Empresa contratada por mais de R$ 3 milhões não existe em endereço citado no contrato

Blog do César Santos – defato.com

Onde fica a sede da São Tomé Distribuidora, que ganhou um contrato de mais de R$ 3 milhões da Prefeitura de Mossoró?

A suspeita que a empresa não funciona nos endereços fornecidos ao município, levou um grupo de vereadores da oposição investigar o caso in loco.

Nesta terça-feira, 23, os vereadores Tony Fernandes (SD), Paulo Igo (SD) e Omar Nogueira (Patriota) foram ao município de Monte Alegre, distante mais de 260 quilômetros de Mossoró, para verificar se existe atividade no endereço fornecido pela empresa, na Avenida Juvenal Lamartine, 789, Centro. E confirmaram que não tem nada em funcionamento no local.

Os vereadores entrevistaram populares e todos afirmaram que no município, de pouco mais de 22 mil habitantes, não existe a São Tomé Distribuidora, nem conhece a pessoa de Nivaldo Alves dos Santos Filho, que assinou o contrato milionário com a Prefeitura de Mossoró.

Os vereadores viajaram mais 60 quilômetros e foram até o município de São Tomé, para verificar o segundo endereço fornecido pela empresa, na rua Ladislau Galvão Pereira, 122. No local funciona uma casa residencial, que seria de familiares e Nivaldo Alves. No município, de pouco mais de 11 mil habitantes, populares ouvidos pelos vereadores afirmaram que a São Tomé Distribuidora não existe no local.

O rumoroso caso surgiu na semana passada quando a “Coluna César Santos”, no Jornal de Fato, noticiou que a Prefeitura de Mossoró havia contratado a São Tomé pelo valor de R$ 3.029.215,00 e que a empresa não existia nos endereços fornecidos.

A reportagem, ilustrada com fotos, mostrou que tanto em Monte Alegre quanto no município de São Tomé, não havia qualquer indício de existência da empresa nos endreços citados.

Contrato milionário assinado pela Prefeitura de Mossoró com a São Tomé Disribuidora

O prefeito Allyson Bezerra (União Brasil) não apresentou defesa e optou pelo silêncio. Mas, a secretária de Saúde, Morgana Dantas, que também assina a homologação do contrato milionário, na data de 16 de janeiro de 2024, gravou um vídeo chorando e afirmando que estava sendo atacada pela oposição, sem apresentar qualquer documento ou prova de que a empresa São Tomé existe.

Tony Fernandes, Paulo Igo e Omar Nogueira na entreda do município de Monte Alegre

Como não há uma explicação por parte da gestão Allyson e com a comprovação de que a São Tomé não existe nos locais indicados pela própria empresa, os vereadores de oposição vão denunciar o caso ao Ministério Público e pedir investigação. Outros contratos da Prefeitura, também suspeitos, estão sendo investigados pelos vereadores.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.