Diretor da OMS passa pano para governo Lula sobre dengue

Em visita ao Brasil, o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom, passou um pano para o governo de Lula em relação ao aumento de casos de dengue no país.

Segundo Adhanom, a crescente alta em registros de dengue no Brasil faz parte de um grande aumento de casos da doença em escala global e que o país está fazendo seu melhor.

O Brasil está fazendo seu melhor. Os esforços são em interromper a transmissão e em melhorar o controle da doença”, disse. “Temos a vacina e isso pode ser usado como uma das ferramentas de combate”, completou.

O diretor-geral da ONU ressaltou que o fenômeno El Niño, associado ao aumento das temperaturas globais, tem contribuído para o aumento dos casos de dengue tanto no Brasil quanto no mundo. O diretor-geral da OMS também comentou sobre a importância da vacinação contra a doença e elogiou a capacidade do país em produzir insumos desse tipo.

A vacina esnobada pelo governo Lula

Em meio ao aumento de casos da doença em todo o país, no ano passado, o governo petista esnobou a vacina Qdenga, que agora será aplicada nas Unidades Básicas de Saúde (UBS).

Em julho de 2023, o Ministério da Saúde disse que a vacina contra a dengue produzida pelo laboratório japonês Takeda, autorizada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) na época, precisava de análise e que ela poderia demorar até um ano para ser incorporada ao sistema público.

O governo, em meio a recordes de casos da doença, preferiu priorizar uma vacina que está sendo produzida pelo Instituto Butantan desde 2009. O imunizante sequer teve a pesquisa finalizada e pode ser liberado pela Anvisa apenas em 2025.

Vacina era recomendada pela OMS

A OMS, dirigida por Adhanom, havia recomendado a vacina japonesa no ano passado. Hoje ele diz que o Brasil está fazendo o seu melhor, mas demorou para começar a vacinação.

Em outubro, a Organização Mundial da Saúde (OMS) passou a recomendar a vacina contra a dengue desenvolvida pela farmacêutica japonesa Takeda A decisão foi baseada nas análises do Grupo Consultivo Estratégico de Peritos em Imunização da OMS (SAGE).

A vacina da Takeda utiliza um vírus atenuado para estimular a resposta imunológica e demonstrou eficácia contra os quatro sorotipos do vírus da dengue em estudos realizados com crianças. Por isso, o SAGE recomenda que locais com alta carga e transmissão de dengue considerem a introdução da vacina.

Brasil teve recorde de mortes por dengue em 2023

Balanço do Ministério da Saúde, divulgado no mês passado, mostrou que o Brasil bateu recorde de mortes por dengue no ano de 2023. Ao todo, foram 1.079 mortes pela doença, de acordo com o Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan).

De acordo com a série histórica divulgada pela pasta, o maior número de óbitos tinha sido registrado em 2022, quando chegou a 1.053 registros. Em seguida, vem o ano de 2015, com 986 mortes.

“O momento é de intensificar os esforços e as medidas de prevenção por parte de todos para reduzir a transmissão das doenças. Para evitar o agravamento dos casos, a população deve buscar o serviço de saúde mais próximo ao apresentar os primeiros sintomas”, disse a pasta em nota.

Diante destes dados e também do surto de dengue que vive o país, com o Distrito Federal e mais quatro estados em situação de emergência, fica evidente que a declaração do diretor-geral da ONU não é cabível. O governo petista demorou mais de um ano para acordar e tomar atitudes contra essa doença que mata centenas de pessoas todos os anos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.