fbpx

Coalizão contra Lava Jato aproveita Copa para matar a operação

Ministros do STF

Aproveitando a distração popular com a Copa do Mundo na Rússia, a coalizão empenhada em matar a Operação Lava Jato avança.

A esperteza desse grupo de políticos, empresários e ministros de tribunais superiores que comanda o atual regime e corre algum risco diante das investigações não se limita ao timing da iniciativa, mas também a sua abrangência.

Na jogada brilhante dos últimos dias, os representantes do pacto no STF (Supremo Tribunal Federal) soltaram presos e suspenderam processos que beneficiam gente graúda em todo o espectro ideológico.

A ofensiva do STF não podia ser mais conveniente para os partidos políticos. Como estamos à beira de uma eleição gigantesca para renovar o Executivo e o Legislativo, quem tem cargo eletivo prefere não agir em público contra juízes e promotores que ainda gozam de apoio popular. De olho no eleitor, a CPI da Lava Jato foi retirada de cena com a mesma teatralidade em que lá foi posta. *Matias Spektor – Folha de São Paulo

Graças ao trabalho da corte suprema, os partidos foram à forra. O PT conseguiu tirar um velho ministro chefe da Casa Civil, inocentar uma senadora da República, anular uma busca e apreensão em seu apartamento e, de quebra, invalidar as provas que tinham por alvo seu marido, ex-ministro poderoso da sigla.

Com ajuda do Supremo, o PSDB livrou o deputado estadual da suposta máfia da merenda escolar da denúncia que o pressionava.

O MDB tirou da prisão o operador acusado de esquema de fraudes em fundos de pensão como Postalis e Serpros.

O PP conseguiu soltar um tesoureiro, rejeitar ação penal sobre intermediação de propina e adiar o julgamento de um senador.

O PSD conseguiu livrar um deputado de denúncia de falsificação de documentos, e o PC do B aproveitou o embalo para recorrer contra a prisão em segunda instância.

Passada a eleição, o pacto oligárquico redobrará a sua aposta, aproveitando a baixa taxa de renovação política. Qualquer substituição da velha política por um sistema um pouco mais limpo e decente demandaria mudanças profundas nas regras do jogo, mas nada indica que isso vá ocorrer.

Depois de outubro, o pacto também contará com um presidente mais forte do que o atual. Aí poderá introduzir novas regras para reduzir o poder do Ministério Público, aumentar a capacidade das cortes superiores de descartar evidências coletadas em delações premiadas e restaurar a prática de postergar condenações para quem tem condições de arcar com as custas de advogados de elite.

seleção brasileira encerrou a semana na Rússia chegando à liderança de seu grupo. Mas a grande vitória de 2018 será a do atraso.

Matias Spektor

Ensina relações internacionais na FGV. Trabalhou para a ONU antes de completar o doutorado em Oxford.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: