Ex-assessor de Temer usou jato da FAB e cotão para receber mala com R$ 500 mil

Resultado de imagem para loures rocha deputado

O ex-deputado e ex-assessor especial do presidente Michel Temer Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) usou um jatinho da Força Aérea Brasileira e dinheiro da cota parlamentar para se deslocar de Brasília a São Paulo e pegar a mala com R$ 500 mil em dinheiro vivo da JBS, que seriam propina destinada a Temer, segundo a delação dos irmãos Batista, donos da empresa. A informação consta no inquérito aberto para apurar o envolvimento do presidente com corrupção e foi divulgada pelo site de notícias BuzzFeed.

Em ligações interceptadas pela Polícia Federal (PF), Loures pede à secretária parlamentar Alessandra Serrazes para marcar sua viagem para São Paulo. O telefonema ocorreu às 9h09 do dia 27 de abril. Rocha Loures disse que tinha um jantar no Estado e que o ideal seria embarcar por volta das 18h. A assessora, então, fez referência a um voo da FAB reservado pelo ministro da Ciência, Tecnologia e Comunicações, Gilberto Kassab (PSD). Rocha Loures concorda em pegar carona no jatinho: “É, mantém o voo lá com o Kassab, mas imediatamente veja se tem alguma outra opção, porque o ideal pra mim era sair daqui às seis da tarde”. As informações são da Agência Estado.

Segundo o BuzzFeed, os registros da Câmara mostram que o gabinete de Rocha Loures emitiu uma passagem de Brasília a São Paulo naquele dia por R$ 1.416,79 em nome do deputado, mas Loures acabou indo a São Paulo no jatinho da FAB, com Kassab. “Verifica-se nos registros da FAB que ocorreu um trecho com o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações às 19h de Brasília para São Paulo, motivo ‘serviço’ e com previsão de sete passageiros, pousando no destino às 20h55, condizente com o que o deputado narrou no último diálogo apresentado”, diz relatório da PF

A volta a Brasília, porém, foi paga com a cota parlamentar e ocorreu no dia seguinte, após Rocha Loures pegar a mala com os R$ 500 mil com o executivo da JBS Ricardo Saud, em uma pizzaria em São Paulo. Por volta das 18h30 daquela data, o ex-assessor de Temer foi filmado recebendo a mala.

Fora o bilhete de ida, registros da Câmara mostram outros dois comprados em 27 de abril pelo gabinete do então deputado, mas ele só usou um. Segundo o BuzzFeed, a Câmara gastou R$ 2.765,59 com as três passagens aéreas: uma de ida à capital paulista e duas de volta a Brasília – uma delas não foi utilizada.

Cargo. Anotações em um celular antigo de Loures sugerem que ele negociou sua indicação para cargos na Caixa e em Itaipu. A Polícia Federal (PF) suspeita que os textos são do final de 2014. Em uma das anotações, Loures escreve uma mensagem a Temer dizendo ter obtido apoio do então presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, para a vaga de vice-presidência de Fundos e Loterias da Caixa. “Michel, acabo de ter ótima conversa com Henrique. Pedi a ele apoio para permanecer em Brasília. Ele concordou e sugeriu a VP da Caixa, ocupada anteriormente pelo Moreira. Ressaltou-me que, pelo meu perfil e estilo, posso ajudá-lo e apoiá-lo (agora e no futuro)”, escreveu o ex-assessor.

“De um amigo”

Mala. O taxista Daniel Rosa Pile, que transportou Loures em SP em 28 de abril, contou à PF que o ex-deputado disse que ia pegar “a mala de um amigo” numa pizzaria antes de ir ao aeroporto.

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: