fbpx

Celso Amorim volta como o plano C do PT

O ex-ministro Celso Amorim com a mão sobre a boca

Sob a ameaça de inviabilização de uma eventual candidatura  do ex-governador Jaques Wagner à Presidência,  o PT reavivou, nesta semana, o debate de seu “plano C”: do ex-ministro Celso Amorim. Após operação de busca e apreensão na casa de Wagner, em Salvador, petistas passaram a discutir a hipótese de lançamento de Amorim caso o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva seja mesmo impedido de concorrer à Presidência.

Para dar visibilidade ao ex-chanceler, dirigentes petistas estudam anunciar o nome de Amorim para vice na chapa de Lula, uma vez que o PT não deverá ter aliados no primeiro turno da disputa presidencial deste ano.

Sem experiência eleitoral, Amorim poderia, então, cumprir agendas ao lado de Lula sem que fosse interpretado como um ensaio para a eleição. Na avaliação de petistas, a escolha de Wagner ou do ex-prefeito Fernando Haddad para a vice seria automaticamente encarada como capitulação de Lula.
Já Amorim poderá mesmo ser vice de Lula se a candidatura do ex-presidente for mantida. Do contrário, Amorim poderá assumir a cabeça de chapa. As informações são de Catia Seabra –  Folha de São Paulo.

Amigo de Lula, Amorim foi ministro da Defesa e das Relações Exteriores. E, atualmente, atua como um dos principais articuladores do movimento em defesa da candidatura do ex-presidente.

Seu nome passa ao largo das denúncias de que petistas são alvos. No fim do ano passado, o nome do diplomata chegou a ser cogitado como alternativa para a disputa presidencial, debate que continua formalmente interditado no partido. Ele chegou a viajar ao lado de Lula na caravana pelo Nordeste, Minas e Rio de Janeiro.

O rebuscamento de seu discurso  foi, no entanto, considerado um dos obstáculos para sua candidatura. Além disso, Wagner era apontado por petistas como o preferido de Lula para “plano B” do partido. Por isso, o PT suspendeu o debate sobre Amorim e passou a investir em sua candidatura ao Palácio Guanabara.

Até o dia 26, quando foi deflagrada a operação Cartão Vermelho, marcada por uma ação na casa de Wagner, na Bahia. Segundo petistas, Wagner ainda é o preferido do partido para a disputa presidencial na hipótese de Lula não concorrer. Mas  dirigentes do PT reconhecem que sua imagem sofreu desgaste  e temem desdobramento da operação “cartão Vermelho”.

Na Bahia, Wagner chegou a dizer que seus adversários “vão morder a língua” se apostarem na possibilidade de que venha a desistir até mesmo da candidatura ao Senado.

HADDAD

Embora seja considerado um plano B, o nome do ex-prefeito Fernando Haddad ganha força dentro do PT para a disputa ao governo de São Paulo. Na semana passada, dirigentes petistas procuraram Lula para pedir que convença o presidente estadual do PT, Luiz Marinho, a desistir da candidatura ao Palácio dos Bandeirantes em favor de Haddad.

Nas conversas, esses petistas alegam que o partido precisa de um palanque robusto em São Paulo para fortalecimento da candidatura presidencial. Afirmam ainda que uma chapa encabeçada por Haddad, com o vereador Eduardo Suplicy para o Senado, teria mais leveza do que se liderada por Marinho.

Avalista de Marinho, argumentam, Lula seria o único capaz de convencê-lo a abrir mão.  E essa decisão, insistem, deve ser tomada agora. Segundo petistas, Lula ainda resiste à ideia de retirada da candidatura de Marinho. Além disso, Haddad nunca disse que pretende concorrer ao governo do Estado.

Em recente reunião com Lula, o deputado José Guimarães, que é da Executiva, defendeu a candidatura do Haddad ao governo de São Paulo, tendo apoio do Líder do PT no Senado, Lindbergh Farias (RJ).

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: