Ciro falou mais do que devia de novo

A 3ª Vara Criminal do Ceará aceitou uma queixa-crime apresentada pela senadora Damares Alves (Republicanos-DF) contra Ciro Gomes (PDT). O político agora é réu e deverá responder pelos crimes de calúnia, difamação e injúria, diz O Globo.

A queixa-crime foi motivada por declarações feitas por Ciro Gomes durante uma entrevista em maio de 2020. Na ocasião, o pedetista referiu-se à senadora como ”bandida nazifascista da quadrilha de Jair Bolsonaro”. A ex-ministra considerou as afirmações ofensivas e decidiu tomar medidas legais.

O magistrado responsável pelo caso destacou, ao jornal carioca, que existem indícios de materialidade e autoria da conduta delituosa. Apesar disso, uma audiência de conciliação foi realizada anteriormente, porém as partes envolvidas não conseguiram chegar a um acordo.

Agora, Ciro será intimado para que apresente sua defesa dentro do prazo de dez dias, em relação às acusações feitas por Damares Alves.

A imensa lista de processos contra Ciro Gomes

Uma reportagem da Folha de S. Paulo, publicada no ano passado, mostrou a coleção de condenações por danos morais do ex-presidenciável Ciro Gomes. As ações já resultaram na penhora e leilão de imóveis, vários bloqueios em contas bancárias, incluindo R$ 101 mil na de sua mulher.

Na lista dos que ingressaram processo contra o vice-presidente nacional do PDT estão os ex-presidentes Jair Bolsonaro, Michel Temer, Fernando Collor de Mello e Fernando Henrique Cardoso.

Ele também está sendo processado por José Serra, Eunício Oliveira, Ricardo Salles, Eduardo Cunha, João Doria e Valdemar Costa Neto.

Só na Justiça de São Paulo, há 13 processos listados, sendo 9 protocolados de 2018 até o fim de 2023.

Ciro também foi condenado a indenizar o vereador Fernando Holiday em R$ 38 mil por chamá-lo de “capitãozinho do mato”. O pedetista também entrou com ação contra Holiday, por ter sido chamado de “coronelista”, mas perdeu em todas as instâncias.
Somados e corrigidos, os processos ultrapassam a casa do milhão, segundo o jornal paulistano.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.