrou 10 quilos de maconha, com auxílio de cães farejadores, em um Jeep Renegade, de propriedade da presidente do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Estado, desembargadora Tânia Garcia de Freitas Borges, mas que era usado por seu filho, Breno Fernando Solon Borges – preso em 2017 sob acusação de tráfico de entorpecentes. A informação foi revelada pelo site Campo Grande News e confirmada por O TEMPO.

O Jeep foi apreendido em abril de 2017, na BR-262, no município de Água Clara (MS), por agentes da Polícia Rodoviária Federal. O carro era ocupado por Breno e sua namorada.

Na época, em uma carreta reboque atrelada ao carro os policiais apreenderam, na época, 51,7 quilos de maconha e 270 munições de grosso calibre. Mais um carregamento da droga, totalizando 129 quilos, foi encontrado em uma picape F-250, de propriedade Breno. As informações são da Agência Estado.

Leia maisPF acha mais 10 quilos de maconha no carro do filho de desembargadora

Potencial vice de Bolsonaro, Magno Malta quer multiplicar bancada religiosa

O senador Magno Malta (PR-ES) abraço o pré-candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro (RJ), à dir., durante ato de filiação do deputado ao PSL

Diga com quem Magno Malta andas, e ele te dirá quem és: “Guerreiros da família”. Ele, o presidenciável Jair Bolsonaro, seu filho FlavioBolsonaro e o pastor Silas Malafaia, que recepcionou a turma na terça (6), na sede da Associação Vitória em Cristo, no Rio.

Um dia depois, lá estavam o senador Malta (PR-ES) e o deputado Bolsonaro lado a lado de novo, num plenário da Câmara que lotou para acompanhar o pré-candidato à Presidência se filiar ao PSL. Malta só foi menos aclamado do que a estrela da noite. Chegou embalado pelo coro de “vice! vice! vice!”.

Horas antes, em seu gabinete, Malta, pastor evangélico que deu a entrevista à Folha com uma Bíblia à frente, desconversou ao ser questionado sobre conversas para que assuma como nº 2 na chapa do capitão da reserva.

“Quem fala isso são as redes sociais. Sou candidato à reeleição. Agora, minha vida está na mão de Deus. Do meu futuro não sei. A única coisa que sei é que o presidente será Bolsonaro, eu de vice ou não.”

Nos bastidores, o homem que Malafaia descreve como “político evangélico de maior prestígio no país” opera para se viabilizar como opção. Demonstrações públicas de afeto vêm em fotos juntos publicadas nas redes dele e de Bolsonaro. O que Malta admite: ambos têm muito em comum, das bandeiras que defendem ao jeito pouco sutil de fazê-lo. As informações são de Anna Virginia Balloussier – Folha de são Paulo.

Leia maisPotencial vice de Bolsonaro, Magno Malta quer multiplicar bancada religiosa

Ajudei Lula e agora vejo crescer responsabilidade nas costas, diz Ciro

Resultado de imagem para Ajudei Lula e agora vejo crescer responsabilidade nas costas, diz Ciro

Em evento na sede nacional do PDT, o ex-ministro Ciro Gomes lançou nesta quinta-feira (8) pré-candidatura ao Planalto dizendo que vê “crescer nas costas uma responsabilidade muito grande” depois de ter “ajudado o Lula por 16 anos”.

Antes de discursar no palanque, afirmou que quer ser candidato de “todos os brasileiros que tenham preocupação com o destino da pátria”, mas relacionou suas condições eleitorais à candidatura do ex-presidente petista.

Segundo Ciro, a situação eleitoral no Brasil se divide em cinco projetos políticos: o seu e o de Lula, no campo da centro-esquerda, o de Marina Silva (Rede), isolada, e os de Jair Bolsonaro (PSL) e de Geraldo Alckmin(PSDB) à direita.

Nessa lógica, a candidatura de Lula estaria “tamponando sua evolução”.

Bolsonaro [está] tamponando a evolução do candidato real dessa direita ‘civilizada’ do Brasil, que é o Alckmin. Problema deles”, afirmou, em entrevista antes do evento. As informações são de José Marques – Folha de São Paulo.

Leia maisAjudei Lula e agora vejo crescer responsabilidade nas costas, diz Ciro

Lewandowski não levará prisão em 2ª instância a plenário e complica Lula

Aumentou o impasse no Supremo Tribunal Federal (STF) para o julgamento, em plenário, do habeas corpus do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para evitar que ele seja preso depois da condenação em segunda instância. A esperança da defesa – e de integrantes da corte que querem ver o tema analisado logo – era que o ministro Ricardo Lewandowski levasse em mesa os habeas corpus de dois réus comuns que tratam do mesmo assunto. Uma vez com a tese fixada, o plenário analisaria o caso Lula. No entanto, Lewandowski já decidiu que não fará isso.

Lewandowski alega que os dois habeas corpus de relatoria dele já foram enviados para julgamento em plenário e estão com liminares concedidas. Por isso, não haveria urgência para apresentar os casos em mesa – o que, em linguagem jurídica, significa um ministro chegar no plenário com os processos prontos para julgamento, sem prévio agendamento da presidente do STF. Além disso, Lewandowski concorda com boa parte dos colegas: seria preciso primeiro Cármen Lúcia pautar o julgamento de duas ações genéricas, sem envolver o caso específico de um réu, para fixar uma tese sobre o assunto. Somente depois seria recomendável julgar habeas corpus de casos concretos.

Havia também esperança de que o relator do habeas corpus de Lula, ministro Edson Fachin, levasse o processo em mesa. Mas ele também já decidiu que não fará isso. Como ele já enviou o caso para o plenário, dependeria de Cármen Lúcia inclui-los na pauta. A interlocutores, ele disse que não quer atropelar a ministra e levar o caso em mesa. E, assim como Lewandowski, Fachin quer que o STF julgue primeiro a tese para depois examinar o caso específico. As informações são de CAROLINA BRÍGIDO – O Globo.

Leia maisLewandowski não levará prisão em 2ª instância a plenário e complica Lula

Sergio Moro bloqueia R$ 4,4 milhões nas contas de Delfim Netto

No despacho em que autorizou o cumprimento de mandados de busca e apreensão na residência e no escritório do ex-ministro Antônio Delfim Netto, o juiz Sergio Moro também determinou o bloqueio de R$ 4,4 milhões nas contas de Delfim.

A determinação foi enviada ao Banco Central, que irá bloquear o montante que estiver nas contas do ex-ministro até chegar ao valor determinado por Moro.

Residências e o escritório de Delfim Netto foram alvos de busca e apreensão durante a manhã desta sexta-feira, além das sedes da empreiteira J. Malucelli, no Paraná, uma das empresas que participaram do consórcio Norte Energia e fizeram depósitos a Delfim Netto.

O Ministério Público Federal (MPF) pediu um bloqueio ainda maior, de R$ 15 milhões, calculado como o valor total que o ex-ministro teria recebido, segundo os procuradores, como contrapartida indevida à sua participação na estruturação do consórcio vencedor da licitação de Belo Monte. As informações são de O Globo.

Leia maisSergio Moro bloqueia R$ 4,4 milhões nas contas de Delfim Netto

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: