Com ‘toma lá dá cá’, Temer vira refém da própria vitória

FATURA - Michel Temer e um enigma: quanto custará agora manter a estabilidade política e aprovar as reformas?

A noite de quarta-feira, 2 de agosto, foi o exemplo mais contundente da força política que o presidente Michel Temer, mesmo desprezado pela imensa maioria dos brasileiros, tem no Congresso Nacional. Foram 263 votos para enterrar ali mesmo o andamento da denúncia contra o peemedebista, acusado de corrupção passiva pelo procurador-geral da República Rodrigo Janot.

Os oposicionistas conseguiram apenas 227 votos, 115 a menos do que o necessário. A vitória de Temer, incontestável do ponto de vista político, representou, porém, a consagração do fisiologismo, do balcão de negócios e do “toma lá dá cá” como instrumento para garantir a chamada “governabilidade”. Trancar o processo contra o presidente custou pelo menos 15 bilhões de reais – apenas em junho e julho, o governo assumiu o compromisso de pagar 4 bilhões em emendas parlamentares.

Durante a votação da denúncia contra Temer, o ministro da Articulação Política, Antonio Imbassahy, perambulava pelo plenário da Câmara dos Deputados com a lista das emendas empenhadas. Mercadejando cargos e promessas de dinheiro, o governo conseguiu enterrar o andamento do processo de corrupção contra Temer, mas abriu a porteira para se tornar refém da banda podre do Congresso. As informações são da revista Veja.

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: